segunda-feira, 17 de maio de 2010

TESE OU TEORIA DA EVOLUÇÃO? O PLÁGIO DE DARWIN E O DESIGN INTELIGENTE

Você já ouviu falar na TESE da Evolução? Sem perceber você poderá até responder que sim. Mas, você já ouviu falar na TESE ou na TEORIA da evolução? Não precisa nem pensar muito: TEORIA da evolução, certamente responderá. Sabe a diferença entre uma e outra? Isto é, entre TESE e TEORIA?

TEORIA: do grego θεωρία , é o conhecimento especulativo, puramente racional. O substantivo theoría significa ação de contemplar, olhar, examinar, especular. Também pode ser entendido como forma de pensar e entender algum fenômino a partir da observação. Uma teoria jamais é uma expressão perfeita da realidade, mas um modelo pelo qual essa realidade pode ser descrita e compreendida (http://pt.wikipedia.org/wiki/Teoria).

TESE: Do grego thésis, (acto de pôr), pelo latim these, (proposição). Tese é literalmente uma proposição que se apresenta para ser defendida como conclusão de um teorema. Ou seja, é a conclusão que se obtem por dedução lógica a partir de outras conclusões já comprovadas ou admitidas como verdadeiras (http://pt.wikipedia.org/wiki/Teoria).

Ainda que haja algumas variações desses dois termos, em linhas gerais, como vimos, podemos afirmar o seguinte:

a) Uma Teoria é uma proposição ainda não confirmada, não provada. Em ciência, algo que ainda não foi devidamente comprovado empiricamente, isto é, não existe um "fato" que comprove categoricamente aquelas afirmações. Considerando que para as ciências empíricas o "fato" é mais importante que a "teoria", em última análise, por essa metodologia, não pode ser afirmada com "status de verdade".

b) Uma Tese, ao contrário, é algo que já foi convicentemente comprovado, inclusive empiricamente, quando for o caso; isto é, está mais do que claro que existe um "fato" que sirva de lastro ou abone tais teses. Uma tese, poderíamos dizer, é uma teoria que foi efetivamente comprovada.

c) Uma verdade tem sido ocultada: a Teoria da Evolução nunca foi comprovada. Nunca chegou ao status de Tese. Lamentavelmente, devido ao paradigma da modernidade, no qual ainda vivemos, essa teoria tem sido ensinada, até mesmo nas escolas, como se fora algo já devidamente comprovado, com o objetivo tão somente de negar outra teoria: o Criacionismo.

A Biologia, ciência de Darwin, é uma ciência factual, isto é, que necessita de um fato que comprove sua hipótese. É de admirar que a "Teoria" da Evolução nem mesmo consiga atender suas próprias necessidades metodológicas e ainda assim seja divulgada como uma verdade "inquestionável", o que é totalmente contrário ao próprio espírito cintífico.

Eva Maria Lakatos, analisando essa questão, em sua Obra "Metodologia da Pesquisa Científica", faz a seguinte afirmação:

"Somente depois de um enunciado (hipótese) passar pelas provas de verificação empírica é que poderá ser considerada adequada a seu objetivo, isto é, verdadeiro e, mesmo assim, a experiência não pode garantir que seja o único verdadeiro: somente nos dirá que é provavelmente adequado, sem excluir, por isso, a probabilidade de que um estudo posterior possa dar-lhe melhores aproximações na reconstrução conceitual da parte da realidade escolhida" (LAKATOS, 2008, pg.30).

Qual o problema de ser a interessante Teoria da Evolução ensinada? Absolutamente nenhum, desde que sejam ensinadas também as outras teorias existentes sobre a origem do Cosmos e do próprio homem, a exemplo da Teoria do Criacionismo e tantas outras.

A argumentação é a seguinte: Criacionismo depende de fé, portanto, não podemos reconhecê-lo nem ensiná-lo. Ora, se a Teoria da Evolução ainda não foi também devidamente comprovada, se ainda não acharam o famoso "elo perdido" entre o homem e seus antecessores, se ainda não virou uma Tese, se nenhum "fato" empírico pode, indubtavelmente, lastrear ou abonar tal teoria, logo, concluímos: A Teoria da Evolução, igualmente, só pode ser considerada como verídica pelo viés da fé. Assim sendo, está em "pé de igualdade" com o Criacionismo ou com qualquer outra "teoria" não comprovada.

Em última análise, enquanto a ciência não ajusta às teorias aos "fatos", não temos outra opção a não ser escolher uma das Teorias existêntes e "crer" nela. Isso mesmo, estamos afirmando que todas elas dependem do elemento fé. Negar isso é negar a própria essência e vocação da ciência.

Nos últimos anos, entretanto, muitos ciêntistas, alguns deles de reconhecida proeminência na comunidade científica, cansados de afirmar como "verdades" teorias ainda não comprovadas, resolveram rever e aprofundar a Teoria do Evolucioninsmo de Charles Darwin. Qual não foi a surpresa ao comprovarem a impossibilidade lógica dessa teoria um dia vir a tornar-se realidade, tese.

Desses novos estudos, surge uma nova resposta para a antiga questão, que ficou conhecida como Design Inteligente. Não se trata de Criacionismo. É verdadeiramente ciência, porque utiliza os mesmos métodos rigorosos para suas investigações, ainda que sofra várias investidas para desqualificá-la.

Uma das principais contribuições desses cientístas é a comprovação empírica da impossibilidade da existência da chamada "Seleção Natural", eixo principal da teoria da evolução.

O chamado Design Inteligente foi alvo de uma extensa investigação da BBC de Londres. Como resultado, foi produzido o documentário EXPELLED (expulso), que trata exatamente do relacionamento desses cientístas defensores do Design Inteligente com a comunidade científica. O documentário foi integralmente postado abaixo, em 10 partes. Vejamos! Tirem suas próprias conclusões.

Parte 1 de 10



Parte 2 de 10



Parte 3 de 10



Parte 4 de 10


Parte 5 de 10


Parte 6 de 10

Parte 7 de 10

Parte 8 de 10

Parte 9 de 10

Parte 10 de 10


Outra importante questão acerca do Evolucionismo também precisa ser revisitada. Será mesmo Darwin o pai do evolucionismo ou, antes, teria ele "plagiado" suas teorias dos filósofos pré-socráticos? A idéia de "Evolução" está sempre presente entre esses pensadores, evidentemete que Darwin faz uma releitura do assunto, aprofundando-o com os recursos mais evoluídos que dispunha. Mas, uma coisa é certa: ele não partiu do "zero". Os filósofos pré-socráticos sim! Se há algum louvor ou aplauso a ser dado por esta interessante teoria, não seria justo atribuí-los também, igualmente, aos pré-socráticos? Se Darwin foi o "cantor" que com sua interpretação fez a "música da evolução" ficar conhecida, os pré-socráticos foram os "compositores". Vamos dar uma volta ao passado, ao século VII a.C para conhecer partes dessa "composição", em seguida, retornemos à época de Darwin. Você julgará quem é mais merecedor dos aplausos:

Evolucionismo de Tales de Mileto:

No Naturalismo esboçou o que podemos citar como os primeiros passos do pensamento Teórico evolucionista: "O mundo evoluiu da água por processos naturais", aproximadamente 2460 anos antes de Charles Darwin. Sendo seguido por Empédoles de Agrigento na mesma linha de pensamento evolutivo: "Sobrevive aquele que está melhor capacitado". Para saber mais acesse:(http://pt.wikipedia.org/wiki/Tales_de_mileto).


O Evolucionismo de Anaximandro:

Já em seu tempo, Anaximandro ensinava a evolução das coisas e das espécies. Para ele, os animais nasceram do lodo marinho, e o homem teria se formado, no princípio, dentro de peixes, onde se desenvolveu e donde foi expulso logo que se tornou de tamanho suficiente para bastar-se a si próprio [...]. Sua idéia de que a ação do Sol faz surgirem as criaturas de estrutura simples na água, que depois migram para a terra e adquirem estrutura mais complexa se parece com a teoria da evolução das espécies: http://pt.wikipedia.org/wiki/Anaximandro_de_Mileto.

Diante do exposto, a que conclusão você chegou? Comente, dê sua opinião. É só clicar abaixo e postar seu comentário. Há algumas "evoluções", entretanto, que parecem ter sido realmente confirmadas:

11 comentários:

  1. Voltaire Theologos21 de maio de 2010 15:22

    Caro sr. Sem dúvida a Teoria da Evolução nunca foi provada por meio de experiências. Todavia, o que dizer a massa incalculável de evidências de que as espécies não são fixas? Como o sr.explicaria os fósseis? Como encaixar os dinossauros na cronologia bíblica? Será que Pierre Chardin não estava certo, quando na obra O Fenômeno Humano tentou conciliar Criacionismo e Teoria da Evolução?

    ResponderExcluir
  2. Caro Voltaire:

    Você levanta questões importantes:

    1- Seu reconhecimento de que não existe evidências empíricas da Teoria da Evolução é bastante louvável. Isso é honestidade intelectual;

    2- Quanto às espécies não serem "fixas", não vejo problema algum nisso. Existe e sempre existiu uma "intra-evolução", isto é, mutações "dentro da mesma espécie". Isso ocorre devido ao clima, às novas alimentações, às regiões etc. Isso não trás nenhum problema para o criacionismo;

    3- "Como encaixar os dinossauros na cronologia bíblica?". Bem, essa questão já está por demais respondida. MAs, vamos lá, falar tudo de novo: Em primeiro lugar (poderias fazer uma pesquisa sobre isso) o teste de Carbono 14 "não é preciso" (ele inclusive é uma conta aproximada de quanto ttempo o homem levaria para ter evoluído do primata), como todos (ou pelo menos muita gente) sabemos. Vou reproduzir a opinião de uma mestre em química:

    3.1-No primeiro ano do ensino médio, os alunos aprendem sobre os isótopos. E a primeira pergunta que eles fazem é sobre a datação dos fósseis utilizando o carbono 14. Muitos alunos acreditam realmente que o planeta passou por muitas transformações e possui milhões e milhões de anos. Estudando mais sobre o método de datação baseado no carbono 14, percebemos algumas falhas, o que evidencia uma metodologia não precisa e com muitas limitações. O carbono 14 se encontra em equilíbrio na atmosfera terrestre. Mas esse equilíbrio que hoje observamos não é o mesmo equilíbrio que havia na Revolução Industrial, por exemplo. Para se determinar de maneira correta a idade dos fósseis, seria necessário o tratamento prévio da amostra através de descontaminação de carbono 14 superficial. Com esse tratamento preliminar, a datação não passaria de alguns milhares de anos. A grande maioria dos cientistas que utiliza essa técnica de datação não toma o devido cuidado com as amostras, e uma vez que a descontaminação não é feita, elas apresentam milhões e milhões de anos. Uma pequena pesquisa na internet já evidencia essa triste realidade. (Essa matéria pode ser facilmente encontrada na Net).

    3.2- Porém, se essa explicação não é convincente em sua avaliação, sugiro que veja a interpretação e a explicação do Drº Husserl Shad, na bíblia vida nova, no 1º capítulo de gêneses. Ele resolve esse problema pra vc..rs.

    4- Quem é esse Pierre Chardin? Não o conheço. Conheço essa obra de outro autor: Teilhard de Chardin. Seria essa? Acreditando que sim, devo dizer-lhe que ele não era somente evolucionista, era criacionista também. Ele tenta conciliar as duas teorias. Em última análise, ele acreditava que tudo vem de Deus, pelo menos a substância inicial, e, depois sim, concretiza-se o processo evolutivo. Deus teria criado a "poeira cósmica", partícula elementar de todas as outras. É um pensamento interessantíssimo, mas assim como o "evolucionismo puro" e o "criacionismo puro" é mais uma teoria. Meu orientador é um dos maiores especialistas de Pernambuco nesse "geopaleontólogo, filósofo e teólogo". Só resta escolher uma dessas teorias e "acreditar", não esperando, porém, evidências empíricas, pois elas, simplesmente, não existem. Muito embora não seja isso que afirmam os ciêntístas do "Design Inteligente".

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  3. Caro filósofo calvinista. Continuo achando que estes argumentos não se sustentam à luz das evidências científicas. Todavia não sou, não quero e nunca serei o dono da verdade. Quanto ao autor acima citado, seu nome completo é: Pierre Teilhard Chardin.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Caro Filósofo,

    Ainda ontem discutindo sobre criacionismo e evolução eu disse a um amigo que é uma discussão híbrida, pois ambos "não se comprovam experimentalmente". Porém, é claro que a teoria da evolução tem muitos furos, como, por exemplo, o "elo perdido".

    Design Inteligente é uma teoria interessante, pois admite a certeza de uma inteligência por trás de tudo - e é Deus. Eu aceito qualquer teoria, desde que seja Deus a "apertar o gatilho".

    Outra coisa, a seleção natural, por si só, jamais poderia mesmo produzir organismos complexos, inteligência, como no caso do ser humano, nisso o DI está coberto de razão.

    Grande abraço!

    SDG!

    Ricardo

    ResponderExcluir
  5. Por isso utilizam decaimento radiotivo para tal

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que merda isso? Por que não consigo acessar com minha conta pessoal para opinar, ao invés de ter que fazê-lo com minha conta profissional? Bom, de qualquer modo assisti ao vídeo e, conforme fui convidado a fazer, tirei minha própria conclusão: o design inteligente não faz nenhum sentido, e insistir nele, ao invés de propor algo melhor do que a evolução não me fará sentir pena de professores despedidos.

      Excluir
  8. Prezado Rogério:

    Obrigado por sua participação e opinião. De fato, há muitas contestações sobre o design. Talvez não seja a resposta adequada mesmo. Porém, o evolucionismo também não oferece respostas convincentes, por isso também não devemos aceitá-lo como verdade final, como muitos incautos e até eruditos têm feito, baseando-se no pressuposto da autonomia da razão humana. Quem sabe naõ tenhamos uma surpresa quando tudo for revelado. Quem sabe não diremos: as respsotas estavam todas acessíveis a uma simples leitura daquele livro e não quisemos saber.

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  9. Designer inteligente, uma maneira sutil dos cientistas admitirem a existencia de Deus.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  10. Anônimo:

    Acho que a palavra "comprovar" cabe mais que a palavra "admirar", em se tratando de cientistas...rs.

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog