sábado, 31 de outubro de 2009

O LADO NEGATIVO DA REFORMA PROTESTANTE

Para uma melhor compreensão do artigo abaixo é essencial a leitura do seguinte texto:
II REIS 23:1-14 e 22:8-10.

O texto citado acima “pinta” um quadro surpreendente de como um “povo autêntico” de Deus pode desviar-se de suas veredas. Já aqui temos uma lição importante: Isso pode acontecer conosco também; com nossas igrejas; com nossas vidas. Já aconteceu no passado; o que nos garante que não voltará a acontecer? O livro de II Reis, nos capítulos 22 e 23, nos mostra algo notável e que é “fato-presente” na história de todos os grandes desvios do “povo autêntico de Deus”. De forma sintetizada, a situação era a seguinte:

a) O povo de Deus (permita-me dizer uma igreja), completamente desviada dos seus caminhos: corrompida, misturada, devassa; envolta com toda prática de prostituição e misticismo desenfreado; b) Palavra de Deus esquecida, mais que isso: perdida, abandonada. Ninguém sequer a consultava mais; c) Um homem (Josias) tem a oportunidade de ler essa palavra; cai em si; percebe que não somente ele, mas também todo o “povo de Deus” estava à beira do paganismo, precisamente por ter negligenciado e abandonado as Sagradas Escrituras; d) Esse homem não fica com a palavra de Deus só pra ele, antes, apresenta-a ao povo; e) O povo volta-se para Deus, arrependido. Esse quadro lembra algo? Exatamente o mesmo quadro encontrado no século XVI, por Lutero.

É o mesmo quadro encontrado todas as vezes que o “povo de Deus” deixa de ter a Bíblia como sua ÚNICA regra de Fé e Prática. Infelizmente esse modelo cíclico está acontecendo novamente. Josias, o “Lutero de Israel”, promoveu uma verdadeira REFORMA na “igreja” de Deus. Estamos falando do ano 642 a.C; ou seja, cerca de 2.160 anos antes do movimento que ficou conhecido como a REFORMA PROTESTANTE. Mas, será que poderíamos, à semelhança da metáfora acima, chamar Lutero de “O Josias Protestante”? Lutero, de fato, conseguiu atingir seus objetivos? Lutero conseguiu REFORMAR a igreja que fazia parte? O Rei Josias, diferentemente de Lutero, promoveu a REFORMA da “igreja” que fazia parte. Lutero, em nossa opinião, não teve o mesmo êxito (talvez porque, realmente, não era possível reformar uma igreja tão desviada das escrituras, como se tornou a romana; talvez o estrago já estava muito grande - havendo “perda total” -; ou ainda por algum tipo de inabilidade política, ou, quem sabe, até precipitação).

O fato é que Não houve REFORMA (na igreja do ocidente = Católica apostólica Romana). O que houve na verdade foi uma RUPTURA. Robert Nicolls, em sua História da Igreja Cristã, confirma esse nosso argumento:

"Num debate, no qual fora desafiado por um defensor da igreja, ele declarou, como resultado dos estudos que fizera, que o papa não tinha autoridade divina e que os concílios eclesiásticos não eram infalíveis. Essas afirmações significaram seu ROMPIMENTO DEFINITIVO E IRREVOGÁVEL com a igreja papal" (NICOLLS, 2002, p.159).

Isso nos faz refletir: O que seria melhor? Se a Igreja Romana passasse, de fato, por uma REFORMA (como intentava, a princípio, Lutero) e voltasse às Escrituras ou o ROMPIMENTO (que de fato houve?). Penso que essa RUPTURA abriu caminho para uma série de outras rupturas futuras.

Estima-se que, só em São Paulo, a cada dois dias, é aberta uma nova igreja (regularizada). Igreja para góticos, para metaleiros, para surfistas, e até, pasmem, para gays. A revista Eclésia, em sua edição de Nº 91, publicou uma reportagem sob o título “Igrejas para todos os gostos”, onde lista mais de 70 estranhas igrejas. Confira acessando: http://www.eclesia.com.br/revistadet1.asp?cod_artigos=366.


O “protestantismo” é hoje uma imensa “cocha de retalhos” (alguém pode negar?). E a cada nova RUPTURA a nova igreja resultante se aproxima cada vez mais do ROMANISMO, comprovando a velha tese de repetição cíclica da história. Uma das mais graves RUPTURAS, em nossa opinião, foi a que ocorreu em 1906, em Los Angeles, na famosa rua Azuza, onde teve origem o PENTECOSTALISMO, e, com ele, todas as ramificações neo-pentecostais e neo-renovadas (uma verdadeira RUPTURA com o PROTESTANTISMO HISTÓRICO, tornando-se outra coisa, de fato).

Ao nosso ver, este é o mais grave passo de RETORNO AO ROMANISMO. Aparentemente o pentecostalismo é algo muito distinto do ROMANISMO, mas não é. Basta um rápido olhar para percebermos o gritante retorno:

a) Para os irmãos pentecostais, assim como para os católicos, a palavra de Deus não é a ÚNICA regra de fé e prática. Os Católicos têm nas bulas papais e na tradição o mesmo valor de autoridade das Escrituras. Os irmãos pentecostais, da mesma forma, nas NOVAS REVELAÇÕES; b) O catolicismo ensina um SEMI-PELAGIANISMO, isto é, o homem coopera com Deus na salvação. Os irmãos pentecostais pensam do mesmo jeito, quando não superam esse erro, tornando-se, verdadeiramente, PELAGIANOS; c) O catolicismo ensina Salvação pelas obras. E os irmãos Pentecostais? Exatamente igual: É Cristo e mais cabelo, roupas, calos nos joelhos, etc. d) O que não dizer também do conceito de santidade? É exatamente o mesmo. Há alguma diferença nas vestes dos irmãos pentecostais para as dos SANTOS CATÓLICOS?

Esse é, certamente, o lado negativo da RUPTURA PROTESTANTE. E isso é um grande problema para a igreja de Deus.

Para quem acha que estou exagerando, o cantor João Alexandre, em sua extraordinária música "É proibido pensar", ilustrada de forma feliz no vídeo abaixo, aborda sobre o atual e lastimável estado daquilo que se denomina "igreja evangélica". Não deixe de assistir, vale muito à pena. É uma das melhores músicas dos últimos tempos:

video

Ainda sobre o lado negativo da Reforma Protestante, aproveite e veja também como estamos (e não tem como negar, os Reformados são considados, nesse sentido, "farinha do mesmo saco", portanto, não adianta fingir que não temos nada a ver com isso. Se realmente não temos, então vamos deixar isso muito claro para todos) sendo ridicularizados, aliás, com toda razão. Esse pessoal do CQC sabe mesmo utilizar a "Maiêutica Socrática", isto é, sabe fazer com que os "crentes" cheguem, eles mesmos, à verdade: são massa de monobra de alguns lobos espertalhões travestidos de ovelhas. Mas, o pior de tudo é que, apesar de saberem disso, eles mesmos pedem: me enganem, por favor! Isso é incrível! Vejam o brilhante CQC "nos" ridicularizando na marcha pra Jesus (pra Jesus?).

video

Apesar de tudo, no sentido principal, o de trazer a igreja INVISÍVEL de Deus de volta às ESCRITURAS SAGRADAS, podemos afirmar ser LUTERO o “JOSIAS PROTESTANTE”, título que deverá ser repartido com os demais “reformadores”.

17 comentários:

  1. Prezado articulista.
    Li seu texto sobre "O Lado Negativo da Reforma".
    Concordei com sua afirmação sobre os males causados a Igreja de Cristo pelo movimento "pentecostal". Com certeza o pentecostalismo e seu irmão siamês, o neopentecostalismo, são um ataque a autoridade e suficiência das Escrituras. Não é por acaso a ligação desse movimento à heresia pelagiana, semi pelagiana e seu "irmão" mais novo o arminianismo. Só percebi no vosso texto que faltou citar que o arminianismo, essa versão moderna do pelagianismo, nasceu num berço reformado, para nossa vergonha.
    Mas como o irmão diz no início do artigo, "Isso pode acontecer conosco também; com nossas igrejas; com nossas vidas".
    Creio que o irmão sabe da desgraça que o arminianismo vem causando no evangelicalismo moderno. Milhões de crentes no Brasil, e em vários lugares no mundo, têm uma fé distorcida, por causa da pregação e ensino desse falso evangelho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido irmão Salomão,
      A paz do Senhor.

      Discordo de quase tudo que tu disseste em teu texto, por isso estou aqui. Para sistematizar minha argumentação, vou enumerar os dois pontos principais. Todas as fontes estão nas Leituras Recomendadas.

      1) O que é o Pelagianismo?
      2) O que é o Arminianismo?
      3) O Arminianismo tem algo em comum com o Pelagianismo?
      4) Leituras Recomendadas.

      Excluir
    2. 1) O que é o Pelagianismo?

      Ensinos promovidos pelo monge Pelágio (354-420). O amigo de Pelágio, Celéstio, como percebe Joseph Pohle, captura bem o que o sistema Pelagiano ensina, em seis pontos principais:

      1. Até mesmo se Adão não tivesse pecado, ele teria morrido.
      2. O pecado de Adão prejudicou apenas ele mesmo, não a raça humana.
      3. Os filhos nascidos depois da queda estão no mesmo estado de Adão antes da queda.
      4. Toda a raça humana não morre por meio do pecado ou morte de Adão nem se levanta novamente por meio da ressurreição de Cristo.
      5. A (Lei Mosaica) é um bom guia para o céu assim como o evangelho.
      6. Até mesmo antes do advento de Cristo haviam homens que estavam sem pecado.

      O Pelagianismo vai de encontro a algumas doutrinas claras da Bíblia Sagrada, como por exemplo, a Depravação de toda a Humanidade devido à Queda Primitiva (Romanos 3-5).

      Excluir
    3. 2) O que é o Arminianismo?

