sábado, 10 de setembro de 2011

A DECADÊNCIA NEOPENTECOSTAL E O CRESCIMENTO DAS IGREJAS TRADICIONAIS

Crescimento numérico nunca foi, necessariamente, prova da aprovação de Deus. Se assim fosse, teríamos que admitir que os Espíritas e Mulçumanos têm essa aprovação. Porém, isso vinha iludindo um número cada vez maior de pessoas. Quem, sendo membro de uma igreja tradicional, nunca teve que ouvir, num tom sarcástico, irônico e de superioridade:  "sua igreja não cresce", não é relevante para o o reino de Deus? Essa fala era embalada pelo "sucesso" de igrejas como a Renascer e Sara Nossa Terra, que serviu de modelo para muitas outras denominações neopentecostais.

As estatísticas eram, de fato,  desoladoras para as igrejas tradicionais. O senso IBGE de 1991/2001 apontava um crescimento irrisório de denominações tradicionais, como das Igrejas Presbiterianas (0,36%) e Luteranas, que além de não crescer perdeu milhares de membros. Nem mesmo os 20% de crescimento dos Batistas, tradicional denominação protestantes, podiam ser comparados aos mais de 1200% (mil e duzentos pontos percentuais) de crescimento da igreja Renascer e aos quase 5000% (isso mesmo: cinco mil pontos percentuais) da igreja Sara Nossa Terra. 

Muitos se gloriavam com esse crescimento afirmando ser uma onda de "reavivamento" que o Brasil estava passando. Muitos líderes enriqueceram com o dinheiro do povo. Alias, esse é o propósito da existência de muitas dessas igrejas. Os que não conseguiram enriquecer, por pura falta de talento teatral ou ainda algum resquício de vergonha na cara, hoje vivem das migalhas de suas estagnadas igrejas, que já não dão mais sinais de que se tornarão "mega igrejas", como uma dia sonharam. Mas há uma luz no fim do túnel: muitas igrejas outrora neopentecostais, estão, progressivamente, abandonando esse desvio e se aproximando, cada vez mais, das antigas doutrinas da graça, assumindo uma nova identidade que mais se parece com o modelo das igrejas tradicionais.

Em 1996, então aluno do SPN, lembro-me perfeitamente de uma aula de um renomado  professor de História do Cristianismo, Rev.Maeli Vilella, analisando o momento de euforia que as igrejas neopentecostais estavam experimentando. Dizia ele: "Se a situação econômica, financeira e educacional do país se estabilizar veremos um fenômeno inverso: as denominações pentecostais e neopentecostais entrarão em crise, em declínio, inclusive de crescimento, enquanto as igrejas tradicionais (Batistas, Congregacionais, Presbiterianas) passarão a crescer e a recuperar os anos de estagnação de crescimento".

Dez anos se passaram, o Brasil entrou num importante processo de estabilização em todas essas áreas e o que aconteceu com o crescimento das igrejas neopentecostais, especialmente Renascer, Sara Nossa Terra e todas as outras que seguem esse modelo? O que aconteceu com o crescimento das igrejas tradicionais? 

Bem, recentemente o Senso IBGE 2001/2011 andou divulgando um importante decréscimo no ritmo de crescimento das denominações neopentecostais e, em contrapartida, uma clara recuperação de Igrejas Históricas ou tradicionais. É só pesquisar na blogosfera. Muito embora essas estatísticas apresentem algumas falhas metodológicas, segundo alguns blogueiros, servem para apontar uma tendência que irá, inquestionavelmente, ficar mais clara com o passar do tempo, em permanecendo a atual conjuntura.

Essa análise paralela da relação entre fatores econômicos/sociais/educacionais com as questões religiosas não é nenhuma novidade. Max Weber já havia pensado nessa relação, em seu famoso livro "Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo", já abordado nesse blog.

Será que o Rev.Maeli, meu antigo professor, estava profetizando naquela aula? Teria ele recebido uma nova revelação de Deus? Evidentemente que não! Tratava-se apenas de uma análise sociológica e histórica de alguém que conhecia bem o funcionamento das estruturas religiosas ao longo dos séculos. 

Na verdade, a equação é bem simples: ninguém com o mínimo de formação, inteligência e  conhecimento bíblico engole as ladainhas enlouquecidas e ávidas por dinheiro dos neopentecostais. Ou seja, mais incautos = mais neopentecostais. Mais pessoas esclarecidas = menos neopentecostais. Simples assim! Talvez a saída para essas igrejas seja migrar para países ainda menos favorecidos, como Angola e Moçambique. É isso que o visionário Edir Macedo já está fazendo. Sigam-no os bons! (bons?) como diria Chapolim Colorado ou assistam, passivamente, as portas de seus templos serem fechadas. E não se preocupem: suas igrejas não farão a menor falta ao Brasil!

A Revista Isto É, com uma visão privilegiada do momento histórico, registrou a DERROCADA, A DECADÊNCIA E A FALÊNCIA DOS NEOPENTECOSTAIS, na figura antes ilustre da Bispa Sônia Hernandes. Reproduzimos abaixo um breve trecho da entrevista histórica:

ISTOÉ – Em 2002 a Igreja Renascer tinha 1.100 templos no mundo. Hoje são menos de 300. O que aconteceu? Sônia Hernandes – Houve uma readequação, algumas igrejas pequenas foram agrupadas para formar igrejas maiores, ao mesmo tempo que houve um incentivo para a abertura de grupos de desenvolvimento que acontecem nas casas, muitas vezes alimentados pela tevê e pela rádio. ISTOÉ – Só em São Paulo existem cerca de 40 ações de despejo contra a Renascer. Por que a igreja não consegue cumprir com suas obrigações? Sônia – Todas as ações estão em negociação e a igreja tem feito um grande esforço para resolver as questões pendentes. Para acessar a entrevista completa, clique: http://www.istoe.com.br/reportagens/158685_APRENDI+QUE+TUDO+QUE+PASSAMOS+NA+VIDA+TEM+UM+PROPOSITO+

"O líder que poderia imprimir agilidade à administração, o bispo Tid, primogênito de Estevam e Sônia que sempre teve saúde frágil, está em coma profundo há quase dois anos num leito de hospital. Da equipe de aproximadamente 100 bispos de primeiro time que a denominação tinha espalhada pelo Brasil até 2008, metade saiu para outras igrejas levando consigo pastores, diáconos e presbíteros. Para o lugar deles, ascenderam profissionais com menos experiência, o que, especula-se, pode ser um dos motivos da debandada de fiéis [..]. Hoje os Hernandes sangram a igreja para dar sobrevida ao padrão de vida nababesco que têm”, acusa um dissidente. Se nos anos 1990 a opulência do casal servia de chamariz para os adeptos da teologia da prosperidade, que celebra a riqueza material como uma dádiva proporcional ao fervor com que o devoto professa sua fé, hoje ela é uma ameaça à sobrevivência da instituição [...]. Foi também em 2010 que a igreja perdeu seu garoto-propaganda e principal dizimista, o jogador de futebol Kaká. Com a mulher, Caroline Celico, eles formavam uma dupla que fortalecia e divulgava a Renascer no Brasil e no mundo. O casal Hernandes não comenta a saída, muito menos o atleta do Real Madrid. Apenas Caroline arrisca alguns comentários enviesados. “Confiei no que me falavam. Parei de buscar as respostas de Deus para mim e comecei a andar de acordo com a interpretação dos homens”, escreveu ela em seu blog. O mau uso do dízimo pago pelo craque, que sabia do fechamento de templos e da fuga de lideranças, teria motivado o rompimento com a igreja. Foi um baque financeiro e tanto. Kaká é o sexto jogador mais bem pago do mundo e, estima-se, depositava nas contas da Renascer 10% dos R$ 21 milhões anuais que recebia": http://ministeriobbereia.blogspot.com/2011/09/o-declinio-da-igreja-da-bispa-sonia.html 

Se eu desejo o fim do Neopentecostalismo? Claro que sim! Excetuando-se a qualidade  musical, com graves restrições a maioria de suas letras, o neopentecostalismo não trouxe nenhuma contribuição ao verdadeiro evangelho. De onde procedem os escândalos? As vergonhosas propinas recebidas? A ideia de que todo pastor é ladrão? A falsa pregação? O engano? O evangelho água com açúcar? A famigerada teologia da prosperidade? Dos Neopentecostais. Alguém pode negar isso? Esse deveria ser o desejo de todo aquele que tem as Escrituras Sagradas como sua única regra de fé e de prática. E acreditem: isso não é desejar mal ao próximo. É, antes, desejar o bem ao evangelho de Cristo.

14 comentários:

  1. Graça e paz irmão.

    Sabe, soa como um alívio ler tudo isso. Tenho experimentado essa verdade bem de perto. Quanto mais incautos, mais neopentecostais, e quando mais convencidos e soberbos, mais pentecostais (não sei se concordas comigo). Tenho percebido que bem lentamente esse sistema tem caído e pessoas tem acordado para a realidade. Ontem mesmo encontrei um irmão no msn que me disse que depois de conhecer a teologia reformada, simplesmente ficou apaixonado e jogou fora até a Biblia de Estudos pentecostal que possuia. Pode parecer estranho mas isso me deixou muito feliz.
    Acredito que Deus tem sustentado um remanescente que não se curva diante das heresias que têm assolado a Igreja nesses dias.

    Gostaria de dentro de algum tempo também poder postar esse artigo em meu blog, por isso peço sua autorização.

    Em Cristo,
    Ir. Samuel
    samuel.balbino10@gmail.com


    Soli Deo Gloria!

    ResponderExcluir
  2. Filósofo "Fábio" Calvinista,

    Amei o último parágrafo!!! Porém, quero frisar o seguinte: para que o desejo que o neopentecostalismo deixe de existir, é preciso expelir o neopentecostalismo em algumas igrejas históricas, né?

    Sou a favor disso, mesmo que isso trouxesse algumas mudanças em algumas igrejas. Mudanças em algumas igrejas locais, por exemplo.

    Mas, apesar de compartilharmos do mesmo desejo, acredito que não seja possível isso, pois Deus tem usado o neopentecostalismo para puní-los com esses erros.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Samuel:

    Concordo contigo sim! Esqueci de dizer, mas você lembrou bem: soberba travestida de espiritualidade. Fique à vontade para publicar, caso queira.

    Prezado Heitor:

    Percebo certo tom pessimista na tua fala. Quero exortá-lo a continuar lutando pelas mudanças necessárias. A instituição IPB tem se posicionado de forma muito coerente contra as práticas neopentecostais em suas igrejas. Mas, por conta de desconhecimento dos símbolos de fé (principalmente) e por frouxidão de muitos pastores e oficiais, muitas igrejas locais ainda insistem nessas práticas terríveis. Quanto a nós, devemos continuar fazendo o trabalho de "formiguinha" a que estamos acostumados. Ensinando os preceitos bíblicos/reformados, sem, contudo, assumir uma postura de superioridade em relação aos demais irmãos. Heitor, não podemos negar: muita coisa tem melhorado. Ainda falta muita coisas, mas, aos poucos, a mudança chega. Fé em Deus! Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  4. Que maravilha esse texto!
    Concordo com o Samuel, essas palavras soam realmente como alívio! Diante da infinidade de heresias neopentecostais que estamos sujeitos, vejo maravilhosamente Deus sustentando aqueles que se comprometeram em levar suas verdades de forma correta. E quanto aos resquícios dessas doutrinas nas igrejas históricas, cabe a nós, reformados calvinistas extirparmos essas mentiras por meio do conhecimento da palavra de Deus.

    Grande abraço!
    Igor Campos.

    ResponderExcluir
  5. CRESCIMENTO DAS IGREJAS TRADICIONAIS? ONDE? A DECADÊNCIA PRESBITERIANA ORDENANDO PASTOR GAY E AGORA EM COMPANHIA DE FEITICEIROS:http://juliosevero.blogspot.com/2011/10/pastor-presbiteriano-lidera-juntamente.html - OLHAR O CISCO NO OLHO DOS PENTECOSTAIS E NÃO ENXERGAR A TRAVA NO SEU É DEMAGOGIA, O TRADICIONALISMO TIPIFICA A IGREJA DE SARDES, APENAS TEM NOME DE VIVO MAS ESTÁ MORTO, DEIXA CALVINO FILOSOFO E VEM PARA CRISTO!

    ResponderExcluir
  6. QUERIDO irmão "anônimo", parece-me que o senhor se sentiu incomodado com o texto, não? Não quero aqui fazer nenhuma discussão desrespeitosa pois creio que isso não leva o povo de DEUS a lugar algum. Mas uma pergunta me vejo obrigado a lhe fazer: Como é esta história de pastores gays e feiticeiros na igreja presbiteriana? Parece-me que pela forma como o sr. citou o fato o senhro não está muiot por dentro do assunto, mas tudo bem, esse não é o foco. O foco aqui é o crescimento das igrejas tradicionais. E em nenhum momento nos esqueceremos de nossa 'tradição'. O que não podemos fazer é colocá-la na frente do próprio Cristo. Mas esquecê-la? É demais não acha? E mais, deixar Calvino? Por quê? Homem de DEUS, tremendamente usado pelo Pai. E ao dizer "deixa calvino filósofo e vem para Cristo", acredito eu que o senhor cometeu um engano. Cristo é Senhor de nossas vidas. E também o era na vida de Calvino. Então como deixar Calvino e ir para Cristo, se nós já estamos em Cristo, juntamente com Calvino?
    Irmão, não sei de que denominação és, mas, por favor, não se veja ofendido com nada que é escrito aqui. Apenas alvalie a verdade. Tudo o que se fala hoje dos evangélicos é decorrente das atitudes de quais igrejas? As tradicionais? Então por que há 20, 30 ou 40 anos atrás quando a maioria dessas 'superigrejas' não existia ainda, ser evangélico era um sinal de respeito, de dignidade, era ser um exemplo na sociedade? Porque se a culpa fossa todas das igrejas tradicionais, Presbiterianos, Luteranos etc. acredito que já era para haver preconceit contra os evangélicos desde aquela época.

    que DEUS nos abençoe
    abraços
    Matheus Costa de Azevedo

    p.s. parabéns ao blog pelo excelente texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado irmão, Matheus, apenas comentando o seu parágrafo " Tudo o que se fala....".
      Veja: As também ditas tradicionais: Sétimo dia, CCB e as q não são consideradas cristãs: TJ e Mórmons, tb não temos visto escândalos. Então podemos tb considerá-los os parte dos corretos? Eu nunca vi uma reportagem de um mórmon pedindo dinheiro, ou da CCB. Então não acho q por não haver escândalo em uma denominação seja sinônimo de igrejas corretas ou escolhidas. Penso q poucos das IPB´s pensam assim como vc quanto aos pentecostais. Mas, posso até estar enganado.

      Excluir
  7. Falar que as igrejas neopentecostais não fazem bem ao evangelho é quase uma piada, vindo daqueles que dizem pregar o evangelho e seguir o amor e a graça.
    Várias são as pessoas que conheceram e aceitaram Jesus através dessas denominações, sem falar na ótica social. Os religiosos como os fariseus só olham o que querem enxergar, e se preocupam mais com números do que qualquer outra religião (e dizem que não). Ficam de fora torcendo para tudo dar errado como urubus voando aguardando as sobras. Onde está o amor em palavras direcionadas "torcendo" para o fim de uma igreja? Alguma pessoa que coordena esse blog ao menos pensa que pode estar blasfemando contra o espírito santo? Duvidando e afirmando com a total certeza do mundo em seus julgamentos? Vcs não merecem nem ao menos macular o nome da Igreja Presbiteriana nesses versos tendenciosos e cheios de falácias. É TRISTE as pessoas ficarem brincando de serem cristãos, enquanto o inimigo avança com sua nova era roubando almas.

    ResponderExcluir

  8. Caro Anônimo:

    Reconheço a utilidade social das igrejas neopentecostais. De algumas, claro. Até já publiquei sobre isso aqui no blog. Mas, essa não é uma marca de distinção de uma verdadeira igreja de Cristo. Conheço pessoas que sairam do mundo das drogas e do alcoolismo através de instituições "espíritas" e dos "Mórmons". E aí? como fica? Cito só essas duas pra vc ver que esse parâmetro não deve ser norteador. Muitas pessoas "aceitaram a Cristo"? Bom, isso é bem questionável. Em muitos casos, essas "muitas pessoas" aceitaram os "dogmas e inovações humanas" trazidas por muitas dessas igrejas. Fazer a vontade de Cristo, ser seu discípulo; fazer o que ele manda - que só pode ser encontrado nas escrituras - isso, meu caro, é outra coisa. Sem contar que o número de pessoas que saem dessas igrejas é estatísticamente compatível com o que entra. Isso prova a falta de conversão genuína, que só a pregação genuina do genuíno evangelho de Cristo pode dar. Como isso não é característica presente de forma recorrente nessas igrejas, então, tá tudo explicado. Quanto a "torcer" para que essas igrejas fechem as portas, prefiro entender de outra forma: torço, sim; mas para que o evangelho seja pregado de forma simples e genuína. Se isso implica no fechamento de muitas dessas igrejas, então paciência. E já que falou em "nova era", penso que muitas dessas igrejas (não todas, evidentemente) são responsáveis por estabelecerem essa "nova era" de absurdos colossais que estamos vendo. Tudo aquilo que afasta e esconde o evangelho e sua pregação genuína está em perfeita sintonia com o movimento "nova era", que tem exatamente esse objetivo.

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O movimento pentecostal em sua raiz, tem muita genuinidade bíblica. E tem se tornado o movimento mais crescente em vários cantos do mundo. Inclusive no Brasil. Então faço parte de uma linhagem pentecostal ( Igreja Batista Nacional)_ que inclusive pertence ao órgão da convenção nacional Batista. E tenho notado o aumento de igrejas renovadas ou pentecostais, inclusive muitos tradicionais ingressaram as igrejas renovadas. Exsitem muitas igrejas pentecostais, disciplinada, regulamentadas que levam um bom ensino bíblico. Raramente escuto alguém dizer que pertence alguma igreja tradicional, muito menos jovens. Acredito quer a igreja tradicional, se acomodou numa espécie de religiosidade.Eu ja visitei algumas e não me adaptei. Mas afirmo em Cristo somos um. Independentemente da categoria tradicional ou pentecostal.

      Excluir
    2. O movimento pentecostal em sua raiz, tem muita genuinidade bíblica. E tem se tornado o movimento mais crescente em vários cantos do mundo. Inclusive no Brasil. Então faço parte de uma linhagem pentecostal ( Igreja Batista Nacional)_ que inclusive pertence ao órgão da convenção nacional Batista. E tenho notado o aumento de igrejas renovadas ou pentecostais, inclusive muitos tradicionais ingressaram as igrejas renovadas. Exsitem muitas igrejas pentecostais, disciplinada, regulamentadas que levam um bom ensino bíblico. Raramente escuto alguém dizer que pertence alguma igreja tradicional, muito menos jovens. Acredito quer a igreja tradicional, se acomodou numa espécie de religiosidade.Eu ja visitei algumas e não me adaptei. Mas afirmo em Cristo somos um. Independentemente da categoria tradicional ou pentecostal.

      Excluir
  9. Em julho, a Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro vai virar o centro das atenções dos católicos de todo o mundo devido a realização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Mas segundo matéria publicada no site do Globo, nesta terça-feira (19) lá está a única Região de Planejamento (RP) da cidade, a de Santa Cruz, onde o percentual de evangélicos (36,9%) é maior que o de praticantes da religião romana (36,7%).
    Apesar de o catolicismo ainda ser a religião predominante na cidade, como mostra o último dia da série Retratos Cariocas O Globo, há um número expressivo de pessoas ‘migrando’ para os templos evangélicos, sobretudo nas periferias. A RP de Campo Grande, por exemplo, registra um índice bastante alto de evangélicos (36,4%), seguida pela da Pavuna (32,7%).
    Os números estão num estudo feito pelo Instituto Pereira Passos com base nos dados dos censos demográficos de 2000 e 2010. O trabalho, que será disponibilizado na íntegra no Armazém de Dados, site da instituição, mostra que houve uma redução de 61,2% para 51,6% no percentual de habitantes do município que se declaram católicos. Igualmente caiu o índice dos evangélicos tradicionais, que eram 5,4% e, em 2010, chegaram a 3,8%. Em sentido contrário, aumentaram os evangélicos pentecostais (de 11,3% para 12,6%) e os outros evangélicos, nos quais estão incluídas as igrejas neopentecostais, que representavam apenas 1% e hoje são 7%.
    A economista Maína Celidônio, do IPP, lembra que o fenômeno não é exclusivo do Rio. Segundo ela, de 1980 a 2003, enquanto a parcela de católicos na população brasileira caiu 15 pontos percentuais, a de evangélicos aumentou 12%.
    Fonte: O Globo

    ResponderExcluir
  10. Então faço parte de uma linhagem pentecostal ( Igreja Batista Nacional)_ que inclusive pertence ao órgão da convenção nacional Batista. E tenho notado o aumento de igrejas renovadas ou pentecostais, inclusive muitos tradicionais ingressaram as igrejas renovadas. Exsitem muitas igrejas pentecostais, disciplinada, regulamentadas que levam um bom ensino bíblico. Raramente escuto alguém dizer que pertence alguma igreja tradicional, muito menos jovens. Acredito quer a igreja tradicional, se acomodou numa espécie de religiosidade.Eu ja visitei algumas e não me adaptei. Mas afirmo em Cristo somos um. Independentemente da categoria tradicional ou pentecostal.

    ResponderExcluir
  11. Então faço parte de uma linhagem pentecostal ( Igreja Batista Nacional)_ que inclusive pertence ao órgão da convenção nacional Batista. E tenho notado o aumento de igrejas renovadas ou pentecostais, inclusive muitos tradicionais ingressaram as igrejas renovadas. Exsitem muitas igrejas pentecostais, disciplinada, regulamentadas que levam um bom ensino bíblico. Raramente escuto alguém dizer que pertence alguma igreja tradicional, muito menos jovens. Acredito quer a igreja tradicional, se acomodou numa espécie de religiosidade.Eu ja visitei algumas e não me adaptei. Mas afirmo em Cristo somos um. Independentemente da categoria tradicional ou pentecostal.

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog