domingo, 4 de setembro de 2016

A NEGLIGÊNCIA NA GUARDA DO DIA DO SENHOR - 2/3

Deus estabeleceu UM DIA DE DESCANSO, por força de Sua Lei Moral,  para o homem (e não só para seu povo, visto que a Lei Moral de Deus é extensiva a toda a humanidade, conforme as Perguntas 94,95 e 96 do Catecismo Maior de Westminster), basicamente para lembrar DOIS dos Seus GRANDES FEITOS, em favor da humanidade e do seu povo, especificamente.

1º) O PRIMEIRO GRANDE FEITO pelo qual o quarto mandamento requer que paremos com todas as nossas atividades, por um dia inteiro, para que lembremos dele é A CRIAÇÃO.

Esse motivo ou esse GRANDE FEITO do Senhor é enumerado como uma das causas para o estabelecimento do DIA DE DESCANSO, conforme está registrado em Êxodo 20:8-11. Observemos o versículo 11:

"Porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou" (Êxodo 20:11).

A expressão "porque" é introduzida no texto exatamente para estabelecer o elo entre a decisão (de estabelecer um DIA DE DESCANSO) e o motivo que levou a determinar esse DIA DE DESCANSO (A CRIAÇÃO). Em síntese, não seria exagero afirmar, baseado no texto de Êxodo 20,  que no DIA DE DESCANSO devemos agradecer a Deus e louvar a Seu grande nome por conta das obras criadoras de suas mãos e afirmar, a cada DIA DE DESCANSO: "Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos" (Salmo 19:1).

Muitos estudiosos têm dito que a "motivação para guardar o sábado é imitar a Deus" (BÍBLIA DE GENEBRA, p.117), visto que Ele mesmo descansou depois de sua obra de criação. Da mesma forma o Breve Catecismo de Westminster, em sua pergunta 62, parece concordar com esse pensamento. É evidente que a "imitação" da atitude de Deus de "descansar" não deve ser descartada dessa análise, contudo, talvez ela não seja a ação motivadora ou geradora principal do estabelecimento desse princípio e, sim, a vontade de Deus que nos lembremos que Ele é o CRIADOR de todas as coisas.

Packer, em sua excelente obra "Entre os gigantes de Deus", ressalta também o link existente entre a CRIAÇÃO e a GUARDA DO DIA DO SENHOR, quando afirma acerca do pensamento dos puritanos:

"Havia o princípio de um dia de descanso, para efeito de adoração a Deus, pública e particular, após cada seis dias de trabalho, como uma LEI DA CRIAÇÃO (grifo nosso), estabelecida em benefício do homem e, portanto, obrigatória enquanto ele viver neste mundo [...]. De fato, eles viam esse mandamento como parte integral da primeira tábua da lei [...]. Observam que o trecho de Gêneses 2.1 e seguintes representa o sétimo dia de descanso [...], e que a sanção atrelada ao quarto mandamento, em Êxodo 20.8 ss., olha de volta para aquele fato, retratando o dia como um memorial semanal da criação, "para ser observado para a glória do Criador, como o dever que temos de servo-Lo e como encorajamento para confiarmos nAquele que criou os céus e a terra. Por meio da santificação do sábado, os judeus declaravam que eles adoravam ao Deus que criou a terra" (PARKER, 1996, p.258).

De tal forma isso é verdade que quando um cristão vai à igreja, especialmente no Dia do Senhor, ele está pregando acerca do CRIACIONISMO ao mesmo passo em que está negando outras teorias da origem do universo e do homem, como a do Big Bang e o Evolucionismo, por exemplo. Quando, porém, o cristão trata o Dia do Senhor com desdém e quando não se esforça para guardá-lo, para seu próprio bem, está, de alguma forma, negando o Criacionismo e defendendo essas outras teorias.  

2º) O SEGUNDO GRANDE FEITO pelo qual o quarto mandamento requer que paremos com todas as nossas atividades, por um dia inteiro, para que lembremos dele é A LIBERTAÇÃO DA ESCRAVIDÃO.

O povo de Israel passou 400 anos como ESCRAVO, no Egito, submetido a trabalho forçado e duríssimo. Quando reclamava, o trabalho era multiplicado, como está registrado:

Então, foram os capatazes dos filhos de Israel e clamaram a Faraó, dizendo: palha não se dá a teus servos, e nos dizem: Fazei tijolos. Eis que teus servos são açoitados [...]. Mas ele respondeu: Estais ociosos, estais ociosos; por isso, dizeis: Vamos, sacrifiquemos ao SENHOR. Ide, pois, agora, e trabalhai; palha, porém, não se vos dará; contudo, dareis a mesma quantidade de tijolos (Êxodo 5:15-18).

Os egípcios, com tirania, faziam servir os filhos de Israel  e lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro, e em tijolos, e com todo o trabalho no campo; com todo o serviço em que na tirania os serviam (Êxodo 1:13-14).

Agora respondam: qual é melhor? TRABALHO FORÇADO ou DESCANSO?

"O dia de descanso é uma sagrada e divina instituição; mas devemos recebê-lo e adotá-lo como um privilégio e um benefício, não como uma tarefa ou uma carga enfadonha [...], Deus planejou-o para que fosse uma vantagem para nós, por isso devemos recebê-lo aprimorá-lo [...] Ele teve consideração pelos nossos corpos, nessa instituição, para que possamos descansar" (PACKER, 1996, p.259).

Esse contraste entre o TRABALHO FORÇADO, escravo, que os Israelitas enfrentaram durante esses 400 anos de cativeiro no Egito é precisamente o que vai fundamentar o estabelecimento do princípio do Dia de Descanso, do dia de SábadoSHABBATH, conforme apontado no texto de Deuteronômio: 

Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o estrangeiro das tuas portas para dentro, para que o teu servo e a tua serva descansem como tu; porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito e que o SENHOR, teu Deus, te tirou dali com mão poderosa e braço estendido; pelo que o SENHOR, teu Deus, te ordenou que guardasses o dia de sábado (Deuteronômio 5:14-15).

Em síntese, no dia em que Deus derramou o seu amor pelo povo - livrando-o por mão poderosa, da escravidão - o povo deve, também, manifestar seu amor, alegria e gratidão a Deus por tão grande livramento.

É fora de qualquer dúvida que o estabelecimento do Dia de Descanso é um grande privilégio em benefício do homem; portanto, ele deve observá-lo com um coração agradecido. Essa era a expectativa dos Puritanos, como bem registra Parker:

"Guardar o domingo (Dia de descanso. Na terceira parte dessa postagem abordaremos a mudança do dia de Descanso do 7º dia para o 1º dia da semana. Grifo nosso) não é uma carga entediante, mas um jubiloso privilégio. O domingo não é um jejum, mas uma festa, um dia de regozijo nas obras do Deus gracioso, e a alegria deve ser nossa atitude durante todo esse dia (cf. Isaías 58.13). A alegria nunca é tão própria a alguém como a um santo, tornando-se o domingo tanto um feriado quanto um descanso" (PARKER, 1996, p.260).

"É dever e glória de todo crente regozijar-se a cada dia, especialmente no dia do Senhor [...]. Jejuar no dia do Senhor, dizia Inácio, é matar a Cristo; mas regozijar-se no Senhor nesse dia, e regozijar-se em todos os deveres do dia...isso é coroar a Cristo, isso é exaltar a Cristo" (PARKER, 1996, p.260).

E ainda:

"Devemos perceber a importância do dia do Senhor, aprendendo a dar-lhe o devido valor. Esse é um grande dia para a igreja e para o crente: um dia de feira para a alma, um dia de entrar nos próprios subúrbios dos céu, com orações e louvores coletivos (PARKER, 1996, p.261). 

10 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Existe algum verso em que Deus nos peça para que guardemos o dia de domingo?

    ResponderExcluir
  3. Ramon:

    Estaremos tratando sobre isso na próxima postagem. Possivelmente publicaremos até o dia 11/09/16.

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Valeu Lucas. Estarei postando o conclusão dessa postagem em breve, estou devendo.

      Excluir
  5. Valeu Lucas. Estarei postando o conclusão dessa postagem em breve, estou devendo.

    ResponderExcluir
  6. O dia do Senhor, ou dia de descanso,é uma dádiva de Deus eu tenho me esforçado muito pra ensinar a minha família. Más quando vejo comércio na igreja, reunião do conselho fico sem resposta,ha vc vai me dizer isso é misericórdia,blz e quando é descanso,eu preciso saber como guardar o dia só entendo que nesse dia Devemos guardar, e tudo que fazemos nós outros dia deve ser diferente.

    ResponderExcluir
  7. Rivaldo:

    Se entendi bem, devo dizer o seguinte:

    a) Reunião do conselho está dentro da guarda do dia do senhor, pois esses momentos estão sendo dedicados à sua causa;

    b) Comércio na igreja não está correto nem no dia do Senhor nem em qualquer outro dia. Entenda-se comércio qualquer atividade com a finalidade de angariar "lucro" para a igreja, especialmente para o caixa central da igreja.

    c) No caso do almoço na igreja (cobrado) não constitui comércio, primeiro pq houve um custo para fazê-lo, que é repassado para quem o adquiriu, pq isso não constitui serviço social da igreja a cargo da diaconia; segundo pq o valor cobrado não visa lucro (apenas serve para cobrir os custos), terceiro pq o valor arrecadado servirá para proporcionar que os irmãos possam ir ao acampamento, tendo em vista que o valor do acampamento não foi majorado (aumentado) na proporção dos custos que teremos. Portanto, o valor arrecadado com o almoço servirá para cobrir parte do defict existente, pq entendemos que não deveríamos ter aumentado mais o valor do acampamento. Sendo assim, deve-se entender que todo o valor arrecadado, inclusive como fruto de doação de muitos irmãos visa tão somente beneficiar os membros da igreja e não a igreja, em si, o que poderia constituir um erro, tendo em vista que igreja só deve viver de dízimos e ofertas;

    d) finalmente, tb acho que não é "ideal" fazer esse tipo de coisa. Isso deve realmente ser evitado, mesmo com as considerações anteriores; mesmo tendo sido orientado para que todo o trabalho de confecção do almoço fosse feito no dia anterior e não no dia do Senhor, mas, infelizmente, pelas razões já expostas, foi necessário.

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog