segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

PENTECOSTAL X CALVINISTA. QUEM TEM MAIS FÉ PARA PASSAR NO VESTIBULAR?

Esses dias, vendo várias notícias acerca dos vestibulares por todo Brasil, fiquei lembrando de um testemunho que ouvi, há muitos anos atrás. Ao lembrar, comecei a fazer uma retrospectiva da minha vida como estudante, e agora como professor, e não pude deixar de fazer uma série de associações. Muita coisa que vi, só agora consegui entender, depois de algumas leituras sobre o que irei expor brevemente a seguir.

Por enquanto, voltemos ao vestibular. A tensão pré-vestibular pode ser visivelmente percebida; está estampada nos rostos dos vestibulandos. Mas, o jovem “crente” tem uma importante aliada - que os outros não têm – na conquista da tão sonhada vaga na universidade: a fé. Mas, obviamente, nem todos são iguais: “uns fé de mais”, outros, porém, “fé de menos”. Nesse sentido pergunto: Quem tem mais fé para passar no vestibular? O Pentecostal ou o Calvinista?

O testemunho era o seguinte e servirá de base para ilustrar a “Fé que o Pentecostal tem para passar no vestibular”:

1- Um irmão pentecostal fez sua inscrição no vestibular;
2- Um dia antes do exame, “muito joelho no chão”;
3- O irmão foi dormir tranquilamente, agarrado com o texto “em paz me deito e logo pego no sono”;
4- No dia seguinte – dia do exame vestibular – o irmão acordou tarde; perdeu a hora e pelo avançar do relógio não daria tempo chegar no local da prova;
5- Tristeza total? Decepção? Raiva de si mesmo? Talvez, mas não para esse irmão pentecostal. Afinal ele já havia recebido a confirmação, de um “vaso”, que ele passaria no vestibular;
6- Ele, prontamente, ajoelhando-se, com uma fé descomunal, orou assim: “Senhor, eu já recebi a promessa e repreendo o inimigo que não quer me ver na universidade. O Senhor é o “Deus dos impossíveis”, “se o Senhor é por nós quem será contra nós”? Eu creio na tua promessa”;
7- Finalizada a oração, o irmão deitou-se novamente, mais uma vez agarrando-se ao “em paz me deito e logo pego no sono” (muito embora o sol já brilhasse forte), com uma espécie de “esperança concretizada”, afinal, fé não é “a certeza daquilo que não estamos vendo ainda”?
8- No outro dia, ao lhe perguntarem como foi o vestibular, ele sempre respondia: eu creio que irei passar; tenho a mais absoluta certeza; “Deus não é homem pra falhar”.
9- Finalmente, o resultado: Meus irmãos - dizia o narrador do testemunho -, concluindo aos gritos: “Deus é fiel, Deus é fiel, Deus é fiel” (neste momento “reteté” na igreja, um “ribuliço” só). “Primeiro lugar, quando Deus faz é assim irmãos”; dizia ele euforicamente e pulando sentenciava: “primeiro lugar, passei em primeiro lugar, glórias a Deus, aleluia” (neste momento toda a igreja passa a glorificar a Deus).
10- Não iremos continuar relatando seu comportamento na universidade por motivos óbvios.

Depois que ouvi isso comecei a lembrar de alguns colegas de classe, também pentecostais. Uma delas, “filava” que era uma beleza. Passou o ensino médio todinho filando. Dominava as mais avançadas técnicas de “cola”. No solado do sapato, na borracha, embaixo da longa saia (ela dava o jeito dela pra poder ver a fila) e outras tantas, de fazer inveja a James Bond. Seu palavreado também não era dos mais saudáveis. “Gazear” aula pra namorar era uma constante. Nas provas de recuperação e final era presença garantida. Um testemunho sofrível, eu diria. Mas uma jovem com muita fé, de muita oração. Tudo bem se ela mentiu nas informações pra pedir a isenção da taxa do vestibular, afinal, “a carne é fraca”, “ninguém é perfeito”, “perfeito só Deus”.

Agora vamos falar da “fé que o Calvinista tem para passar no vestibular” (se é que se pode chamar de fé):

1- No ensino médio, apesar de trabalhar o dia inteiro, sempre se esforçou para tirar boas notas;
2- Até dava fila (que também está errado, mas isso denota que a turma o reconhecia como um bom aluno), mas não se permitia filar. Preferia uma nota baixa a “enganar o professor”;
3- Terminou o ensino médio sem ir para a recuperação em nenhuma matéria, afinal estudava muito. Seguia à risca o conselho do velho professor de matemática: “quem estuda mais, brinca mais”; mas não só isso. Tinha clareza de sua responsabilidade e sempre buscava fazer o melhor que podia.
4- Fez sua inscrição no vestibular;
5- Pagou a taxa, mesmo com muita dificuldade financeira. Mentir para ganhar isenção da taxa sequer se nominava em sua mente;
6- Passou um tempo estudando ainda mais, focado no vestibular;
7- No dia do exame acordou muito cedo, pegou o ônibus em direção ao local das provas (cerca de 45 minutos em trânsito livre);
8- Fez as provas e ficou aguardando o resultado;
9- Não passou em “primeiro lugar”, mas passou.
10- Ao receber os cumprimentos, simplesmente dizia: “foi pela misericórdia de Deus mesmo”. Apesar de todo seu esforço sempre creditava as glórias na conta de Deus;
11- Na universidade, se esforçava, dentro de suas limitações, a continuar no mesmo ritmo de sempre.

Isso parece brincadeira? Pode até parecer, mas um sociólogo “ateu” chamado Max Weber explica o comportamento desses dois grupos: Calvinistas e “Pentecostais”. Na verdade, originalmente, Weber faz um paralelo entre Calvinistas e Católicos. Mas, como, na minha opinião, o “Pentecostalismo é mais grave passo de RETORNO AO ROMANISMO, penso que os argumentos de Weber se aplicam tanto a um como a outro. Se quiser saber mais sobre essa nosso “opinião” acesse o link abaixo e fique á vontade para comentar:

http://filosofiacalvinista.blogspot.com/2009/10/o-lado-negativo-da-reforma-protestante.html.

Ainda para obter mais informações sobre essa nossa opinião, assista aos vídeos de nossa participação no Programa Consensus, da TV 14, no link abaixo:

http://filosofiacalvinista.blogspot.com/2009/07/programa-consensus-canal-14.html

Para finalizar, algumas frases de Max Weber, sociólogo ateu (obtidas após comprovação, via metodologia comparativa/dedutiva), que explicam as diferenças já ressaltadas acima:


Dessa forma, coube aos puritanos, que se consideravam eleitos, viver a santificação da vida cotidiana. Pois o caráter sectário – a consciência de ser minoria e a motivação de ser eleito de Deus – fazia de cada membro dessas comunidades não mero adepto do rebanho mas, mas um vocacionado que se dedicava simultaneamente ao aprimoramento ético, intelectual e profissional (WEBER, 1999, p.21).

O Deus de Calvino exigia de seus crentes não boas ações isoladas, mas uma vida de boas ações combinadas em um sistema unificado (WEBER, 1999, p.91).

Mas no curso de seu desenvolvimento, o calvinismo acrescentou algo de positivo a isso tudo, ou seja, a idéia de comprovar a fé do indivíduo pelas atitudes seculares”. - Como sugere inclusive as escrituras a fazer todas as coisas como que para o Senhor (Rm 14:8, Fp 2:3-15) - (WEBER, 1999, p.94).

Consideramos apenas o calvinismo e adotamos a doutrina da predestinação como arcabouço dogmático da moralidade puritana, no sentido de racionalização metódica da conduta ética (WEBER, 1999, p.96).

O efeito da Reforma foi o de aumentar em si mesmo, se comparado à atitude católica, e aumentar de forma poderosamente a ênfase moral e a sanção religiosa em relação ao trabalho secular organizado no âmbito da vocação (WEBER, 1999, p.70).


Tirem suas próprias conclusões e fiquem à vontade para comentar, discordar, acrescentar ou diminuir. Não estou generalizando os fatos ok?

21 comentários:

  1. Caro Filósofo,

    Sou calvinista pentecostal. Mas houve época em que era apenas pentecostal. Foi quando fiz o curso técnico e depois a faculdade.

    Passei em primeiro lugar no exame de seleção para o curso técnico e me formei como o melhor da turma, sempre por média, sem nenhuma recuperação. Tirei o primeiro lugar no vestibular e conclui a faculdade como segundo melhor da turma. Nunca colei.

    Tendo desistido da escola na quarta série do então primeiro grau, fiz supletivo após o casamento e um filho. Por isso tive que estudar muito. Enquanto meus colegas iam para festas, todas minhas horas livres, além das roubadas da família, eram para os estudos. Pela primeira vez na vida fui parar num hospital, por causa de uma gastroenterite provocada por falta de sono e alimentação inadequada, pois tinha que escolher entre ir almoçar ou estudar.

    Enfim, acredito que toda generalização é injusta. A que coloca pentecostais como relaxados que "esperam" tudo de Deus, especialmente.

    Em Cristo,

    Clóvis
    Editor do Cinco Solas

    ResponderExcluir
  2. Caro irmão filósofo,

    Está claro que a descrição feita é caricata. Embora não goste de caricaturas, no entanto, sua postagem aponta para a diferença entre o pensamento reformado e todos os demais: a cosmovisão teo-referente, integral e todo-abrangente contra todas as cosmovisões antropocêntricas, dualistas e fragmentárias.

    Como costumo dizer, embora a mentira se apresente com sutilezas de uma grande sabedoria aparente, apenas o cristianismo, e o calvinismo em especial, pode pensar legitimamente, pois nós "temos por fundamento o Absoluto, o Criador, a Origem, o Logos, o Eterno, o Imutável, o Ser, a Razão de ser de tudo o que há, que houve ou há de ser, Aquele que não apenas pode, mas que efetivamente dá a tudo sua significação e Aquele em quem, enfim, a razão é, efetivamente, possível! Busquemos, pois, o Logos, a Sabedoria e a Verdade"!

    NEle,
    Roberto

    ResponderExcluir
  3. Caro Cloves:
    Concordo quando vc diz que toda generalização é injusta. Não sei se observou mas no final do post digo que não estou generalizando. Clar que nem todos os pentecostais são assim. Contudo, não podemos negar: em linhas gerais, é isso que ocorre mesmo. Obrigado pela contribuição. Outra coisa....um pentecostal como você...mais cedo ouo mais tarde vai se tornar um calvinista..rs...

    Caro Roberto:

    Brilhante comentário. É isso mesmo, é assim que penso também!
    Tudo de bom.

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente o próprio Weber foi quem, digamos, começou com a idéia de que há uma estrita ligação entre capitalismo e calvinismo, diga-se de passagem. Ainda assim, é no mínino incomum um filósofo ateu como ele dizer tais coisas sobre o calvinismo.

    Irmão e presb. Fábio, em linhas gerais e caricaturais (como o irmão Roberto disse bem), o texto é aceito. Mas, posso dizer com alguma probabilidade de acerto, que a doutrina calvinista não é o diferencial hoje nas mocidades das IPCs que conheço do meu presbitério e também de outros. Me restrinjo somente a essa denominação, porque é a que pertenço e porque há nela aspectos importantes para que eu diga isso. 1) Temos um único seminário. Isso tem sido favorável por preservar a doutrina reformada, pois todos os professores são dessa linha. 2) A forma, estrutura e conteúdo de liturgia, culto e ensino "ainda" (a coisa está se descaracterizando a cada dia! se os puritanos visitassem uma IPC, eles se escandalizariam) são com boa base bíblica e com boa exegese. 3) Somos, em número de jovens, uma pequeníssima parte do todo evangélico brasileiro. Isso é favorável de certa forma, pois diminiu a influência de outros na forma de se compreender o calvinismo. 4) Nosso sistema de sociedades internas organizadas nas igrejas torna a prestaçao de contas do que é ensinado e praticado numa mocidade uma exigência.

    Mesmo com essas consideraçôes, irmão, vejo e muito os vestibulandos "calvinistas" da IPC mais assemelhados aos irmãos pentecostais do post. Eu não tenho um dado estatístico para te dar, mas essa é a minha sensação sobre a denominação que pertenço, historicamente calvinista.

    Portanto, se as duas doutrinas (calvinismo e pentecostalismo) forem levadas as sério, tais crentes poderão dar bom testemunho.

    Apenas uma obs.: Há uma tendência (opinião minha, irmão) de vermos mais crentes calvinistas relaxados com a santificação do que pentecostais, devido a má compreenção da predestinação. "Uma vez salvo, posso pecar". É mais ou menos assim que eles se orientam. O extremo máximo disso é a libertinagem combatida por Judas em sua espístola. No mais, isso é somente uma nota pra ampliar o debate.

    Um abraço, irmão.
    Graça e paz, em Jesus, o Filho de Deus. Amém!

    ResponderExcluir
  5. Caro Danilo:

    Suas observações são sempre muito bem vindas. No entanto, estamos vivendo numa geração de pessoas enganadas. Há muitos que se dizem calvinistas mas, na verdade, não o são. Estão mais para gnósticos (no sentido de ter conhecimento do assunto) que para Calvinistas. Ser calvinista não pressupõe, tão somente, um conhecimento profundo das escrituras a partir de uma cosmovisão Reformada. É mais que isso. É um sistema de vida e poder. Quando ao Capitalismo que Weber fala, não tem nada have com este que nos foi apresentado. Conviduo a ler um breve artigo que escrevi e que está postado no mês de março/09, aqui no blog. Acho que ajudará a entender muita coisa.Nesse link:

    http://filosofiacalvinista.blogspot.com/2009/03/os-efeitos-psicologicos-do-calvinismo.html

    ResponderExcluir
  6. Presb. Fábio,

    Seu texto reflete uma realidade que bastante comum no meio pentecostal.

    Quando eu estava trabalhando numa livraria evangélica, um irmão entrou na loja e no meio de todo mundo orou assim: "Senhor, tu me revelasse que hoje eu iria sair daqui com este cd [o cd estava na mão]".

    O detalhe é que o cd custava R$ 17,90, e o irmão tinha no bolso apenas R$ 10,00.

    Na sua "preocpuação" em deixar Deus cumprir com o que havia prometido, ele começou a discutir com o gerente, dizendo que foi Deus quem disse que ele iria levar o cd por aquele valor.

    O gerente acabou respondendo: "irmão, então peça pra Ele pagar o cd, já que foi Ele quem disse que o irmão levaria o cd! Aqui, o cd custa R$ 17.90. Avisa pra Ele que o dinheiro está incompleto!".

    Alguns pode até dizer que o gerente foi rude, ignorante ou grosso. Mas todo os funcionários gostaram do que viram, pois todos sabem que, em nome de Deus, os (neo)pentecostais são oportunistas e preguiçosos!

    A fé desse irmão não foi suficiente para Deus cunmprir com o que havia dito!

    ResponderExcluir
  7. Querido filósofo calvinista, apesar do seu texto retratar algo que de fato ocorre no meio evangélico(Cristãos que são maus alunos, colam na escola, curso, faculdade...)Não posso deixar de observar o quanto seu texto foi tedencioso, afinal, você citou um bom exemplo de irmão calvinista e um mal exemplo de um irmão pentecostal, sugerindo assim, que de modo geral, é assim que ambos sempre agem, o que com toda certeza não retrata a verdade dos fatos. Apesar de não ser um defensor da doutrina pentecostal(Na verdade a combato muitas vezes) E admirar o jeito calvinista de crer. Penso que ambos precisam crescer na PRÁTICA do verdadeiro evangelho.

    ResponderExcluir
  8. Querido(a) anônimo(a):

    Obrigado pela visita em nosso blog e pela crítica. Não foi minha intenção generelizar, até digo isso no final da postagem "Não estou generalizando os fatos ok?". Claro que existem irmãos pentecostias que estudam e que levam as coisas a sério. Contudo, infelizmente, não posso dizer que é a grande maioria. Pelo contrário, vc deverá concordar comigo: a grande maioria prefere envolver-se em misticismos descabidos e anti-bíblico.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo,

    O texto do Fábio (Filósofo Calvinista) não é tendencioso, pois é isso mesmo que acontece.

    Leia o meu comentário mais acima do que aconteceu realmente na livraria, e verá que não é questão de fazer "tendências", mas uma exposição real dos fatos.

    Mas sei que nem todos são assim. De fato, não podemos generalizar. Eu não generalizo e tenho absoluta certeza que o Filósofo Calvinista (a quem conheço pessoalmente) também não generaliza.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  10. Caro irmão Fábio vejo no seu comentário um preconceito muito grande e discordo de vc a citar como fonte de seu comentário um ateu, ou seja, que base de experiência espiritual com Deus Max Weber tem para falar dos filhos de Dele seja eles calv. ou pent., creio que vc foi infeliz nesse comentário, pois Jesus postaria tal comentario, sei que um calvinista ou um pentecostal sim, esse é o problema a muitos seguindo a linha pentecostal e outros a calvino, mas o melhor é seguir a Cristo a Ele seja Todo louvor e honra e glória e pare de idolatrar calvino. Já a sua obs. de q não é tendencioso é muito insignificante em relação ao seu preconceito e que fique bem claro, não sou pentecostal, não concordo com muitas mininices no meio deles, mas creio que há muitos homens e mulheres de Deus que leva o evangelho a sério e tem intimidade com Deus e sua palavra, coisa meu amado que não é um direito só dos calvinistas.

    ResponderExcluir
  11. Gostaria de fazer uma correção: "pois jesus postaria tal comentario" leia-se "pois jesus postaria tal comentario?"

    ResponderExcluir
  12. Caríssimo irmão anônimo:

    1- Agradeço sua participação neste debate. Quero dizer que, ao publicar algo em um espaço público, como é um blog, devemos estar preparados para ouvir críticas; e elas são sempre muito bem vindas. Por isso peço que nos próximos comentários assine seu nome abaixo do comentário, para não termos que nos referir ao irmão como "anônimo", pois na igreja de Cristo, quer pentecostais quer calvinistas, ninguém é anônimo, todos são como que "pedras que vivem", a construir o reino do Senhor. Aqui, todas as opiniões são importantes.

    2- Quando o irmão diz: "vejo no seu comentário um preconceito muito grande", quero dizer que, de fato, é possível que esteja sendo preconceituoso. Vou rever o que disse, pois devemos fugir do preconceito, que só serve para encobrir a verdade. Contudo, o irmão mesmo acaba concordando comigo ao afirmar "não concordo com muitas mininices no meio deles". Pois é dessas meninices mesmo que estamos tratando. Tanto eu como o querido irmão. Evidentemente, não seria justo uma generalização. Nem todos os pentecostais agem assim; claro que não. Entre esses irmãos há pessoas muito inteligentes, sérias e que conhecem a palavra de Deus, muito embora, sejam, infelizmente, excessão e não regra, entre esses irmãos. Você não pode discordar de uma coisa: tudo que falei é verdade com relação à "maioria esmagadora" dos pentecostais, não de todos, evidentemente.

    3- Quando o irmão diz "discordo de vc a citar como fonte de seu comentário um ateu". Devo dizer que procurei um exemplo "de fora da igreja", exatamente para fugir do preconceito a que sou tentado. Se eu fizesse semelhante afirmação, como calvinista, isso, certamente, não teria o mesmo peso. Seria justo me acusar de tendencioso. Se um ateu (Max Weber), observa, pesquisa, compara várias realidades e chega a essa conclusão, eu pergunto: que interesse teria ele de defender o calvinismo, já que ele não crê em nada que o calvinismo ensina? Nesse sentido, a opinião dele, que é isento, tanto de uma quanto de outra realidade, tem maior peso que a minha e a sua. Só esclarecendo: Weber não fala diretamente do pentecostalismo e sim do catolicismo. A aproximação do Pentecostalismo com o Catolicismo é por minha conta e risco. Aliás, os pentecostais também fazem isso. Quem é que chama os "crentes tradicionais", principalmente presbiterianos, de "católicos mansos"? Por isso, sinto-me absolutamente à vontade pra fazer, de forma coerente, esta aproximação. Peço ao irmão que leia minha opinião sobre isso, conforme já lembrei na postagem em questão. Continua...

    ResponderExcluir
  13. 4- Quando o irmão diz "esse é o problema a muitos seguindo a linha pentecostal e outros a calvino, mas o melhor é seguir a Cristo a Ele seja Todo louvor e honra e glória e pare de idolatrar calvino", penso que das duas uma: ou seu comentário é leviano ou é ingênuo. Partirei da segunda premissa, por considerar que foi isso que ocorreu, o que é perfeitamente aceitável. Sua afirmação, caro irmão anônimo, parece ser muito espiritual, mas não o é. O irmão caiu no grave erro da igreja de corinto. Veja o que diz o apóstolo Paulo: "Refiro-me ao fato de cada um de vós dizer: Eu sou de Paulo, e eu, de Apolo, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo" (I Cor 1:12). Note que seu argumento não é novo. Alguém também, querendo demonstrar espiritualidade ao apóstolo, fez igualzinho ao irmão "o melhor é seguir a cristo" e isso foi, igualmente motivo de repreensão de Deus, por boca e pena de Paulo. Não se trata irmão de "idolatrar Calvino". O fato é que, quem não é calvinista é arminiano (como os pentecostais e outros irmãos). Não temos uma terceira opção. Quando o irmão se declara um "não calvinista" está assumindo, mesmo sem saber, que é um "arminiano". Só existe essas duas estruturas de entendimento das verdades escriturísticas, pelo menos no meio protestante, a menos que o irmão tenha acabado de inventar uma terceira, o que muito me interessa; quem sabe não é melhor que a calvinista? Logo, o argumento de "eu sou de Cristo", não tem validade; nem hoje nem na época do apóstolo, porque não é um argumento sério, apesar da pseudo capa de espiritualidade que está revestido. Para ser arminiano, caro irmão, não precisa fazer mais nada. Somos arminianos desde o nascimento. Para ser calvinista, é preciso optar, nadar contra a maré, não é fácil; é preciso romper com nosso orgulho e com a influência filosófica da mordernidade que afirma ser o homem capaz de resolver todos os seus problemas sozinho, inclusive espirituias. O irmão precisa rever seus conceitos;

    5- Por fim, quero instigá-lo a aproximar-se da forma sistêmica de entender Deus, o homem, o mundo e a sociedade, a partir das escrituras, do calvinismo. Recomendo que o querido irmão leia nosso primeiro artigo publicado neste blog, no mês de março/09.

    6- Obrigado por esse tempo e pela oportunidade desse debate, que só terá validade se o objetivo for somente um: chegar o mais próximo possível da verdade.

    Em Cristo,

    ResponderExcluir
  14. Filósofo Calvinista,

    Se eu fosse um arminino, com essa sua resposta, eu simplesmente calaria a minha boca e sairia de fininho.

    Sua justificativa em usar um ateu foi bastante apropriada para fugir das tendências tanto do meio calvinista como do meio arminiano!!!

    É preciso que se saiba que não temos uma "terceira" linha teológica. Só existe duas: calvinismo e arminianismo. Negando uma, assume-se a outra.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  15. Caro pensadores, quem foi quem ensinou pra vocês que o cristão precisa aceitar ser Arminiano ou Calvinista ?
    Será que a segunda decisão a ser tomada no meio Cristão depois de ser alcançado pela Graça de Cristo é "Você é arminiano ou Calvinista ?" falo em verdade que nem todo o que nao é Arminiano é calvinista e o que nao é calvinista é arminiano, os dois tem seus extremos, e são teologias humanas, como pode uma pessoa tento as escrituras sagradas e o discernimento de espírito precisar de teologias humanas para saber o que vai seguir(não estou falando do Cristão não estudar), mais estas discussões saem fora de controle e não edificam a ninguém, eu fico pensando comigo, inconformado, como pode alguem se dizer Cristão e ter uma atitude como a do Heitor acima, "Se eu fosse um arminino, com essa sua resposta, eu simplesmente calaria a minha boca e sairia de fininho." discussões vãs, que geralmente o alvo é ferir ao próximo e muitas vezes não são realizadas com amor.

    Que a Paz de Cristo seja com todos, e me perdoem se considerarem isso como ofensa, principalmente o Heitor.

    ResponderExcluir
  16. Caro Irmão Justificado:

    Agradeço sua visita e comentário. Certamente contribuiu para o debate. Tenho algumas observações:

    1- Quando o irmão lê a bíblia, tenta entender algo? Tenta dizer algo a respeito? Tenta interpretar? Claro que sim. Saiba que isso é exatamente o que vc chama de "teologia humana". E tem como ser diferente? A grande dificuldade é saber qual a melhor e mais coerente interpretação. A sua? A dos calvinistas? A dos arminianos? Digo a sua apenas para efeito didático, porque, repito, só existe, no meio protestante, duas formas de ver as verdades escriturísticas: arminiana e calvinista.

    2- Se o irmão acha que foge disso, tente responder às seguintes questões: Você acredita que o homem é quem "aceita a Cristo", isto é, tem livre-arbítrio para isso? Ou, ao contrário, é Deus quem escolhe o homem? Você acredita que Deus ainda pode falar hoje através de novas revelações, linguas, sonhos etc? Ou, ao contrário, só fala através das escrituras? Essas indagações, se respondidas sinceramente, são suficiente para provar que o irmão é ou Arminiano (pentecostal) ou calvinista. Não tem como ser diferente, pelo menos na teologia protestante, a menos que queiras descambar para o semi-pelagianismo romano.

    Não devemos ser ingênuos a ponto de acharmos que o que acreditamos que diz a bíblia é a palavra final da "bíblia pura". São interpretações, algumas boas e outras muito ruins mesmo. Se o irmão quiser fugir disso terá que APENAS LER, não pode tentar entender, não pode pregar (porque necessariamente estará interpretando), mas APENAS LER. SÓ ISSO. NÃO PODE EMITIR NENHUMA OPINIÃO SOBRE A BÍBLIA. SÓ LER. E TAMBÉM NÃO PODERÁ SABER DE NADA, NEM SOBRE DEUS, NEM SOBRE O CÉU, NEM COMO SE FAZ PRA CHEGAR LÁ. SÓ LER A BÍBLIA SEM NENHUMA INTENSÃO DE ENTENDÊ-LA.

    ResponderExcluir
  17. Correção, desculpem o descuido:

    Onde se lê "Só ler a bíblia sem nenhuma "intensão" de entendê-la, leia-se "intenção".

    ResponderExcluir
  18. JustificadosporCristo,

    Você é místico? Faço esta pergunta porque você está me parecendo ser uma pessoa que se oponhe ao estudo bíblico, assumindo uma posição de misticismo.

    Há muitas igrejas que, ao desprezarem o estudo, assumem um misticismo tal jamais vista! É pura emoção! Só querem saber de experiências!!!

    "Não quero saber de teologia, só quero saber de Deus!" Óh, quanta espiritualidade! Quanta piedade!

    Você diz que quem tem o discernimento do Espírito, não precisa de teologia humana. O que é para você ter o discernimento do Espírito?

    O que estou querendo dizer é que a nossa obrigação, como cristãos, é sermos imitadores de Cristo em tudo, inclusive em buscarmos o estudo das letras:

    "Então, os judeus se maravilhavam e diziam: Como sabe este letras, sem ter estudado?" (Jo 7.15).

    "Ao verem a intrepidez de Pedro e João, sabendo que eram homens iletrados e incultos, admiraram-se; e reconheceram que haviam eles estado com Jesus" (At 4.13).

    Meu irmão, o estudo bíblico DEVE fazer parte de todo aquele que anda com Jesus. E, se você não sabe, quem estuda (mesmo que em casa, sozinho) está fazendo teologia!

    Meu caro JustificadosporCristo, de forma alguma considero seu comentário como uma ofensa. Espero que também não considere o meu comentário como ofensa!

    ResponderExcluir
  19. Irmãos, onde os senhores querem chegar? O que estão fazendo é ridículo! O evangelho não é pra ser pregado assim. Antes de tentarem me retalhar, cada um pergunte para si mesmo, qual a edificação que tal debate trás? Será que agindo assim eu estou propagando o reino de Deus ou escandalizando o evangelho? embora os senhores tentem me responder com palavras que expressam conhecimento do assunto, desejo comunica-los que o que voçês estão fazendo é errado; a intenção pode ser boa,mas a ação está apodrecida pelas bactérias invisíveis do egocêntrismo. Mateus Julião

    ResponderExcluir
  20. Agradecemos pela sua amizade – Nosso Convite Cordial é para conhecer o Blog Oficial da Igreja Assembleia de Deus - De Confissão Reformada. Uma Fé Desafiadora, Surpreendente e Atualizada. – Com certeza muita coisa vai lhe interessar – Clique no link a seguir: http://evangelho-33dc.blogspot.com - Divulgue para seus contatos e amigos nas Redes Sociais – Obrigado.

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog