sábado, 26 de março de 2016

INTRODUÇÃO À DOUTRINA DO SER DE DEUS - Parte 2/4


 TEMA: O Ser de Deus

 ARGUMENTAÇÃO:

1º) Em primeiro lugar, precisamos saber que uma das dificuldade para entender acerca do SER de Deus é que a bíblia não está muito preocupada em afirmar a existência de Deus, em provar a existência de Deus.
Se fosse essa a preocupação das Escrituras deveríamos ter um sofisticado sistema de provas sobre a existência de Deus. Mas, ao contrário, logo em Gêneses,  o que temos? “No princípio criou Deus os céus e a terra” (Gêneses 1:1).  Nada sobre quem Deus ou mesmo sobre o que é SER Deus.

Por conta disso, uma série de argumentos filosóficos precisam ser postos, sobre a existência de Deus. Quais sejam:

a)     Argumento cosmológico

Defende que tudo que existe, existe de forma causal, isto é, foi causado por algo ou alguém.

Aristóteles defendia também que “tudo que se move neste mundo tem que ser movido por algo que não seja ele próprio”. Ele entende também que existe um “motor que move todas as coisas”. Ele não chama esse motor de Deus, mas ele reconhece a necessidade da existência desse motor.

Já Tomás de Aquino vai dizer que esse motor de Aristóteles é precisamente Deus. Para ele: “Deus é a causa não causada que causou todas as causas” (Tomás de Aquino).

            b)    Argumento Teleológico (telos=propósito)

Defende que tudo tem um propósito e, assim sendo, também é necessário a existência de alguém que indique esse propósito e que seja autor do projeto que terá um propósito.

Por exemplo, um relógio não veio de uma explosão, de forma que tenha sido criado ao acaso e sem propósito. Alguém fez não somente o projeto desse objetivo, mas também pensou acerca do propósito da existência dele.

c)     Argumento antropológico (antros=homem)

Homem não é apenas um ser físico, tem senso moral, diferente de outros seres, intelecto, emoções e volição/vontade. Essa distinção que lhe é característica só pode ter sido fruto de uma comunicação de outro Ser que possui essas características.

d)    Argumento Ontológico – Anselmo 1033

Parte da afirmação que a crença em Deus é universal.  Todo homem  projeta a ideia de perfeição, de infinito. Ora, como um ser finito para conceber algo infinito? Descartes vai dizer que isso é a assinatura do Criador no homem.

2º) Em segundo lugar, precisamos entender a diferença entre Ontologia e Teontologia. Essa simples distinção falará sobre as propriedades do SER de Deus.

Ontologia significa “estudo do ser” e consiste em uma parte da filosofia que estuda a natureza do ser, a existência e a realidade. É o estudo daquilo que se “É” e não das qualificações que se possui.

Então, a ontologia pode ser utilizada também para o estudo do SER de Deus? Conceitualmente, não.

ONTOLOGIA é o Ser concebido como tendo uma natureza comum que é inerente a todos e a cada um dos seres.

Ou seja, a Ontologia estuda o que é inerente ao homem. Podemos pegar Adão como modelo, para efeito didático. Adão tem  senso moral, diferente de outros seres, intelecto, emoções e volição/vontade.  Isso é Adão, isso faz parte inerente do seu Ser. Adão é um homem e não um vegetal; Adão é um homem e não um cachorro; por conta dessas características. Mas não existe só Adão de homem, correto? Existem outros homens e pra que seja considerado homem é preciso ter essas mesmas características que foram identificadas em Adão, num ser em particular.

Adão e os homens possuem essência e qualidades em distinção. Já Deus é tanto essência quanto seus Atributos ou qualidades, não há distinção entre essência e qualidades.

Por isso não podemos usar a Ontologia para estudarmos o SER de Deus, visto que ele é ÚNICO e que não há ninguém como o Senhor. Ele possui algumas características inerentes somente a ele, que nenhum outro ser possui.

Sproul chega a afirmar corretamente que “apenas Deus “É” que apenas Deus tem SER, nós somos efêmeros, passageiros, uma espécie de subproduto daquele que “É”.

Por isso, o estudo acerca do SER de Deus é TEONTOLOGIA e não ONTOLOGIA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgue meu Blog no seu Blog