terça-feira, 28 de junho de 2011

O ECUMENISMO ESPONTÂNEO DA LUTA CONTRA O PROJETO GAY E A FALTA DE LÓGICA DO HOMOSSEXUALISMO


Nesse post estou cheio de dúvidas, por isso quero começar fazendo algumas perguntinhas:

Estamos diante de uma reaproximação entre católicos e protestantes? Será que um dia teremos uma única religião? Será que estão descobrindo que católicos e protestantes têm, ainda, muito em comum? Estamos diante de um precedente de retorno à igreja que tem raiz histórica com o cristianismo primitivo?

É impressionante como a luta contra “o projeto gay” está promovendo um verdadeiro, autêntico, espontâneo e natural “ecumenismo”.

Estou enganado? É só dar uma visitada na blogosfera que veremos muitos blogs evangélicos divulgando, apoiando e aplaudindo católicos. Católico pra “crente” agora é herói da fé, da moral e dos bons costumes. Será isso aquela sadia admiração que o irmão mais novo nutre pelo irmão mais velho? O mundo ta mesmo de cabeça para baixo...rs.  Aquela velha história de “gato e rato” já era. Agora o grito de guerra é “igreja, cristã, unida, jamais será vencida”!

A mais nova heroína dos evangélicos é a Deputada Estadual  - Católica - do Rio de Janeiro: Mirian Rios. Aquela ex de Roberto, lembra? Pois é, foi só falar contra a PL-122 que passou a ser “primeira capa” de diversos blogs evangélicos, reformados, protestantes. Vai uma listinha aí? Vamos lá: eleitosdedeus, acordaigreja, uniãodeblogueirosevangélicos, resistênciaprotestante, ministério beréia, aigrejaaogostodofreguês, além de outros que não fiquei sabendo ainda. Mas, ei: não estou dizendo que estão errados, ok? Apenas é uma constatação. Veja essa reaproximação entre católicos e evangélicos no vídeo abaixo:


Bom, deixemos esse assunto para os historiadores do futuro. Quem viver verá! O assunto agora é outro:  

Nunca consegui entender os gays. Dizem que a homofobia é falta de entendimento e de conhecimento da questão homossexual. Muito bem, senhores e senhoras gays (posso chamar assim?):  eis algumas questões direcionadas aos senhores(as) e vice-versa. Quero entender. 

Por favor, se puderem e se souberem me tirem essa dúvida. Acompanhem o raciocínio: por definição o(a)  homossexual gosta do “mesmo sexo”, correto? Sendo assim, pela lógica, só gosta das características peculiares do próprio sexo a que pertence, certo? Ou seja, aquilo que faz a mulher ser mulher e o homem ser homem. Sei que parece obvio, mas estou só querendo entender. E até aqui dá pra entender. Devo concluir, seguindo essa lógica, que uma “mulher” homossexual gosta de outra “Mulher” (com “M” maiúsculo) exatamente porque ela é “mulher” e, por isso mesmo, se sente atraída por esse ser semelhante, com desejos quase narcisistas, contrariando até mesmo  o normal ou, se preferirem, o convencional. Significa dizer que se essa “mulher” não fosse “mulher” e sim “homem” ela jamais, por força conceitual, deveria sentir-se atraída. Estou certo? Bem, o raciocínio é o mesmo no caso do “homem” homossexual. Ele gosta de “macho” e só gosta de “macho” porque se sente atraído pelo mesmo sexo a que pertence. De forma que se o “macho” fosse “fêmea” ele, de forma alguma se sentiria atraído.

Se é assim, e parece que é, então porque a mulher homossexual procura uma mulher “masculinizada” para ter relacionamento? Ora, se ela gosta de “mulher” não deveria se relacionar apenas com aquelas que fossem ícones de feminilidade? Veja o exemplo de Lanna Holder e Rosania Rocha. Lanna parece um “macho”. Isso não é contraditório? Se a outra queria um “macho” então porque não procurou um “de verdade” e sim um “genérico”? Observe todos os casais de lésbicas. É assim ou não é? Isso não seria a contra-prova da violação do que é natural?

A mesmíssima coisa acontece com os homossexuais “masculinos”. Sempre tem um que é a “mulherzinha” da história. Que tenta imitar a mulher em tudo, conseguindo, no máximo, atingir uma espécie de feminilidade de robô, tornando-se, assim, uma “mulher do Paraguai”. 


Cara, se você queria uma “parceira” feminina e com todas as características de uma mulher, então porque não procurou uma “mulher” de verdade? Será que levou algum fora de alguma “mulher de verdade” e ficou traumatizado? Algum problema de baixa estima? Só sendo....dá pra entender não...rs.

23 comentários:

  1. É verdade meu amigo! Eu também não consigo entender muito essa lógica dos casais homossexuais e de lésbicas. É confuso demais este negócio. Seria interessante ouvi-los sobre isto para que eles pudessem nos explicar. rsrs.

    Fica na paz!

    ResponderExcluir
  2. Metendo o pau de novo, hein?rsrsr

    Agora, uma coisa: Por que estás criticando a união temporária de protestantes com católicos nessa luta contra a lei da homofobia?

    Você sabe que lei é essa que estão querendo aprovar? Você sabe as conseqüências que virão com a aprovação da Pl 122?

    Filsófo, quanto mais gente na briga contra essa lei, melhor! Não é questão teológica, é questão social! Não estamos sendo ecumênicos na teologia. Não estamso sendo ecumênicos na adoração, em um culto. Estamos sendo ecumênicos em assuntos sociais, e como tal, posso me unir com um espírita, com um kadercista... É uma questão social apenas!

    Mesmo que essa assunto tenha alguma coisa a ver com crenças religiosas, o que está em jogo é a liberdade de expressão que estão tentando censurar. E você, como um filósofo, concordaria com esta censura?

    Outra coisa, por que estás criticando a união temporária de protestantes com católicos?

    Você sabe como a IPB chegou no Brasil? Claro que sabe, mas vou contar: a IPB chegou aqui no Brasil com a ajuda da Maçonaria. Como você se sente sabendo que és presbiteriano graças a uma "ajudinha" da Maçonaria?????

    Estás disposto a escrever um post criticando a IPB por causa disso?

    ResponderExcluir
  3. Heitor:

    Entendi perfeitamente o argumento da gravidade social do momento. Mesmo assim, essa momentânea união, é algo que chama a atenção. Será que não poderia servir de precedente para futuras outras uniões? Acha difícil? Quem está à frente dessa luta? Rapaz, para quem se junta com Mike Murdock e Cerullo PAPA é fichinha...rs.

    Quanto a "ajudinha" que a IPB recebeu estando já aqui no Brasil, salvo engano, não foi pela IPB que fizeram isso e sim para promover maior autonomia em relação a ICAR, da mesma forma e pelos mesmos motivos que a Burguesia no século XVI era favorável às causas protestantes.

    Não acho esse tipo de aproximação louvável.

    Isso é, no mínimo, ser aproveitador...rs.

    E se amanhã o PCC ou o Comando Vermelho quiser nos apoiar pelos mesmos motivos? Devemos, caladinhos, aceitar?

    ResponderExcluir
  4. Sérgio ricardo,radialista Outro dia estava no mercado quando vi no final do corredor um amigo da
    época da escola, que não encontrava há séculos. Feliz com o reencontro
    me aproximei já falando alto:

    - Oswaldo, sua bichona! Quanto tempo!!!!

    E fui com a mão estendida para cumprimentá-lo. Percebi que o Oswaldo me
    reconheceu, mas antes mesmo que pudesse chegar perto dele só vi o meu
    braço sendo algemado.

    - Você vai pra delegacia! – Disse o policial que costuma frequentar o
    mercado.

    Eu sem entender nada perguntei:

    - Mas o que que eu fiz?

    - HOMOFOBIA! Bichona é pejorativo, o correto seria chamá-lo de grande
    homosexual.

    Nessa hora antes mesmo de eu me defender o Oswaldo interferiu tentando
    argumentar:

    - Que isso doutor, o quatro-olhos aí é meu amigo antigo de escola, a
    gente se chama assim na camaradagem mesmo!!

    - Ah, então você estudou vários anos com ele e sempre se trataram assim?

    - Isso doutor, é coisa de criança!

    E nessa hora o policial já emendou a outra ponta da algema no Oswaldo:

    - Então você tá detido também.

    Aí foi minha vez de intervir:

    - Mas meu Deus, o que foi que ele fez?

    - BULLYING! Te chamando de quatro-olhos por vários anos durante a escola.

    Oswaldo então se desesperou:

    - Que isso seu policial! A gente é amigo de infância! Tem amigo que eu
    não perdi o contato até hoje. Vim aqui comprar umas carnes prum
    churrasco com outro camarada que pode confirmar tudo!

    E nessa hora eu vi o Jairzinho Pé-de-pato chegando perto da gente com 2
    quilos de alcatra na mão. Eu já vendo o circo armado nem mencionei o
    Pé-de-pato pra não piorar as coisas, mas ele sem entender nada ao ver o
    Oswaldo algemado já chegou falando:

    - Que porra é essa negão, que que tu aprontou aí?

    E aí não teve jeito, foram os três parar na delegacia e hoje estamos
    respondendo processo por _HOMOFOBIA_, _BULLYING_ e _RACISMO_.

    *Moral da história: Nos dias de hoje é um perigo encontrar velhos amigos!*

    ResponderExcluir
  5. Cara, muito boa essa postagem. Me diverti com seu raciocínio perfeitamente lógico. Também não entendo a existência de homossexuais, e menos ainda essa ascenção cultural da sua condição. Percebo que é um desvio da normalidade, da naturalidade, já que não acompanha a principal característica de todos os seres vivos que é buscar a perpetuação através dos filhos. No entanto, até entre os animais isso existe, com muito mais raridade, é verdade, mas existe, o que torna a coisa ainda mais complicada. Por isso, acho que o foco é impedir seus avanços políticos e privilégios, e deixar de lado as questões de foro íntimo, afinal cada um dá a porca miséria que tem.
    Abraços e parabéns pelo blog!
    Ale.

    ResponderExcluir
  6. Qual o problema na união da igeja católica e protestante se estão na luta por um bem maior?
    Não concordo com esse trecho de seu comentário:
    E se amanhã o PCC ou o Comando Vermelho quiser nos apoiar pelos mesmos motivos? Devemos, caladinhos, aceitar?
    Ainda não consegui entender a comparação do pcc ou comando vermelho com a igreja católica? E qual o problema em ser a igreja católica se é a mesma que desde os primórdios está na luta contra todas as leis absurdas que vem sendo aprovadas.
    Não tô aqui defendendo religião A ou B, porém a igreja católica sempre foi contra a qualquer tipo de manifestação, preservando e lutando pelo que está escrito nos livros sagrados a união do homem com uma mulher.
    A base das igrejas evangelicas foram as igrejas católicas, concorda? A defensora universal da moral e dos bons costumes. Diferente das milhares evangelicas que a cada dia nasce uma diferente.

    ResponderExcluir
  7. Leciane:

    Concordo plenamente com você. Se observar direitinho, na verdade, estou fazendo uma crítica às igrejas evangélicas que sempre criticaram a igreja católica e, diga-se de passagem, a recíproca também sempre foi verdadeira. Estou criticando a forma dúbia de manter relações institucionais. Ou seja, quando convém a igreja católica é a melhor do mundo, quando não convém tasca-se a lenha. É a velha máxima do "vem a nós e vosso reino nada".

    Se puder ler também o post "OS VERDADEIROS CULPADOS PELA PL-122", vai entender melhor a crítica à posição evangélica.

    Você pode acessar a página principal do blog e ver os artigos anteriores a esse. Salvo engano é o sétimo artigo de cima para baixo.

    Tudo de bom e obrigado por sua contundente crítica e observação.

    ResponderExcluir
  8. Só uma coisa professor.... gênero é diferente de sexualidade, no momento em que for falar dos atrativos fisiotípicos de cada um não confunda-os com a sexualidade alheia.. nem todo ser do gênero masculino desempenha o papel "social' (diga-se de passagem convencionado e baseado em conceitos um tanto quanto duvidosos) de homem numa relação sexual. O gênero (ou orgão) não define a sexualidade de uma pessoa. Talvez até assusti um pouco o aumento de ocorrências de casos homoafetivos no nosso país (até globalmente falando), mas isto se dá não pelo aumento de "traumas" ou de "baixa estima" da população em geral, muito pelo contrário, comparo este movimento ao mesmo que libertou as mulheres das cozinhas de suas casas, ao movimento que libertou os negros das senzalas, é o movimento pelo respeito a diversidade e igualdade que a "igreja" (no hâmbito mais geral)não acha interessante... assim como foi de encontro (a principio) aos dois movimentos anteriormente sitados. A naturalidade das coisas não deve ser regida por escritos guiados por revelação divina e nem muito menos pela intolerância de pessoas.. mas pela igualdade de direitos, independente de sexualidade, gênero, cor de pele, crença, nacionalidade ou qualquer outra suposta disparidade entre seres humanos. E o que mais me conforta, é saber que estas palavras sem "coerência" e cheias de malícia não farão diferença alguma, pois logo logo, a lei será aprovada, e as gerações futuras terão mais discernimento para que,comentários como este não tenham influência alguma sobre a realidade social. Abraços Professor... apesar de sua colocação infeliz, lhe admiro...

    ResponderExcluir
  9. Grande Hugo:

    Esse é um espaço aberto às críticas e às opiniões discordantes. Aliás, você faz isso muito bem..rs. Permita-me, porém, discordar de você em alguns aspectos. Quanto ao direito que cada um tem de fazer o que quiser de sua vida, sem problemas. Até escrevi um artigo sobre isso "E O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ESTAVA CERTO".

    Quando você diz que "O gênero (ou orgão) não define a sexualidade de uma pessoa", não vejo muita lógica em concordar com isso. O que define então? A dinamicidade da cultura? Ora Hugo, nós só estamos aqui discutindo esse assunto porque nossos pais, nossos avós e nossos antepassados mais remotos, quanto à sexualidade, assumiram os papéis pertinentes aos homens e às mulheres, respectivamente.

    Suponhamos que estejas correto. Suponhamos também que em uma determinada cultura todos resolvam "escolher" ser gay. Qual o futuro desse sociedade em 80, 100 ou 150 anos?


    Não comentou também sobre minhas dúvidas...rs. Gostaria de vê-lo tirando minhas dúvidas..rs.

    Tudo de bom! Espero que volte a estudar.

    ResponderExcluir
  10. Caro professor... não seria eu tão pretensioso ao ponto de "achar", que concordaríamos neste ponto.. no entanto, não posso deixar de alimentar de alguma forma este debate tão tico.. mas tudo bem.. vejamos pois...
    Quando digo que o gênero não determina a sexualidade de um ser, não nego em nenhum momento as convenções sociais existentes desde os nossos antepassados a exemplo DESTE TEXTO (é só clicar aqui professor) http://pt.almas.com.mx/almaspt/artman2/publish/Diferen_as_entre_sexo_sexualidade_e_genitalidade.php ... inclusive não tenho duvidas professor quanto ao futuro da "humanidade", que por sua vez não corre grandes riscos (diga-se de passagem, este conceito de reprodutor é um problema não é?) imaginemos pois se todos seguissem a orientação da "Igreja" (crescei e multiplicai)quantos miseráveis mais não haveriam no mundo???? Continuando o seu raciocínio... como o meu conceito de "sexualidade" (não sexo) é notoriamente diferente do seu, digo-lhe que o futuro será bem melhor que os dias atuais... vamos pensar um pouco:
    - Com o aumento da responsabilidade e conhecimento das pessoas, junto ao aumento das relações homo-afetivas, diminuirá a taxa de natalidade
    - Com isto tendemos a viver num país menos populoso, consequentemente com distribuição de renda mais equitativa
    ...
    professor poderia eu dedicar uma parte do meu tempo a citar todas as vantagens e motivos pelos quais acredito que o homossexualismo é algo tão natural quanto passivo de melhoras sociais tal qual foram (cito novamente) o fim da escravatura, e a conquista constitucional de equidade entre os gêneros... mas o tempo que tenho para responder-lhe é no trabalho.. então vou indo... espero respostas..

    ResponderExcluir
  11. Prezado Hugo:

    Obrigado por contribuir com esse debate. Você sempre "bota lenha na fogueira"...rs. Vamos lá:

    Primeiramente deixa corrigir uma coisa: "crescei e multiplicai" não é um dogma do catolicismo e sim um preceito bíblico e paraclesiástico. Evidentemente que a hermenêutica católica interpreta esse texto sem as devidas considerações do seu contexto. Esse texto é direcionado primordialmente ao início da humanidade. Mas, não resta dúvida, ele também aponta para a função principal do sexo, que é a reprodução....

    ResponderExcluir
  12. ... de onde se deriva a palavra sexualidade,logo, essas palavras estão diretamente relacionadas. Não dá para simplesmente negar isso, como quer fazer o artigo recomendado por você. Acaso, a principal característica do homossexualismo (ou homossexualidade, como queira) não é a prática do "sexo" com pessoas do mesmo "sexo"?

    Quero comentar algo que você, corajosamente disse aqui. Coisa que nem mesmo os militantes mais ativos do movimento LGTB assume:

    "Com o aumento da responsabilidade e conhecimento das pessoas, junto ao aumento das relações homo-afetivas, diminuirá a taxa de natalidade - Com isto tendemos a viver num país menos populoso, consequentemente com distribuição de renda mais equitativa".

    Diferentemente de você vejo com preocupação esse futuro. Esse ponto é essencial. Percebe como você se contradiz ao relacionar a questão da homossexualidade,diretamente, com o sexo e a reprodução humana? Mas, neste sentido, estás certíssimo em pensar diferente do artigo que você mesmo sugeriu.

    Esse controle de natalidade, consequência direta da prática homossexual, se levado ao extremo, isto é, se todos "resolverem" (a menos que você me diga que não é uma opção) tornar-se homossexual, a curto prazo, talvez, até produzisse o resultado esperado por você mas, e alongo prazo? Acaso não seria o fim da humanidade? Isso é inegável, pelo menos quando estamos falando dos meios naturais de reprodução.

    O homossexualismo é uma pregação escatológica do fim da humanidade, caro Hugo. Escrevi sobre isso. Caso queira aprofundar mais um pouco em é só ler o artigo abaixo,com esse título.

    ResponderExcluir
  13. Hugo:

    Aproveita e convida Érica pra esse debate também...rs.

    ResponderExcluir
  14. Quem disse que o sexo deve se dar apenas para relação humana? Ops... desculpe-me é o "preceito bíblico e paraclesiástico". Como foi dito, este avanço social, trará sim vários benefícios não apenas aos homossexuais, mas sim para a sociedade em geral... falo tanto a curto prazo, quanto a longo prazo. Só para não deixar dúvidas, a sexualidade de uma pessoa não é uma opção em minha "humilde" concepção caro professor... e assim sendo não corremos o risco de "extinguir" ou criar problemas para a proliferação da humanidade. E só uma coisa professor, sexualidade deriva de sexo sim, entretanto, enquanto o "sexo" corresponde ao orgão reprodutor de determinada pessoa, a sexualidade corresponde ao parceiro cujo qual a pessoa se relaciona, independente de características fisiológicas, afinal de contas, qual a disparidade entre machos e fêmeas além de seus orgãos reprodutores? E como bem sabe, minhas análises partem de minha mera observância baseado apenas no meu "senso"... e prefiro as vezes que seja assim. Vou convida-la sim professor!!

    ResponderExcluir
  15. Prezado Hugo:

    Por que o seu "preceito" é, necessariamente, melhor que o preceito bíblico? Neste ponto você me parece extremamente coerente, diferentemente de muitos militantes da causa gay. Ou seja, simplesmente não dá pra ser cristão ou querer seguir os "preceitos bíblicos" e ser, ao mesmo tempo, homossexual. Nisto estás coberto completamente de razão. Todo homossexual, a priori, ou deveria ser ateu (admitamos a possibilidade disso existir) ou de qualquer outra religião que não considere tal prática um pecado, uma abominação.

    Quanto à questão do "sexo" e "sexualidade" será necessário reinventar a língua portuguesa para que seu argumento fique coerente.

    Você me deixou muito curioso para saber sua "humilde" opinião. Se a "sexualidade (homo)" de uma pessoa "não" é uma "opção" (e olha que eu quis ser politicamente correto), o que seria então? Daria pra explicar direitinho?

    ResponderExcluir
  16. Sobre os preceitos bíblicos, não vou me ater professor, mas só para não passar em branco, os "seus" preceitos bíblicos mudaram de acordo com a história, assim como propunha meu caro Marx ( a dialética da história neh).. contudo para além das mudanças, existem vários preceitos religiosos neste sentido, inclusive cristãos.. sendo assim caro professor, cabe perguntar ao senhor "Por que o seu preceito é, necessariamente..." o preceito bíblico "mais correto"? E quanto a língua portuguesa, ela é reinventada a todo instante, mas esta interpretação não está além da interpretação no mínimo "coerente" ( envio-lhe agora outro link - por favor se não o for assIm, peço eu que o senhor me defina "SEXUALIDADE" http://www.infoescola.com/sexualidade/o-que-e-sexualidade/ . Volto a afirmar caro professor, homossexualismo NÃO É OPÇÃO,. e se o fosse, assim como "sexualidade (homo)" que o mesmo afirmou, pergunto eu mais uma vez, em que momento de nossas vidas escolhemos ser heterossexuais??

    ResponderExcluir
  17. Hugo:

    Conhecer a história não é conhecer a história da teologia ou de qualquer outra área técnica.

    Esse preceito bíblico jamais foi diferente. Não houve, na história do cristianismo, nenhum momento em que o preceito bíblico, quanto à homossexualidade, tenha sido diferente do que é hoje. Ou seja, jamais houve um momento em que essa prática tenha deixado de ser considerada pecaminosa. Se é um preceito correto ou o melhor aí é outra coisa. Você parece eliminar toda e qualquer possibilidade desse preceito estar correto. Mas, não quero aqui citar bíblia (por que não teria nenhuma possibilidade de normalidade em tal prática). Vamos na dialética.

    Percebo que insistes em dizer que a prática homossexual não é uma opção. Por favor, nos esclareça. Seria o que,então?

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Professor, para tentar deixar mais claro ainda o porque de acreditar que não é mera opção, deixo aqui para meu caro professor, um vídeo de uma de suas referências na filosofia, Paulo Ghiraldelli, veja: http://www.youtube.com/watch?v=gIzi2X_gasI&feature=BFa&list=PL1E205994B4F3341D&index=2

    É natural caro professor, nada mais, e como tal não é uma opção! Não sei se fui claro, mas se não fui, desculpe-me... esta foi a forma mais próxima do "claro" que encontrei para lhe expressar minha opinião!
    Mas lhe faço a mesma pergunta novamente, em que momento de nossas vidas escolhemos ser heterossexuais??

    ResponderExcluir
  20. Prezado Hugo:

    Impressão minha ou não estás querendo colocar claramente tua opinião sobre o que leva a pessoa a "tornar-se" homossexual?

    ResponderExcluir
  21. Caríssimo Filósofo:
    creio que você está equivocado quanto a algumas definições. É absolutamente desnecessária, perigosa, ardilosa e falaciosa sua generalização quanto à existência, em casais homoafetivos, de uma figura masculinizada e outra feminilizada. Pode acontecer? Sim, claro! Mas não é regra. Um exemplo é meu namorado e eu. Bem machos, sim senhor. Se gostássemos de "mulherzinha", seríamos héteros. E o fato de preferirmos um parceiro masculinizado não nos torna afeminados.
    E quanto àqueles que assim são (casais em que um/a é masculino/a e outro/a, feminino/a, isso não significa uma lógica disparatada ou "contraditória", como você insinua. A questão da homossexualidade vai muitíssimo além da aparência ou dos trejeitos. Perpassa-a, sim. Mas tem a ver com a realização pessoal, a completude humana. E isso, meu caro, não se discute: é inerente ao indivíduo - não ao que a sociedade aceita/prega como verdade; não se ensina, não se aprende: simplesmente se vive; não se muda: aceita-se ou não.
    Portanto, caríssimo, antes de escrever e publicar exemplos de raciocínio de buteco (perdão pela força de expressão, mas foi isso que me pareceu), conheça o assunto de maneira séria e responsável.

    ResponderExcluir
  22. Prezado anônimo:

    Agradeço sua participação nesse debate. Sua opinião é importante, assim como qualquer outra. Evidentemente que discordo dela em muitos pontos. Muito embora tenha que concordar que você é um dos poucos homossexuais coerentes, já que "você e seu namorado são bem machos".

    Essa coerência deve existir, inclusive, no seu momento de intimidade, ou seja, "dois bem machos". Será que isso é realmente possível? Será que um de vocês não faz um papel muito "parecido" com o da mulher, trazendo, assim, incoerência para seu relacionamento?

    Você chama a relação homoafetiva de "completude humana"? Tá de brincadeira né? Completude que não consegue nem mesmo o básico, que é a continuação da espécie? Isso não é completude, isso mais se aproxima de uma pregação escatológica para por fim à humanidade, como já disse em outro artigo.

    Me explique algo que nenhum gay me explica: o homossexualismo não é uma opção? Já se nasce assim?

    Por fim, meu caro, você me acusa de formular "raciocínio de buteco". Mas, na verdade, pensamos exatamente da mesma forma. Ou seja, você, mais do que refuta, concorda integralmente com o que foi dito nesse post. Concluo com sua corretíssima afirmação, que concorda 100% com oque falei nesse post:

    "Se gostássemos de "mulherzinha", seríamos héteros".

    ResponderExcluir
  23. Caro professor...
    Como já disse anteriormente não tenho a pretensão de fazê-lo compreender e “enxergar” o homossexualismo de uma maneira que não seja esta apresentada no seu post, até porque, você se baseia nas suas crenças. Logo, o objetivo de minhas observações é meramente de mostrar-lhe que as opniões adversas as suas existem, e tal qual a sua crença se fundamenta em “fé” (o que não significa necessariamente crer em algo divino) e argumentos embasados em tal. Não creio eu na necessidade de provar para um Teológo e Filosofo, que pra dar veracidade ao que falo seja necessário fundamentação científica, at porque iria de encontro ao que acredito... mas tudo bem meu caro professor, continuaremos a trocar boas ideías aqui no seu blog...
    Sendo assim professor, afirmo mais uma vez... “sexualidade não se escolhe”, como tudo na vida. Não existem opções de escolha, o que existem, são informações que nos levam a determinadas ações, denominadas de “supostas escolhas”. Desta forma, assim como não escolhemos ser heterossexuais, também não escolhemos ser homossexuais!
    Como deve ter ouvido várias vezes, ao nascermos somos seres considerados “assexuados” por uns ou “bissexuais” por outros, dependendo da corrente de pensamento. Em ambos os casos, a sexualidade é uma contrução, daí o conceito de “orientação sexual”. Em contrapartida, esta “orientação” não nega a subjetividade dos seres humanos, fazendo com que cada ser permaneça com suas particularidades.
    Neste caso, algumas coisas fazem sentido! Como por exemplo, o fato de existir um número de heterossexuais incomparavelmente maior do que o de homossexuais, já que vivemos numa sociedade preconceituosa. Contudo, também faz sentido o aumento de casos de relações homoafetivas, se levado em consideração o aumento no nível de informação das pessoas, já que até bem pouco tempo atrás, ser “gay ou lésbica” era defeito genético, doença ou disturbio psicológico. Portanto com o aumento de informação, surgem novos casos, e dentre eles, ícones, simbolos da “resistência”, tal qual para os cristãos está Cristo, assim como Che está para a revolução cubana, Zumbi está para a libertação dos escravos.... nós seres humanos precisamos de “lideres”, exemplos ou referênciais, como queira chamar professor.
    Não é uma questão de existirem mais homossexuais hoje do que ontem, mas sim, de verem possibilidades mais claras de viverem suas vidas sem peconceito e perseguição, sem sofrerem o tanto que oltros sofreram para terem sua dignidade reconhecida, não tem mais tanto medo. Esta não é uma questão de salvação caro professor, e sim uma questão de dignidade, de respeito aquilo que nada mais é do que natural (natureza humana). E outra coisa meu caro, o senhor como filsofo, tem que se eximir as vezes para dar seus pareceres, mesmo sendo em um veículo de comunicação tão democrático quanto são as mídias sociais, e mesmo ciente de que seu blog tem correntes religiosas, não entendo como o Fábio, nega que os papéis “sociais”, e repito SOCIAIS, são construção humana?!! Inclusive os papéis sociais na relação sexual!!??
    Portanto porfessor, nem todo homem por ser “macho”, tem que ser feroz, bravo, até porque os traços fisiotipicos da masculinidade também são construção histórica e carregados de ideologias, que diga-se de passagem são “machistas”. O que mais me deixa confuso, é a “igreja” negar determinadas coisas, mas aceitar outras que até pouco tempo atrás, eram consideradas “femininas”, como por exemplo, brincos em homens, homens que são excessivamente vaidosos... entre tantos outros casos de “mudanças de paradigmas nos conceitos da igreja”.. até mesmo o papel da mulher na sociedade..
    Fico por aqui professor, mas com a certeza de que continuaremos nos “intrigando” através dos posts que virão... Abraços, e espero retorno!!!

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog