segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

PENTECOSTAL X CALVINISTA. QUEM TEM MAIS FÉ PARA PASSAR NO VESTIBULAR?

Esses dias, vendo várias notícias acerca dos vestibulares por todo Brasil, fiquei lembrando de um testemunho que ouvi, há muitos anos atrás. Ao lembrar, comecei a fazer uma retrospectiva da minha vida como estudante, e agora como professor, e não pude deixar de fazer uma série de associações. Muita coisa que vi, só agora consegui entender, depois de algumas leituras sobre o que irei expor brevemente a seguir.

Por enquanto, voltemos ao vestibular. A tensão pré-vestibular pode ser visivelmente percebida; está estampada nos rostos dos vestibulandos. Mas, o jovem “crente” tem uma importante aliada - que os outros não têm – na conquista da tão sonhada vaga na universidade: a fé. Mas, obviamente, nem todos são iguais: “uns fé de mais”, outros, porém, “fé de menos”. Nesse sentido pergunto: Quem tem mais fé para passar no vestibular? O Pentecostal ou o Calvinista?

O testemunho era o seguinte e servirá de base para ilustrar a “Fé que o Pentecostal tem para passar no vestibular”:

1- Um irmão pentecostal fez sua inscrição no vestibular;
2- Um dia antes do exame, “muito joelho no chão”;
3- O irmão foi dormir tranquilamente, agarrado com o texto “em paz me deito e logo pego no sono”;
4- No dia seguinte – dia do exame vestibular – o irmão acordou tarde; perdeu a hora e pelo avançar do relógio não daria tempo chegar no local da prova;
5- Tristeza total? Decepção? Raiva de si mesmo? Talvez, mas não para esse irmão pentecostal. Afinal ele já havia recebido a confirmação, de um “vaso”, que ele passaria no vestibular;
6- Ele, prontamente, ajoelhando-se, com uma fé descomunal, orou assim: “Senhor, eu já recebi a promessa e repreendo o inimigo que não quer me ver na universidade. O Senhor é o “Deus dos impossíveis”, “se o Senhor é por nós quem será contra nós”? Eu creio na tua promessa”;
7- Finalizada a oração, o irmão deitou-se novamente, mais uma vez agarrando-se ao “em paz me deito e logo pego no sono” (muito embora o sol já brilhasse forte), com uma espécie de “esperança concretizada”, afinal, fé não é “a certeza daquilo que não estamos vendo ainda”?
8- No outro dia, ao lhe perguntarem como foi o vestibular, ele sempre respondia: eu creio que irei passar; tenho a mais absoluta certeza; “Deus não é homem pra falhar”.
9- Finalmente, o resultado: Meus irmãos - dizia o narrador do testemunho -, concluindo aos gritos: “Deus é fiel, Deus é fiel, Deus é fiel” (neste momento “reteté” na igreja, um “ribuliço” só). “Primeiro lugar, quando Deus faz é assim irmãos”; dizia ele euforicamente e pulando sentenciava: “primeiro lugar, passei em primeiro lugar, glórias a Deus, aleluia” (neste momento toda a igreja passa a glorificar a Deus).
10- Não iremos continuar relatando seu comportamento na universidade por motivos óbvios.

Depois que ouvi isso comecei a lembrar de alguns colegas de classe, também pentecostais. Uma delas, “filava” que era uma beleza. Passou o ensino médio todinho filando. Dominava as mais avançadas técnicas de “cola”. No solado do sapato, na borracha, embaixo da longa saia (ela dava o jeito dela pra poder ver a fila) e outras tantas, de fazer inveja a James Bond. Seu palavreado também não era dos mais saudáveis. “Gazear” aula pra namorar era uma constante. Nas provas de recuperação e final era presença garantida. Um testemunho sofrível, eu diria. Mas uma jovem com muita fé, de muita oração. Tudo bem se ela mentiu nas informações pra pedir a isenção da taxa do vestibular, afinal, “a carne é fraca”, “ninguém é perfeito”, “perfeito só Deus”.

Agora vamos falar da “fé que o Calvinista tem para passar no vestibular” (se é que se pode chamar de fé):

1- No ensino médio, apesar de trabalhar o dia inteiro, sempre se esforçou para tirar boas notas;
2- Até dava fila (que também está errado, mas isso denota que a turma o reconhecia como um bom aluno), mas não se permitia filar. Preferia uma nota baixa a “enganar o professor”;
3- Terminou o ensino médio sem ir para a recuperação em nenhuma matéria, afinal estudava muito. Seguia à risca o conselho do velho professor de matemática: “quem estuda mais, brinca mais”; mas não só isso. Tinha clareza de sua responsabilidade e sempre buscava fazer o melhor que podia.
4- Fez sua inscrição no vestibular;
5- Pagou a taxa, mesmo com muita dificuldade financeira. Mentir para ganhar isenção da taxa sequer se nominava em sua mente;
6- Passou um tempo estudando ainda mais, focado no vestibular;
7- No dia do exame acordou muito cedo, pegou o ônibus em direção ao local das provas (cerca de 45 minutos em trânsito livre);
8- Fez as provas e ficou aguardando o resultado;
9- Não passou em “primeiro lugar”, mas passou.
10- Ao receber os cumprimentos, simplesmente dizia: “foi pela misericórdia de Deus mesmo”. Apesar de todo seu esforço sempre creditava as glórias na conta de Deus;
11- Na universidade, se esforçava, dentro de suas limitações, a continuar no mesmo ritmo de sempre.

Isso parece brincadeira? Pode até parecer, mas um sociólogo “ateu” chamado Max Weber explica o comportamento desses dois grupos: Calvinistas e “Pentecostais”. Na verdade, originalmente, Weber faz um paralelo entre Calvinistas e Católicos. Mas, como, na minha opinião, o “Pentecostalismo é mais grave passo de RETORNO AO ROMANISMO, penso que os argumentos de Weber se aplicam tanto a um como a outro. Se quiser saber mais sobre essa nosso “opinião” acesse o link abaixo e fique á vontade para comentar:

http://filosofiacalvinista.blogspot.com/2009/10/o-lado-negativo-da-reforma-protestante.html.

Ainda para obter mais informações sobre essa nossa opinião, assista aos vídeos de nossa participação no Programa Consensus, da TV 14, no link abaixo:

http://filosofiacalvinista.blogspot.com/2009/07/programa-consensus-canal-14.html

Para finalizar, algumas frases de Max Weber, sociólogo ateu (obtidas após comprovação, via metodologia comparativa/dedutiva), que explicam as diferenças já ressaltadas acima:


Dessa forma, coube aos puritanos, que se consideravam eleitos, viver a santificação da vida cotidiana. Pois o caráter sectário – a consciência de ser minoria e a motivação de ser eleito de Deus – fazia de cada membro dessas comunidades não mero adepto do rebanho mas, mas um vocacionado que se dedicava simultaneamente ao aprimoramento ético, intelectual e profissional (WEBER, 1999, p.21).

O Deus de Calvino exigia de seus crentes não boas ações isoladas, mas uma vida de boas ações combinadas em um sistema unificado (WEBER, 1999, p.91).

Mas no curso de seu desenvolvimento, o calvinismo acrescentou algo de positivo a isso tudo, ou seja, a idéia de comprovar a fé do indivíduo pelas atitudes seculares”. - Como sugere inclusive as escrituras a fazer todas as coisas como que para o Senhor (Rm 14:8, Fp 2:3-15) - (WEBER, 1999, p.94).

Consideramos apenas o calvinismo e adotamos a doutrina da predestinação como arcabouço dogmático da moralidade puritana, no sentido de racionalização metódica da conduta ética (WEBER, 1999, p.96).

O efeito da Reforma foi o de aumentar em si mesmo, se comparado à atitude católica, e aumentar de forma poderosamente a ênfase moral e a sanção religiosa em relação ao trabalho secular organizado no âmbito da vocação (WEBER, 1999, p.70).


Tirem suas próprias conclusões e fiquem à vontade para comentar, discordar, acrescentar ou diminuir. Não estou generalizando os fatos ok?

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

KARL MARX, OS FILÓSOFOS DE FRANKFURT E A MENTIRA SOBRE O HEXA DO FLAMENGO

Em linhas gerais, ideologia é um fenômeno complexo que privilegia a aparência das coisas. Ela encobre ou dificulta o conhecimento da realidade, não nos deixando vê-la como é. Marilena Chauí, afirma que “A função principal da ideologia é ocultar e dissimular". Karl Marx, costumava dizer que a Ideologia é um “instrumento de dominação que age através do convencimento, alienando a consciência humana e mascarando a realidade”. Cordi, também abordando esse assunto, afirma que “Semelhantemente a uma máscara, a ideologia encobre o conhecimento, retardando-o, não nos deixando ver a realidade como é de fato".

Outros dois conceitos também serão utilizados para ilustrar o que abordaremos em seguida: Cultura de Massa e Indústria Cultural. Ambos cunhados pelos filósofos da escola de Frankfurt. Chama-se Cultura de Massa toda "cultura" produzida para as massas, veiculada pelos grandes meios de comunicação com o objetivo de criar uma "homogeneidade social", isto é, fazer com que todos pensem exatamente da mesma forma, com objetivos, obviamente, espúrios. O conceito de Indústria Cultural, por sua vez, foi criado para definir a conversão da cultura (informação) em mercadoria, em detrimento da verdade. Significa que o importante é o dinheiro, não a verdade; o importante é a quantidade não a qualidade; o importante é veicular o que dá "ibope" (o que vende), não importando a veracidade da informação.

Recentemente tivemos um caso clássico desses três conceitos abordados. Uma verdadeira auto-denúncia da não idoneidade e da não isenção da imprensa brasileira. Encabeçados pela Rede Globo de Televisão, praticamente à uma só voz, ouvimos daqueles que têm o papel de informar, de apresentar a verdade, de esclarecer: "FLAMENGO HEXA CAMPEÃO BRASILEIRO". Um verdadeiro e assustador desrespeito às instituições democráticas. Que o presidente do Flamengo, no auge da comemoração (ou da dissimulação), grite: "hexa", é aceitável; igualmente da numerosa torcida do Mengão. Mas, da imprensa de um país livre e democrático? Isso é inaceitável. Desrespeitaram a CBF (órgão que regula o futebol Brasileiro), A FIFA e o Sport. Assumiram, de forma escandalosa, um lamentável "bairrismo sulista". Muita gente acreditou nessa manchete que foi "travestida de status de verdade absoluta", pela Rede Globo. Mas isso, absolutamente não corresponde à verdade. O Flamento não é Hexa, é Penta.

Vamos aos fatos, ao que realmente é verdade:

1- A CBF afirma que o Campeão Brasileiro de 1987 é o Sport e não o Flamengo. Veja abaixo o que diz a página oficial da Confederação Brasileira de Futebol ou acesse:
http://www.cbf.com.br/seriea/


2- A FIFA também afirma, categoricamente, que o Flamengo, com a conquista do Brasileiro de 2009 é Penta e não Hexa. Está no site da entidade, para quem quiser ver, é só acessar. Veja abaixo o que diz a página oficial da FIFA ou acesse:
http://www.fifa.com/classicfootball/clubs/club=44132/index.html

3- Onde está a taça tão disputada do Campeonato Brasileiro de 1987? Está com o Flamengo ou com o Sport? Para quem não sabe, está na sede do Sport Club do Recife. Eu mesmo fui investigar e está lá mesmo. Aproveitei e fotografei. Está registrado:

4- Quem representou o Brasil (como campeão Brasileiro) na copa Libertadores da América de 1988? Flamego ou Sport? Sport, claro.
Não se deixem iludir por essa "imprensa viciada". O Sport é o Campeão Brasileiro de fato e de direito, de 1987.
Provavelmente o Flamendo de 87, comandado pelo grande Zico, sairia vitorioso. Era, de fato, um time extraordinário; praticamente imbatível (também sou Flamengo, por causa de Zico). O fato é que o Mengão faltou à grande final (por opção). O regulamento do campeonato previa, desde o início, o cruzamento do campeão e vice do módulo verde (Flamengo e Inter) com o campeão e vice do módulo amarelo (Sport e Guarani). O Mengão simplesmente se recusou a cumprir o regulamento elaborado pela CBF com o aval de todos os clubes, inclusive do próprio Flamengo. Não se muda a regra do jogo no meio do campeonato, menos ainda no final. Se o Mengão não concordava com o regulamento não deveria ter, nem mesmo, iniciado o campeonato. Resultado justo: O Sport entrou em campo, o juiz iniciou a partida, o Sport fez o gol e venceu a partida por W.O (quando o adversário falta ao jogo), recurso igualmente previsto nas regras da competição, conquistando o direito de disputar o título de campeão Brasileiro de 87 com o Guarani (que também venceu o Inter por W.O). Deu Sport na final, como todos já sabem.
Vejam a Rede Globo de Televisão pedindo desculpas pelo erro de não ter relacionado o SPORT entre os Campeões Brasileiros:
A Rede Globo anunciando que, para a CBF (que é o que realmente importa), o campeão Brasileiro de 1987 é o SPORT e não o Flamengo:
Mais uma vez a Rede Globo noticia que, para a CBF, o SPORT é o campeão Brasileiro de 1987.

Para dirimir quaiquer dúvidas, vejo o vídeo abaixo, que demonstra de forma pormenorizada como e porque o SPORT é o campeão Brasileiro de 1987:






quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

CONCURSO "O QUE É O TEMPO"?

PARTICIPE DO CONCURSO DA "MELHOR RESPOSTA" PARA GANHAR O LIVRO "O PROBLEMA DO TEMPO". VOCÊ DEVERÁ RESPONDER ATÉ DIA 27/12/09, QUANDO SERÁ ELEITA A MELHOR RESPOSTA, POR UM JÚRI COMPOSTO POR MIM MESMO RS...

PARA CONCORRER VOCÊ DEVERÁ RESPONDER A SEGUINTE PERGUNTA:

O QUE É O TEMPO?





Divulgue meu Blog no seu Blog