quinta-feira, 14 de setembro de 2017

QUEERMUSEU: O QUE HÁ POR TRÁS DA POLÊMICA EXPOSIÇÃO NO ESPAÇO CULTURAL SANTANDER? 1/3


Há um fato envolvido na polêmica exposição QUEERmuseu, ocorrida no Espaço Cultural do Banco Santander, em setembro/2017, na cidade de Porto Alegre-RS, que passou desapercebido pela maioria das pessoas. Na verdade, a maioria delas não têm conhecimento desse importante detalhe. Focaram, por razões óbvias, "nas obras" que retratavam desvios e bestialidades como zoofilia, pedofilia, além do tipificado crime de vilipêndio. 

Alguém já se perguntou por que o nome da exposição é QUEER? 

Certamente não tem nada a ver com o verbo "querer", como, talvez, se quis sugerir ou se possa imaginar, de forma subliminar. QUEER é o nome de uma teoria: "Teoria Queer". É uma teoria sobre a categoria Gênero, tão na moda atualmente. 

Basicamente essa teoria propõe que a orientação ou identidade sexual não está diretamente ligada à questões genéticas, biológicas. Antes, pelo contrário, os "papeis sexuais" são fruto de um "Construto Social", não existindo, segundo essa teoria, portanto, "papéis sexuais" biologicamente definidos, nem um traço na essência da natureza humana que possa definir antecipadamente esses papais. Ou seja, a Construção Social é que definirá esses papéis: se homem, se mulher ou se algo "ALÉM" disso, que é precisamente o que significa o termo "TRANS": trans-homem-mulher e todas as variações TRANS possíveis.

No vídeo abaixo, um parlamentar alemão saúda pelo menos 60 variações TRANS, reconhecidas na Alemanha:



O termo "Construto Social" pressupõe o conjunto de percepções e visões de mundo produzidos por uma dada sociedade. Mas, também, pressupõe a existência de "construtores". Isso explica a militância em torno da chamada "cultura TRANS". A Teoria Queer intenta possibilitar, em relação ao gênero, que as pessoas possam assumir "papéis sexuais" a partir do que a própria sociedade (entenda-se, na prática, "construtores sociais") pré-definir como novos e possíveis "papéis sexuais".

De pronto se identifica, no cerne da Teoria Queer, um traço que é característico dos ideólogos sociais: seus pressupostos não partem do olhar intencional do cientista para compreender uma dada realidade. Antes, pelo contrário, a intenção é "Construir a própria realidade". Nesse sentido, não se encontra na Teoria Queer o que poderia ser chamado de "papel da boa ciência".

Não há limites de "papeis sexuais" para a Teoria Queer. Não há também "papéis sexuais" pré-definidos. A regra é exatamente retirar todos os limites "impostos pelo argumento biológico-genético". Isso significa dizer que qualquer "papel sexual" é válido e que todos devem ser aceitos como perfeitamente possíveis e normais. Ou seja, um homem pode ter relações ativas ou passivas com uma mulher, com outro homem, com uma criança e até com animais. Nada disso será tratado como anti-natural e muito menos como bestialidade. Por conta disso, obras que contemplam no mesmo cenário, homossexualismo e zoofilia, além de pedofilia, têm espaço franqueado, sem o menor constrangimento, na polêmica exposição do Espaço Cultural Santander:


A ideia de não ter limites quando o assunto é "papel sexual", o que, como já está claro e repetimos, inclui práticas como "zoofilia, necrofilia e pedofilia", é defendida por um dos mais famosos Miilitantes Queer do Brasil, o Deputado Federal Jean Willis, que no vídeo abaixo insinua que classificar tais práticas com conotação negativa é nada mais nada menos que fruto de "preconceitos arraigados da extrema direita": 


Por fim, esperamos ter deixado claro que o nome da exposição foi pensado e escolhido cuidadosamente, com o objetivo de difundir os pressupostos da teoria Queer.

Nas próximas postagens trataremos sobre os principais objetivos ocultos da Teoria Queer e entenderemos os motivos da mistura sexualidade x religiosidade (2/3), além de analisarmos as atitudes tomadas  por diversos seguimentos da sociedade (3/3).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgue meu Blog no seu Blog