sexta-feira, 1 de novembro de 2019

A REFORMA PROTESTANTE E O HOLOCAUSTO



A imagem acima é do MEMORIAL DO HOLOCAUSTO em Berlim, na Alemanha. Ele foi construído em homenagem aos seis milhões de judeus "assassinados de maneira orquestrada cruel e sistemática",  entre 1933 e 1945. Em 2017 outro importante memorial do holocausto foi inaugurado. Ele fica na cidade de São Paulo, na antiga Sinagoga do Bom Retiro. Além desses, muitos outros pelo mundo.

Mas, por que rememorar esse momento tão terrível da história mundial, que foi o holocausto?

A resposta de todos os memoriais não é outra senão: Para que a história não se repita!

Hoje, 01 de novembro, infelizmente, não podemos dizer que muitas igrejas rememoraram, estão rememorando ou que ainda irão rememorar a Reforma Protestante, o já agora pretérito 31 de outubro.

Passou batido! Tem passado batido! Um ano, dois anos, três anos, cinco anos, no máximo, sem rememorar essa data e as novas gerações de crentes serão formadas sem o DNA protestante achado e transmitido somente na e pela Reforma Protestante.

Muitas igrejas, já, sequer sabem o que significa essa data. Nem mesmo as igrejas reconhecidas como como "herdeiras da Reforma" têm tido essa preocupação. 31 de outubro não existe mais no calendário de suas sociedades internas. Comemora-se dia do adolescente, da criança, do homem, da mulher, do idoso, do pastor, da esposa do pastor, do presbítero, do diácono, dos pais, das mães, dos avós, aniversário da SAF, da UPH, da UPA, da UCP, da igreja e por aí vai; só não da Reforma Protestante. 

Mas, por que se deve rememorar a Reforma Protestante?

A resposta a essa pergunta não é outra senão: Para que a história não se repita!

A igreja do Senhor já se desviou terrivelmente. Passou, pelo menos, onze séculos em situação de crescente desvio dos preceitos da palavra de Deus, chegando ao ponto de "vender a salvação". Esse processo não começou com grandes erros ou grandes heresias e, sim, com pequenas concessões por parte da liderança da igreja, tal qual Arão diante daquele povo sedento por seguir seus próprios caminhos, só que em doses homeopáticas. Depois, em ritmo acelerado rumo ao desvio completo, ocorre o "esquecimento" de que a Bíblia é a única regra de fé e de prática, na prática; nem sempre na teoria. Não mais se perguntará o que ela ensina sobre isto ou aquilo que se quer fazer ou crer. Isso já aconteceu no passado e acontecerá, inevitavelmente, com toda igreja que "esquecer" da Reforma Protestante.

A Reforma Protestante é a  personificação da lembrança do Sola Scriptura

Por isso é tão grave esquecer de rememorá-la, ano após ano. Esquecer de rememorá-la é o começo para o esquecimento daquilo que ela pregava.

Aí, bem; aí pode fechar as portas da igreja. Não fará muita diferença.

Sola Fide, Sola Scriptura, Solus Christus, Sola Gratia e Soli Deo Gloria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgue meu Blog no seu Blog