      O Arminianismo é uma escola de pensamento soteriológica de dentro do cristianismo protestante, baseada sobre ideias do teólogo reformado holandês Jacobus Arminius (1560 – 1609) e seus seguidores históricos, os Remonstrantes. Para isso, não há melhor ponto de partida para examinar as questões da providência e predestinação que a própria Remonstrância. Ela é o documento fundamental do Arminianismo clássico (além dos escritos de Arminius). A Remonstrância foi preparada por mais ou menos 43 (o número exato é debatido) pastores e teólogos reformados holandeses após a morte de Arminius em 1609. O documento foi apresentado em 1610 para uma conferência de líderes da igreja e do estado em Gouda, Holanda, para explicar a doutrina arminiana.
      Eis os cinco artigos da Remonstrância:
      1. Que Deus, por um decreto eterno e imutável em Cristo antes da fundação do mundo, determinou eleger, da raça caída e pecadora, para a vida eterna, aqueles que, através de Sua graça, creem em Jesus Cristo e perseveram na fé e obediência; e, ao contrário, resolveu rejeitar os não convertidos e os descrentes para a condenação eterna (Jo 3.36).
      2. Que, em consequência disto, Cristo, o Salvador do mundo, morreu por todo e cada homem, de modo que Ele obteve, pela morte na cruz, reconciliação e perdão pelo pecado por todos os homens; de tal maneira, porém, que ninguém senão os fiéis verdadeiramente desfrutam dos mesmos (Jo 3.16; 1Jo 2.2).
      3. Que o homem não podia obter a fé salvadora de si mesmo ou pela força de seu próprio livre-arbítrio, mas se encontrava carente da graça de Deus, através de Cristo, para ser renovado no pensamento e na vontade (Jo 15.5).
      4. Que esta graça foi a causa do início, desenvolvimento e conclusão da salvação do homem; de forma que ninguém poderia crer nem perseverar na fé sem esta graça cooperante, e consequentemente que todas as boas obras devem ser atribuídas à graça de Deus em Cristo. Quanto ao modo de operação desta graça, no entanto, não é irresistível (At 7.51).
      5. Que os verdadeiros crentes tinham força suficiente através da graça divina para lutar contra Satanás, o pecado, o mundo, sua própria carne, e obter vitória sobre eles; mas se por negligência eles não poderiam apostatar da verdadeira fé, perder a alegria de uma boa consciência e ser privado da graça necessária, deve ser mais plenamente investigado de acordo com a Sagrada Escritura.
      Os Arminianos clássicos, também conhecidos por Remonstrantes, creem na Depravação Total (Romanos 3-5; Salmos 51), na Eleição Condicional (Deus escolhe, para salvação eterna, aqueles que Ele previu que possuiriam fé em Cristo, João 3:16, João 4:42, João 6:40, João 6:51, Atos 13:39, Romanos 1:16-17, Romanos 9:30, Romanos 5:1-2, Efésios 1:13, 1 Timóteo 4:10, 1 Pedro 1:1-2), Expiação Ilimitada (Jesus Cristo morreu por todos, 1 João 2:2; Isaías 53:6; Mateus 11:28-30; Mateus 18:14; João 1:7; João 1:29; João 3:16-17; João 6:33,51; João 12:47; Romanos 3:23-24; Romanos 5:6; Romanos 5:15; Romanos 10:13; 1 Timóteo 2:3-6; 1 Timóteo 4:10; Tito 2:11; Hebreus 2:9; 2 Pedro 3:9; 1 João 4:14) e a Graça Preveniente (graça de Deus que precede a decisão do homem: Jr 1:5, 31:3; Ez 34:11; Lc 19:10; Jo 6:44; Rm 2:4; Fp 2:12-13; IJo 4:19). Arminius não tinha uma posição certa quando a Perseverança do crente na Salvação.

      Tá com a Bíblia na mão, né? Hehehehe As referências são realmente exaustivas. Eu perdi a minha tarde apenas redigindo este texto! Vamos para o ponto 3.

      Excluir
    4. 3) O Arminianismo tem algo em comum com o Pelagianismo?

      Através dos pontos 1 e 2, expostos acima, é impossível afirmar que a visão arminiana é, ao menos, parecida, com a visão pelagiana. Eu duvido completamente que haja um arminiano clássico que, em plena ciência de ambos os sistemas teológicos, afirme que o Arminianismo mantém algo em comum com o Pelagianismo.

      4) Leituras Recomendadas.

      Um exame comparativo do Semi-Pelagianismo e Arminianismo:
      http://www.arminianos.com/?p=378
      O que é Arminianismo:
      http://deusamouomundo.wordpress.com/o-que-e-arminianismo/
      http://pt.wikipedia.org/wiki/Arminianismo
      http://deusamouomundo.wordpress.com/versiculos/

      Excluir
  2. Lamentável sob todos os aspectos...uma vergonha para o Evangelho...um escrachado deboche de Deus e de Sua Palavra....

    Cicero Ramos

    Aproveito para convidar a todos para conhecerem nossos blogs: Observatório Teológico - www.observateologia.blogspot.com e Blog do Discípulo - www.creioeunabiblia.blogspot.com Que Deus vos abençoe.

    ResponderExcluir
  3. Olá irmão.
    Muito bom não apenas este texto, mas os outros que foram postados antes e após a este, e estão relacionados.
    Concordo muito com vc. Mas, devo dizer que, ao pentecostalismo, chamado histórico, o de raiz - que infelizmente é pouco visto, não É esta avalanche de heresias, mas FOI o que proporcionou que os pentecostais masi exaltados e principalmente os neo-penteca chegassem aos delírios que chegaram. Assim como indiretamente, Lutero gerou reformados e neo pentecostais, assim como Wyclif, Lutero e Tyndale, colocaram a mãe das heresias na mão do povo (a bíblia), os equívocos atuais, indiretamente tem sua relação, mas não podemos colocar todos com hereges (apesar do semi-pelagianismo).
    Em outro texto, vc diz que prefere mais Huss(es), do que Lutero(s). Amo a história do Huss. Mas, em todo o estudo que eu já fiz sobre a história da igreja, vi que Lutero não quis diretamente romper com Roma, mas as diferenças eram drasticamente inegociáveis para os dois lados, o que gerou a declaração que vc cita e a excomunhão de Lutero. Calvino por outro lado, chutou o pau da barraca de vez, nunca querendo reformar a igreja, mas reformar a vida dos cristãos dispostos. O próprio Huss, em suas declarações, se não tivesse sido silenciado há tempo, promoveria esta ruptura, mas ainda não era a hora de Deus, pois havia mais elementos a serem desenvolvidos pra que a Reforma de fato ocorresse.
    Nós reformados,muitas vezes, somos tendenciosos quando falamos de Lutero, e totalmente parciais quando falamos dos pentecostais. Creio que dá pra dialogar e andarmos ao mesmo alvo, ainda que separados por nossas doutrinas, que também são inegociáveis, sendo portanto o fundamento da Igreja Una, bem distante de pregarmos um ecumenismo.
    Abração irmão. Fiquei hnrado com seu comentário e convite em meu blog, e assim que pude, vim aprender mais com vc.

    Que o Senhor continue lhe abençoando!
    http://www.ecclesiareformanda.blogspot.com/.
    Alberto Oliveira

    ResponderExcluir
  4. Meu amado, verdadeiramente o movimento "pentecostal" foi uma das maiores maselas que aconteceu no cristianismo contemporâneo, o pentecostalismo é uma caricatura do cristianismo genuíno e autêntico e dos ideais da reforma. Fico pensando, porque eles se auto- denominam pentecostais, pois afinal de contas, uma igreja genuínamente pentecostal deveria se enquadrar naquilo que está exposto ali em atos 2 a partir do verso 42, que foi a consequência do derramamento do Espírito Santo no dia de pentecostes e não em falar em linguas estranhas, estranhas mesmo, e ter lá as suas supostas revelações, mas a grande verdade é que essas realidades expostas no livro de Atos, infelizmente, estão muito longe destas igrejas ditas pentecostais.

    ResponderExcluir
  5. Graça e paz amado.
    Eu tenho que concordar com você que o pentecostalismo tem sido uma banalização do verdadeiro evangelho de Jesus Cristo, mas tenho visto muitas igrejas pentecostais sérias, pelo menos nas que eu conheço os pastores e a forma como eles ministram a Palavra. Eu sou pastor de uma igreja batista renovada, sou calvinista e nem por isso eu entrei nessa onda do reteté, prosperidade, barganhas com Deus, e outras coisas mais que temos visto por aí, em nome do pentecostalismo. Alias, não podemos chamar isso de pentecostalismo, mas de macumbalismo, pois destorcem a palavra da Verdade em prol de si mesmos. São líderes loucos e que tem levado o povo à loucura. Isso não é igreja é centro espírita com nome de igreja.
    Mais uma vez afirmo, creio nos dons espirituais, cremos que a Verdade liberta o homem das trevas e revela Cristo no coração deles, mas repudiamos por completo esse engodo chamado "Pentecostalismo Macumbado" que tem destorcido a verdade da Palavra.
    Fique na Paz!
    Pr Silas

    ResponderExcluir
  6. Caro Filósofo,

    Excelente texto! Não há como negar que efetivamente houve uma grande e grave ruptura entre os movimentos "novos" e os valores bíblicos da reforma protestante. Tanto no pentecostalismo quanto no neo, a suficiência das Escrituras já não é mesmo levada a sério, em prol de um evangelicalismo de resultados, o chamado pragmatismo gospel. Ademais, esse abandono das Escrituras e apego às tradições - sejam quais forem - aproxima mesmo tais movimentos ao catolicismo romano.

    Grande abraço!

    Ricardo.

    ResponderExcluir
  7. Sou católica não praticante por desconforto nos sermões, respeito todo tipo de religião, só não aceito certas imposições que geralmente alguns evangélicos impõe...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. me-desculpe-nao-existe-catolico-nao-praticante,-ou-vc-e-catolico-ou-nao-e!

      Excluir
  8. Pentecostalismo é câncer
    É a pior desgraça que aconteceu ao cristianismo
    Nas seitas pentecostais e neo pentecostais existem eleitos, entretanto, quando conhecem a verdade de Deus, saiem do erro.
    Ovelha só come lixo até enquanto não conhece a grama
    Não tem como conhecer as Escrituras e continuar sendo pentecostal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo!!!e-pra-mim-isso-serve-a-todo-o-protestantismo.

      Excluir
  9. Fico pensando, seria isso cristianismo? Tantas formulas e tanta sabedoria de calvinistas e penteconstais, parabéns .... ahhhhh... e como estão as almas proximo de sua casa, na rua, no bairro ou na sua cidade, vc esta evangelizando elas com joão 3:16, mateus 3:2,8,9,10 ...? Sai das 4 paredes, da sua zona de conforto e vai ganhar almas, deixe que o Espírito Santo, que convence o homem do pecado, da justiça e do juízo faça a parte dele. Não tem outro senão Cristo, o dono da verdade ..... EU SOU A VERDADE E A VIDA ........ tanta gente querendo tirar as almas do Caminho com suas verdades ... a biblia tem outra finalidade.......

    ResponderExcluir
  10. a-igreja-catolica-errou-muito-mais-ja-voltou-pros-trilhos-agora-quem-ta-fora-dos-trilhos-sao-as-evangelicas!!por-muito-tempo-pensei-que-a-igreja-catolica-iria-acabar-mais-as-pessouas-estao-abrindo-os-olhos-novamente-e-agora-a-igreja-catolica-esta-forte-como-nunca...

    ResponderExcluir
  11. Concordo com o articulista em boa parte daquilo sobre o que ele discorre. Não consigo compreender a razão por que pessoas insistem numa referência histórica completamente distorcida, decantando uma tal REFORMA que jamais existiu. Exatamente como dito no texto, o que ocorreu simplesmente fora uma RUPTURA. Além do mais, REFORMA é uma palavra ou vocábulo absolutamente inaplicável à Igreja de Cristo, pois que esta (IGREJA DE CRISTO) nunca ou jamais ou em tempo algum necessitou de "reforma". O que ao longo de séculos aconteceu (e continua acontecendo) é a prática reiterada e viciada de pecados, é a criatura de Deus afastando-se de Deus. Portanto, a questão, repita-se, não é de "REFORMA", mas de vergonha na cara, de regresso ao Caminho exposto e explícito na Palavra de Deus desde o Antigo Testamento e novamente, com peculiar enfoque, no Novo Testamento. O padre Lutero não foi reformador,muito menos "pai da reforma"(sic); o francês Jean Cauvin (João Calvino) e outros não foram reformadores, muito menos o "continuadores" dela. A respeito de Lutero, basta que se leia o livro de título "SOBRE OS JUDEUS E SUAS MENTIRAS" ou, preferencialmente, o mesmo livro em inglês: "ON THE JEWS AND THEIR LIES". Sobre o francês Calvino, basta que se leia na íntegra o livro "Institutas"(sic) da Religião Cristã. O ser humano precisa, sempre precisou e continua desesperadamente precisando de voltar à misteriosa simplicidade Bíblica, à humildade, à sinceridade, ao esvaziamento de si mesmo. Deixar de lado as manias "teológicas"(sic), as vaidades tolas, o desejo incontido de holofotes.

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog