quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

REVENDO VALORES: A SALVAÇÃO NUNCA FOI, NÃO É E JAMAIS PODERÁ SER SOMENTE PELA GRAÇA E PELA FÉ - Parte 1/2


O cristianismo chamado primitivo perdurou até aproximadamente o século IV d.C, se quisermos esticar ao máximo essa fase. A igreja outrora perseguida, desde Atos 8, agora passa rapidamente primeiro para uma condição de não mais perseguida e, depois, para a condição que nortearia sua trajetória até o século XVI: Religião oficial do Estado, com nuances, inclusive, de perseguidora da fé contrária, desde o século V, com a chamada Pretensão Petrina.

Durante esses onze séculos a igreja cristã ocidental, com base em seu magistério, desenvolveu muitos ensinamentos. Citaremos apenas aquele que é relevante para o assunto que estamos abordando aqui:

Salvação pelas Obras e sua variante semi-Pelagiana: Para a Igreja Católica Romana a única possibilidade de Salvação reside na permanência do homem em seu seio, participando dos sacramentos, jejuns, esmolas,  outros trabalhos piedosos e até alguns sacrifícios estabelecidos pela igreja. Ou seja, para a Igreja Católica Romana, as obras de justiça são consideradas meritórias para a salvação.

Os chamados Reformadores, especialmente no séculos XVI, não concordavam com esse e outros ensinamentos, trazendo à luz cinco lemas, que passaram a ficar conhecidos como "Os 05 solas da Reforma Protestante". Dois deles visavam combater diretamente o ensinamento de "Salvação pelas Obras", da Igreja Católica:

1) Sola Fide (Salvação somente pela Fé);
2) Sola Gratia (Salvação somente pela Graça).

A questão que se levanta aqui é: qual desses dois sistemas interpretativos estão corretos, uma vez que são auto-excludentes?

Muitos "Simpatizantes da Reforma" têm depositado toda sua confiança de salvação nesses dois Solas. Trata-se de uma confiança quase inabalável. A ideia que norteia suas mentes e corações sinceros é que "não precisam fazer absolutamente nada para que sejam salvos". Rejeitam toda e qualquer associação da salvação com as obras. Seu texto predileto é Efésios 2:8-9, que afirma "Porque pela GRAÇA sois salvos e isso não vem de vós, é dom de Deus. Não de OBRAS para que ninguém se glorie". Implicitamente interpretam a palavra GRAÇA como AUSÊNCIA TOTAL DE OBRAS. Geralmente possuem algumas características em comum, todas elas embasadas pelo que entendem dos lemas "Sola Gratia" e "Sola Fide":

a) São ousados na defesa de sua fé;
b) Têm relativo conhecimento das doutrinas basilares da Reforma Protestante;
c) Gostam de ser reconhecidos como um "combatente da Reforma";
d) Via de regra são intolerantes e intransigentes em assuntos relacionados à fé;
e) São sectários;
f) Não digerem muito bem a ideia de serem liderados e pastoreados, sob o pretexto de terem apenas Deus como senhor de suas consciências;
g) Curiosamente quase sempre são orgulhosos e prepotentes;
h) Gostam de serem vistos próximos de teólogos renomados, regando com cuidado essa amizade;
i) Não dão muita importância para as atividades da Igreja local, onde congregam. Afinal, "não precisam praticar obra alguma";
j) Não raramente amam o mundo e dele se aproveitam, sob o pretexto da liberdade de consciência, da qual não abrem mão, especialmente naquelas questões que não consideram pecaminosas;
l) De tanto quererem fugir de qualquer aparência com os pentecostais acabam por se aproximar da aparência do mundo, no que diz respeito a seus gostos, vontades e direitos;

Mal sabem eles que perecerão eternamente e levarão a reboque seu Calvinismo e todos os "Solas da Reforma Protestante". Estão absolutamente enganados com a suposta segurança trazida pelo seu entendimento da "Sola Gratia" e por não praticarem "BOAS OBRAS", tal qual prescrevem as Escrituras, serão eternamente condenados ao inferno, de onde reclamarão: "em teu nome profetizamos" (Mateus 7:22).

Seu ensino de "Salvação exclusivamente pela Fé e pela Graça", contrabalanceado com o falso ensino da "não necessidade das obras para a salvação", certamente estarão compondo os autos de sua própria condenação. Na capa do seu processo condenatório estará escrito: "Este réu rejeitou as boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas" (Efésios 2:10).

11 comentários:

  1. Eu tava lendo seu artigo, que achei estupendo. Eu ia divulgar entre minhas amigas. Mas aí vi que você recomenda “Observador Cristão”, que é um site de fofocas que se faz de calvinista. Eu sou uma calvinista responsável. Já vi, por boas fontes na internet, que o “Observador Cristão” é na verdade um site laranja do Genizah, que igualmente se faz de calvinista. Se nós calvinistas não limparmos o lixo do nosso meio, os respingos da sujeira podem nos alcançar.

    ResponderExcluir
  2. Prezada Cecilia:

    Obrigado pelo comentário. Aguarde a continuação dessa postagem. Na verdade, não acompanho de perto o "Observador Cristão". Já acompanhei Genizah pq achava engraçado algumas postagens, mas tb já faz muito tempo que não acesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filósofo Calvinista, a Palavra de Deus é explicita em afirmar que:”Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. E, não de obras...(Efésios 2: 8 e 9). Mas quantos as obras, elas são frutos da salvação, como diz o verso 10, veja: “...criados em Cristo Jesus para as boas obras”, através do novo nascimento(João 3:3-2 Co 5.17-; Ef 4.21-24; Cl 3.7-10 ). Portanto, o homem não pode através de obra alguma salvar-se . a Salvação é um ato exclusivo de Deus através de Jesus.. E, por falar nisso, em Atos 9:31 está escrito que “as igrejas em toda a Judéia, e Galiléia e Samaria tinham paz, e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e consolação do Espírito Santo”. Portanto, no seu entendimento , essa igrejas que tinham paz e eram edificadas andando no temor do Senhor guardavam o sábado ?
      Osmar ferreira-nadanospodemoscontraverdade@bol.com.br

      Excluir
  3. Graça e paz amado irmão!

    Acho que não estou entendendo. O senhor quer dizer que a salvação inicial é fé + obras?

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Gilson:

    Sei que o negócio tá meio esquisito, mas vou explicar na parte 2 dessa postagem. Por agora estou realmente afirmando que as obras são absolutamente essenciais para a salvação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Boa noite amado irmão!

      Penso que a doutrina bíblica da justificação pela fé está atrelada a questão da Lei. Não havendo o homem condições de cumprir cabalmente a Lei, Cristo satisfez a justiça de Deus por nós ao ser obediente até a morte.

      Estou equivocado?

      Grande abraço.

      Excluir
    3. Gilson Barbosa, levando em consideração sua declaração de que "Não havendo o homem condições de cumprir cabalmente a Lei". Diga se esse fato da direito ao homem transgredir a Lei voluntariamente, usando como argumento que "Cristo satisfez a justiça de Deus por nós ao ser obediente até a morte."
      Osmar Ferreira-nadanospodemoscontraverdade@bol.com.br

      Excluir
  5. Esse artigo tem tudo a ver com o hiper-calvinismo!

    ResponderExcluir
  6. nadanospodemoscontraverdade:

    Tens razão, em certo sentido. Contudo, o objetivo desse post foi lembrar-nos que "a fé sem obras é morta e inoperante"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, "a fé sem obras é morta e inoperante". Até penso que não é fé, e sim presunção, soberba(Provérbios 16:18). Mas voce nada falou sobre “as igrejas em toda a Judéia, e Galiléia e Samaria tinham paz, e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e consolação do Espírito Santo”. Portanto, no seu entendimento , essa igrejas que tinham paz e eram edificadas andando no temor do Senhor guardavam o sábado ?
      Osmar ferreira-nadanospodemoscontraverdade@bol.com.b

      Excluir

Divulgue meu Blog no seu Blog