sábado, 14 de janeiro de 2012

SOU UM RACISTA ASSUMIDO


A cultura Afro está em moda no Brasil. Nada mais politicamente correto que aplaudir as "manifestações culturais" dos chamados Afro-descendentes. Nesse sentido, a educação formal, maior veículo de divulgação de ideologias, tem tido um importante papel no estabelecimento de uma "cultura" de simpatia à causa dos negros. Assim tem sido também com a causa Gay, mas isso é outra história. As Instituições de ensino Superior, por exemplo, precisam manter um grupo de reflexão (na verdade divulgação religiosa) da causa dos "Africanos-brasileiros". Nos níveis mais básicos da educação também há recomendações para abordar essa questão em algum dos variados eixos.

Outrora perseguidos e humilhados, feitos escravos por seres que se dizem humanos; arrancados de sua terra natal. No passado, esse era o final trágico de muitos negros. Evidentemente que não podemos negar as injustiças praticadas contra "muitos" negros, no passado; até mesmo com o aval do estado. Certamente foram anos tenebrosos que envergonham a história da humanidade, sobretudo na terrinha tupiniquim. Negar isso é negar a verdade e é tão burro quanto negar o holocausto.

Mas as coisas mudam. Antes, quem era perseguido hoje pode ter status privilegiado. As cotas para negros ingressarem nas Universidades Federais podem ser consideradas um bom exemplo dessa mudança. Claro que há muita polêmica em torno disso, mas tal discussão não cabe aqui. Basta dizer que se isso é visto como um pagamento indenizatório do Estado, dá até pra engolir. Mas, parece que tem muito mais por trás disso. Aqui, cabe, sim, uma pequena pausa para a seguinte reflexão: o que os negros brasileiros "de hoje" têm a ver com os negros escravizados no Brasil colônia? Aqueles, sim: deveriam ter sido indenizados por tamanho ultraje. Mas, e esses? São tão brasileiros quanto os outros brasileiros brancos. Receberam tanta influência genética quanto outros brasileiros que se dizem brancos. Devem realmente ser tratados de forma diferenciada simplesmente pela cor de sua pele? Isso não é o que chamam de racismo? Aliás, a cor da pele não é a unica prerrogativa para ser considerado descendente de africano, tendo em vista que por lá tem muito branquelo de olho azul também, que são tão africanos quanto os africanos negros. Então, só pra ficar claro: tem africano negro e africano branco. Tem brasileiro negro e brasileiro branco. Ou seja, 99,9% dos negros brasileiros não são mais "puro sangue africano". Tá tudo misturado. Isso é ser brasileiro e a maior prova que não são mais africanos. A exceção  fica por conta de quem tem pai e mãe africanos, quer brancos ou negros. Portanto, nada de "mama África" seu Chico Cesar.

O fato é que muitas práticas "eminentemente religiosas",  trazidas da África, são empurradas de "guela abaixo" sob o argumento de respeito à "cultura". Ou seja, se as minhas "práticas religiosas" e as das religiões afros forem auto-excludentes, posso ser taxado de Racista. Muito bem, que seja.

Pra começo de conversa, quem quiser nutrir práticas peculiares e puras da "cultura religiosa" Africana, que vá para a África ou solicite cidadania africana. Não concordo nem mesmo com o termo Afro-decendentes. Somos todos brasileiros, filhos de brasileiros. Essa designação só faz criar um "povo" dentro de um "povo" ou, ainda,  um "sub-povo",  no sentido de uma minoria que está contida numa maioria.  

Essa mistura de cores e costumes é exatamente o que caracteriza nosso "povo único", nossa  identidade. Sem contar a inutilidade da discussão sobre o racismo, tendo em vista a existência de apenas uma raça: a humana. As manifestações de ódio contra a cor da pele é pura ignorância; uma imbecilidade que só não é inacreditável porque existem imbecis que possuem um grau de ignorância quase inacreditável.

Está mais do que claro que a África, com aqueles que de lá vieram para o Brasil, contribuiu fortemente na formação do nosso traço cultural. A mais brasileira de todas as comidas - a feijoada - tem sua origem mais remota com os "antigos" escravos. Mas atenção: nem todas as comidas de origem ou motivação africana podem ser consideradas somente como uma "contribuiição à cultura brasileira". Algumas delas fazem parte integrante do culto às divindades dessas religiões, são oferendas típicas de religiões típicas.

Interessante que outros povos, com características religiosas peculiares, igualmente contribuíram para a formação do nosso arcabouço cultural e nem por isso utilizam dessa prerrogativa como forma de "evangelização" camuflada. Os Judeus, por exemplo. Há povo mais perseguido e massacrado? Perseguidos inclusive pelo Estado brasileiro. Na época de Getúlio Vargas  muitos judeus que buscaram refúgio no Brasil foram entregues "de bandeja" aos líderes nazistas. Isso mesmo, o governo brasileiro foi responsável por jogar muitos judeus nas câmaras de gás. O excelente filme Olga Benaro retrata bem esse tempo. Estranhamente não me lembro de nenhuma cartilha, de nenhuma recomendação dos órgãos que regulam a educação, de nenhuma ação indenizatória do estado brasileiro para com os descendentes de judeus. Algo do tipo: cota para Israel-descendentes. Não questiono a validade dessas ações mas, por que para uns sim e para outros não? Será mesmo que os "negros brasileiros" precisam dessa proteção oficial? Isso parece uma concordância absurda com "o norte-americano James Watson – Prêmio Nobel e co-descobridor da estrutura do DNA junto a Francis Cric em 1953 –, um dos pais da genética moderna, que afirmou que as pessoas de raça branca são mais inteligentes que as de raça negra, o que gerou o repúdio da comunidade científica e política" (conforme: http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=1686", acessado em 13/01/2012).

Mas a grande questão que queremos chamar a atenção é a seguinte: 

Estão querendo considerar religião e cultos Afros como cultura. De forma intencional, os simpatizantes e até praticantes do candomblé, umbanda e outras religiões de matrizes Africanas, muitos deles com grande representatividade entre políticos e formadores de opinião, estão querendo vender a idéia de que suas práticas cúlticas são simples manifestações culturais

Isso é uma forma muito inteligente e sorrateira de fazer proselitismo em favor das religiões Afros. A religião pode até fazer parte da cultura, mas ela não é a cultura. Conheço vários negros que desaprovam completamente os ritos e manifestações religiosas do candomblé, por exemplo. São menos negros por causa disso? Ou seja, umbanda, candomblé e tantas outras  "manifestações religiosas", tipicamente Africanas,  não são "coisa de negros". São coisas de negros "macumbeiros", bem como de brancos "macumbeiros". Essa eu não engulo!

As religiões Afros-brasileiras, em nossa opinião, enquanto cristãos Reformados, quebram flagrantemente o primeiro e o segundo mandamento da Lei moral de Deus. Portanto, são práticas pecaminosas à luz da bíblia. A continuidade dos sacrifícios ali oferecidos são uma afronta ao sacrifício último e perfeito de Cristo.

Não posso admitir que aquelas danças, aquelas roupas, aquelas comidas, aquelas saudações, aquelas músicas e aquelas divindades fazem parte do meu universo cultural. Eu não tenho nada a ver com isso. Pelo contrário,  repudio todas essas práticas por considerá-las pecaminosas. Respeito, entretanto, essas religiões e reconheço seu direito constitucional de culto às suas divindades, mas, por favor, não me venham dizer que tudo isso faz parte de minha cultura. Não faz. Religião é religião e cultura é cultura. 

Isso é ser Racista? Então, por favor, me consideram um racista.

Que os negros africanos, como já dissemos,.contribuíram com a formação da nossa cultura, isso é certo e perfeitamente aceitável. Deve até ser reconhecido e agradecido, mas "cada "i" tem seu próprio ponto. A questão religiosa é um capítulo à parte.

Um dos maiores exemplos de tentativa de sobreposição de uma Religião (as de origem Afro) sobre a outra (as de origem neopentecostal), é a polêmica disputa judicial entre a Rede Record de Televisão, sabidamente de orientação neopentecostal, com algumas entidades  "promotoras das religiões Afros" que se escondem atrás do pomposo título de protetoras da "cultura" Afro:

"Em decisão inédita do Ministério Público Federal, entidades afro-brasileiras foram autorizadas a produzir um vídeo de direito de resposta coletivo a uma reportagem da TV Record. O programa foi gravado e tornou-se público no final de 2011, mas não pode ser exibido, pois a emissora recorreu da ação e consegui impedimento momentâneo. Conforme informa o vídeo, o programa é um "direito de resposta concedido pela Justiça Federal ao Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), ao Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira (INTECAB) e ao Ministério Público Federal, autores da ação contra o enfoque negativo e discriminatório das religiões afro-brasileiras". (Conforme:http://portalimprensa.uol.com.br/noticias/brasil/46668/religioes+afro+brasileiras+produzem+direito+de+resposta+coletivo+contra+tv+record. Acessado em 13/01/2012).

A questão em pauta é de cunho puramente religioso. Ainda que a discordância tenha caráter unilateral, isso não passa de uma religião que não concorda com a prática cúltica da outra, que se sente afrontada por ela e que por isso, naturalmente, reage. Nunca pensei que fosse defender a igreja universal, muito embora discordando veementemente de seus métodos, não posso deixar de reconhecer juntamente com ela: as práticas cúlticas das religiões Afro-brasileiras são pecaminosas. Se isso é ser racista, repito: me considerem, agora,  juntamente com a IURD, racista.

Assista o vídeo abaixo, produzido com a intenção de ser exibido na Rede Record, como direito de resposta, e julgue você mesmo se não há uma clara intenção proselitista de promover as religiões de origens africanas escondida por trás do bonito discurso de respeito à cultura:


video

video

video

video

22 comentários:

  1. Êita que ele tá com a macaca!

    Parabéns pela ótima postagem, Fábio!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom seu artigo!
    Inteligente.
    Deus tem chamado seus filhos para áreas especificas e a tua área de atuação tem sido no campo filosófico-sociológico. Glorifica a Deus no teu campo de atuação

    ResponderExcluir
  3. Lembrei de Jesus e a mulher Samaritana, que racista ele era....Trabalho com muçulmanos e aprendi que o único caminho é o do amor....Ainda que me odeiem, queiram me matar. Nosso mestre ensinou que devemos virar a outra face. E a liberdade que temos de professar publicamente nossa fé, é a mesma de qualquer um, poder professar sua fé....Morro de Medo de um "estado evangélico", ainda mais com os evangélicos que temos....

    ResponderExcluir
  4. Cara me desculpe, mas este texto seu é um lixo! Você critica a cultura africana, depois diz "como já dissemos, contribuíram com a formação da nossa cultura, isso é certo e perfeitamente aceitável", ora, tome um pé na questão. Li o seu texto por inteiro e não me decidi, se você realmente aprova ou não a cultura afro-brasileira. Defender a ideia, mesmo que camuflada, de que as cotas para negros deveriam ter sido feitas na época do Brasil Colonial, é de uma imbecilidade sem tamanho! Escreva somente daquilo que você domina, certo? Repudiar as religiões, cultos afros, por serem alienígena em relação ao Brasil, dá a abertura para a expulsão também do cristianismo no Brasil. Pense nisto, use a lógica! Ou você acha que ser crente, é originário do Brasil? Sou Cristão também, mas mesmo não concordando, com os cultos que as Religiões afrodescendentes; isto não me dá a liberdade de relega-las,à marginalidade, ou insinuar que deveriam acabar. Pois o mesmo princípio legal, que mantém o direito dos “Macumbeiros” como você mesmo disse, de manterem seus terreiros e suas práticas, é também o que mantém o direito de uma igreja evangélica de estar de portas abertas e prontas para receber aqueles que se arrependerem de suas práticas e, possivelmente, aceitarem a Jesus. Pense Nisto. Saia do Muro e organize as suas ideias a respeito de tema, de forma que não fiquem incoerentes como estão no texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salomão, você não entendeu nada. Em nenhum momento ele criticou a cultura africana. Ele não defendeu as cotas na época do Brasil Colonial. Ele não criticou os cultos afros por serem alienígenas. Ele não insinua que deveriam acabar. Enfim, ele não disse nada do do que você acha que entendeu. Tente ler novamente e de novo, de novo... e de novo.

      Excluir
  5. Prezado Salomão:

    Obrigado por sua participação. Acho que você realmente não entendeu o sentido do texto. Não é uma questão de aprovar ou desaprovar a cultura afro-brasileira. Só quero separar as coisas. Que a cultura africana contribuiu para a formação da cultura brasileira não podemos negar. Seria um homicídio da história. Minha dificuldade é quando as pessoas confundem, de forma proposital, cultura com religião. Muito embora esta faça parte daquela não podemos tratá-las como sinônimas. As práticas Afros eminentemente religiosas é evidente, como deixei claro no texto, não posso admitir como práticas louváveis porque quebram os mandamentos da Lei de Deus. Que outra parte você não entendeu? Quanto a questão das quotas, só concordaria se fosse como uma forma indenizatória do Estado. Para isso, o Estado teria que ter feito isso à época ou então esse pagamento teria que ser feito exclusivamente aos descendentes diretos dos negros escravizados. Mas, quem são eles? Desculpe ter lhe decepcionado. Talvez você tenha sido atraído pelo título e, assim, criou a expectativa de ver em seu autor uma postura racista, coisa que jamais verás nesse blog. Não sou racista, neste sentido. Sugiro que faça uma releitura do texto. Assim , quem sabe, consigas atingir o espírito do texto, saindo do campo apenas das letras.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Escrevi um texto no meu Blog, a respeito do que penso sobre o tema e gostaria que você lesse:
    Vai i link Abaixo:
    http://www.andoemcristo.blogspot.com/2012/01/cultura-religiao-e-intolerancia.html

    ResponderExcluir
  7. Bem meu caro professor .. já faz algum tempo neh?!! Mas cá estou!!!

    Concordo piamente com a sua colocação em relação a disputa religiosa existente em nosso país, assim como você aqui exprime a sua opinião em relação a forma como se tem dado tal debate, camuflado as ações afirmativas e indenizatórias postas em pauta no nosso país hoje, o que por sua vez não implica na imposição da aceitação de outros a religiões que não lhe são convenientes. Contudo, tais atitudes não são de autoria apenas de alguns "macumbeiros", mas também de muitos dos "seguidores de cristo!” Se levarmos em consideração a crescente necessidade de que tendências religiosas cristãs tentam a cada dia mais ocupar espaços, sejam eles políticos, midiáticos, publicitários, entre tantos outros tal qual aqueles que acusas neste artigo.

    Sendo assim é fácil afirmar que ambas tendências religiosas sejam elas de matriz africana ou cristã, vivem historicamente as lutas pela anulação uma da outra.

    Quanto ao fato das divindades e símbolos, cada um tem o seu! Seja nas religiões de matriz africana através de seus orixás, seja na matriz católica apostólica romana com seus santos, ou seja, na própria tendência evangélica ou protestante - como queira - através das suas sagradas escrituras, afinal de contas todos estes exemplos são meramente compostos por matéria, e são cultuados. Ao final das contas ambas as religiões desempenham os mesmos papeis sociais meu caro professor, alienar e encaminhar o povo como rebanho para os caminhos das veredas e para a salvação, nenhuma diferença no objetivo final, apenas nos meios utilizados para tal.

    Bem agora falando das cotas, não poderia eu afirmar aqui que esta é a melhor solução para os problemas a qual o povo africano foi acometido, no entanto posso afirmar assim com o próprio disse, que é sim uma medida indenizatória, e que sem sombra de dúvidas deve ser aplicada nos dias de hoje! Neste caso, vale lembrar que até 2008 80% dos estudantes de escolas públicas do Brasil eram negros sim, e que ainda nos dias de hoje existem diferenças salariais entre os ditos brancos e negros, que a maior parte da população carcerária do nosso país ainda é composta por negros, que a maior parte da população que vive em situação de estrema pobreza são negros, entre tantos outros fatores que nos indicam que os problemas causados pela escravatura ainda não foram sanados e que infelizmente esta parcela da sociedade ainda sofre os efeitos colaterais por conta disto, logo nada mais justo do que proporcionar oportunidade a todos. E no caso dos judeus citados - não que seja regra - mas boa parte dos seus "descendentes" são ainda privilegiados pelo legado "comercial" que lhe foi deixado. Contudo não posso negar aqui como já disse, esta não é a melhor opção, poderíamos lutar por cotas para estudante oriundos de escolas públicas, abrangendo assim todos os desfavorecidos, mas por outro lado não posso negar a sua legitimidade, apenas posso lutar para ampliar tais políticas, buscando igualdade de oportunidade para todos.

    ResponderExcluir
  8. Finalizando professor, gostaria de dizer que sou totalmente contra a atitude da Record, e muito me impressiona o caro professor tão ético ir de encontro à liberdade de expressão, apoiando tal atitude inconcebível, mesmo que baseado em seus princípios religiosos. No entanto não posso dizer que não compreendo, afinal de contas, é a épica batalha entre macumbeiros e evangélicos, onde ganha quem tem mais dinheiro e influência política neh meu caro?!!!

    Pensei um dia quando muito menino, que a salvação apregoada aos quatro cantos pelas religiões se daria através do contato com "deus" - o que acontece no plano das idéias - e pelas nossas atitudes - que acontece no plano material - e não o inverso... Afinal de contas, hoje em dia o contato com deus se dá através de emissoras de tv, de templos ostentosos, radio-difusoras, por espaço, e as atitudes ficaram apenas no campo das idéias.

    Abraços meu caro professor!!! E para não dizer que sai da corrente de pensamento, afirmo: ambos, ditos cristãos e macumbeiros estão no mesmo campo e jogam o mesmo jogo!! Não a diferenças, logo um não pode negar o outro ou acusar!

    ResponderExcluir
  9. Prezado Hugo:

    Desculpe a demora na resposta. Mas, como se diz, "antes tarde do que nunca...rs. Vamos lá:

    1-Não se trata de "guerra de religiões", como vc supõe. Se ela existe, e possivelmente exista mesmo, não é o que abordo nesse post. Minha simples e única dificuldade apresentada aqui é o fato de estarem "impondo" argumentos religiosos, de base africana, sob pretexto de cultura. Não sou obrigado a aceitar e "crer" nos pressupostos das religiões de matriz africana. De jeito nenhum. Assim também como não considero correto se o contrário também estivesse acontecendo. Trocando em miúdos: se o camarada quer ser "macumbeiro" problema dele. Que seja. Se o outro quer ser crente. Problema dele, que seja. Vivemos num país laico. Agora, não venha me dizer que eu tenho que bater palma para ritos eminentemente religiosos sob pretexto cultural que aí eu não engulo. É preciso separar urgente o que é "apenas" contribuição cultural que os africanos nos legaram das suas práticas religiosas. Se ser racista é não aceitar tais práticas religiosas, não porque são de origem africana ou porque provém de negros, mas porque não as julgo compatíveis com o que entendo ser preceito de Deus para o homem, descrito na bíblia. Só isso. Posso estar errado nas minhas interpretações e eles corretos? Sim, é possível. Se a bíblia estiver errada e for um grande equívoco segui-la, sim, é possível. Quero apenas lembar (é só fazer uma rápida pesquisa sobre o tema aqui no blog que vai perceber minha crítica a esse grupo) que não concordo com muito do que se está chamando de "evangélico", sobretudo na mídia, e por isso também critico tais práticas dos neopentecostais. Só pra deixar claro que minha crítica não se baseia no fato de estar relacionado com religiões de matriz africana. Quanto a elementos materiais sendo cultuados, acho que cometes um pequeno e grave equívoco quando dizes que os protestantes cultuam a bíblia. Isso não tem o menor precedente.

    ResponderExcluir
  10. Hugo...continuando....

    2- 80% dos estudantes de escola pública são negros? E daí? Claro que a escola publica está em frangalhos, mas, os que frequentam a escola regularmente, tanto negros quanto brancos, e que levam a sério, mesmo em meio às dificuldades, conseguem se superar. Temos que acabar com essa tendência de botar a culpa em todo mundo e de não assumirmos, nós mesmos, nossas culpas. Tenho amigos negros que estudaram e hoje estão melhor que eu na vida. Por outro lado, tenho amigos brancos e negros, que enquanto eu estava ralando, estudando e trabalhando eles preferiam estar jogando bola, brincando, etc. São as escolhas meu caro. Muitos deles hoje, brancos e negros, não têm emprego, não têm formação e vivem com muita necessidade. De quem é a culpa? A escola estava lá, sempre esteve, mas eles desdenhavam dela e consideravam "otários" meus amigos que estudavam lá e se esforçavam. O ensino era ruim? Tudo bem,mas porque meus outros amigos, brancos e negros, que encararam o desafio assim mesmo conseguiram sair dela, fazer um curso universitário etc? A que conclusão chegamos? Tem negro que não quer nada com a vida; tem branco que não quer nada com a vida. Tem negro que, por ser vagabundo vai roubar porque supõe ser mais rápido e fácil. Tem branco que por ser vagabundo vai roubar porque supõe ser mais rápido e fácil. Tem negro que se quiser alguma cosia na vida, consegue. Tem branco que, se quiser alguma coisa na vida, consegue. Ou seja, Negro=branco. O que passar disso é racismo valendo.

    3- Muito interessante você falar de salvação. Vou fazer uma pergunta bem simples, por favor responda com sinceridade: você já leu algo específico sobre esse assunto? Se a resposta for não, e me parece que será, pense se é coerente falar com tanto propriedade acerca de algo que nunca estudou. Talvez porque julgas que o ser humano não passa de atividade cerebral, química, matéria. Mas, e se não for? Lembre-se: nenhuma verdade deve ser aceita como absoluta, muito menos antes de ser bombardeada com toda espécie de críticas coerentes e procedentes. Fechar-se em uma verdade absoluta que Deus não existe por ser uma grande bobagem, assim como é uma grande bobagem negar as grandes contribuições da ciência.

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  11. Caro professor!!! Tentando ser breve...

    Meu intuito ao relacionar seu post com a "dita" guerra entre religiões, não fala do tocante entre cultura e religião... até porque disto não discordo... no entanto não poderia deixar de expressar aqui o meu simplório ponto de vista... baseado apenas nas observações e vivências... afinal de contas não há apenas uma verdade... ou há?!!

    E enquanto aos seus simbolismos... de fato existe uma pequena diferença entre as esculturas e as suas bíblias... a bíblia não tem semelhança alguma com um ser vivo... no entanto isto não faz com que ela deixe de ser um símbolo - o maior dos símbolos - dos protestantes.... tal qual se usa ainda nos dias de hoje uma pomba como símbolo do espirito santo em várias faixadas das igrejas e principalmente em eventos... bem ... óbvio que com sua sapiência e conhecimento irás tentar mostrar o contrário... afinal de contas... eis a semelhança entre todas as religiões... sempre há uma resposta para tudo... inclusive e por muitas vezes científicas...

    E só uma observação meu caro professor... eu também acredito em deus...!!!

    ResponderExcluir
  12. Sim meu caro.. 80%... isto é apenas o acaso... ou destino.... ou algo de ordem natural...?

    Bem meu caro professor... por muitas vezes me vejo a concordar em algo... mas neste post diria que a única coisa que concordamos é que "Negro=branco"... no entanto eu não posso negar determinadas evidências... afinal de contas o senhor é daqueles que repetem o absurdo jargão: "O sol nasce para todos", no entanto esquece que a sombra é para poucos... claro... ou irás me afirmar aqui que se todos fossem esforçados e fizessem as escolhas certas todos viveriam bem hoje?!!! ou melhor.. estais a afirmar que tais pessoas passam pelo que passam por que querem?!!

    Bem meu caro... talvez de longe.. algumas coisas que tenha falado com a soma de n fatores, aliadas as condições sociais, familiares, econômicas, culturais, religiosas, psicológicas e tantos outros fatores possam ter levado alguns a viverem de determinadas formas... no entanto este seu recorte é muito limitado e não reflete nem de longe a realidade...

    Só uma curiosidade... acompanhei em um outro post seu que retratavam sobre um rapaz que falava inverdades sobre seu grande símbolo -a bíblia- e lá você dizia que era preciso haver uma correlação entre fragmentos bíblicos de livros as vezes diferentes, para que houvesse uma compreensão real do sentido daquilo que ele questionava... Bem ... acabo de perceber que entendes muito da bíblia, em contrapartida professor... decepcionaste na análise de alguns poucos casos isolados da vida cotidiana de representantes de uma parcela social... faça com a realidade aquilo que fazes com o abstrato... leia-a mais.. combine os fatores como se combinasse os versículos bíblicos professor.. e espero sinceramente que não repitas mais tais casos de maneira tão absurda...

    ResponderExcluir
  13. Primeiro.. é óbvio que posso falar sobre algo sem ter lido ou ter estudado numa faculdade sobre.. afinal de contas o que me impede de fazê-lo?? Ou será que minha reles opinião baseada nas minhas observações não detêm nenhuma relevância..?? Bem não sou conhecedor de causa, mas passei muito rápido por algumas igrejas protestantes, e do pouco que observei naquela época até hoje... é fato que assim como o homem evolui... a forma de se salvar também... e a forma de ler a bíblia também... e interpreta-la também... A minha maior descoberta foi perceber que assim como a história é dialética a bíblia, a salvação e tudo que está relacionado as religiões também evoluem.... afinal de contas temos que acompanhar o rítimo da humanidade... é mulher que trabalha... é homem que pinta cabelo... que usa brinco... hoje todos os sons são de deus.. até ontem uma alfaia era símbolo da macumba... EVOLUÇÃO... até vender terreno nos céus se vende hoje.... De fato posso não saber de nada sobre sua salvação professor... a única coisa que sei é que ela é individual... e que independe de sua congregação... é você e seu deus... de sua corrente religiosa... o seu jesus não provou nada para ninguém e nem mostrou-se... ele foi.. simplesmente isto.. ele foi ele... e ele com deus.. enquanto vocês perdem tempo criticando outras tendências... ao invés de amarem ao próximo como a si mesmos.... pois jesus segundo a bíblia o fez na prática... não foi apenas em oração não.. e nem muto menos empurrou goela a baixo o que ele acreditava... bem professor... esta seria na minha concepção a salvação segundo o seus preceitos religiosos... no entanto segundo o meu... não preciso ter uma religião para tal... porque minha salvação esta aqui... em viver bem.. fazer o bem... e amar ao próximo como a mim mesmo.. e não perco meu tempo almejando o que virá depois da morte... Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Espero-o lá no outro post sobre a sua suposta teoria da "HETEROFOBIA"... heheh

    ResponderExcluir
  15. Artigo de um "camarada" holocau$tizado e judaizado! Diz esse "camarada" judaizado: "O que os negros brasileiros de hoje têm a ver com os negros escravizados no Brasil colônia"? E o que tem a ver os judeus de hoje com os judeus que morreram na segunda guerra?! E mesmo assim, a Alemanha paga bilhões de dólares para esse vagabundos judeus de hoje!

    ResponderExcluir
  16. O titulo do post já diz tudo. Não vou nem comentar.

    ResponderExcluir
  17. A cada dia que leio mais sobre o Calvinismo, fico com a convicção que ele tem tudo a ver com o racismo americano e europeu . Para a informação do Filósofo Calvinista . No período da colonia não dava nem para ter cota pois não tínhamos universidades
    Lincoln era ou não racista?
    Na revista americana Counterpunch, em http://www.counterpunch.org/2013/02/08/abe-lincoln-racist-fascist/, em inglês, o pesquisador Michael Dickinson anota a seguinte frase de Abraham Lincoln, em discurso de 1858: "Não sou agora, nem nunca fui, a favor de promover de qualquer maneira que seja a igualdade social ou política das raças branca e negra. Não sou nem nunca fui a favor de tornar eleitores ou jurados os negros, nem de qualificá-los para serem eleitos, nem de intercasamentos com pessoas brancas. Há uma diferença física entre as raças branca e negra que para sempre vai impossibilitar que as duas raças vivam juntas em igualdade social ou política. É preciso haver uma posição de superior e de inferior e sou a favor de indicar a posição superior ao homem branco." No artigo há outras frases de Lincoln no mesmo sentido.

    ResponderExcluir
  18. Veja este texto o ( Filosofo Calvinista) retirado do : http://universidades.universia.com.br/universidades-brasil/historia-ensino-superior/

    História do Ensino Superior
    "O real significado do termo "Ensino Superior" vai muito além do de ensino de terceiro grau, como ficou popularizado principalmente após as reformas das décadas de 60 e 70. O saber superior deve ser adquirido mediante o uso de codificações, sistemas, modelos e símbolos da semântica científica e, por isso, foge à praticidade do dia-a-dia e se reserva aos que disponham de condições especiais para abordá-lo. Por isso, como muitos querem, não pode ser democraticamente acessível a todos. É um ensino, por natureza, elitista, para uma minoria capacitada intelectual e culturalmente e não no sentido trivial de pessoas sócio-economicamente bem postas na comunidade."
    (Estrutura e Funcionamento do Ensino Superior Brasileiro - Paulo Nathanael P. Souza)

    ResponderExcluir
  19. O texto acima, apesar de discriminatório, é um retrato da história do ensino superior no Brasil. Ao contrário das Américas Espanhola e Inglesa, que tiveram acesso ao ensino superior já no período colonial, o Brasil teve que esperar o final do século XIX para ver surgir as primeiras instituições culturais e científicas deste nível, quando da vinda da Família Imperial ao país. Já a primeira universidade surgiu somente em 1912. Para a sua informação o ( Filosofo Calvinista)

    ResponderExcluir
  20. Leia um pouco de Historia,para escrever melhor sobre cotas, Negros religião e princialmente sobre Judeus . Quando digo princialmente pois como você é um conhecedor das religiões teologicamente os Judeus tem um papel a representar até que Ele Venha .

    ResponderExcluir
  21. Leia um pouco de Historia,para escrever melhor sobre cotas, Negros religião e princialmente sobre Judeus . Quando digo princialmente pois como você é um conhecedor das religiões teologicamente os Judeus tem um papel a representar até que Ele Venha .

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog