quarta-feira, 17 de julho de 2019

A INCOERÊNCIA DAS EBF'S NO ENSINO DA ADORAÇÃO PARA AS CRIANÇAS


Salomão, no auge de sua "sabedoria" inspirada, alertou: "Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele" (Prov 22:6). A questão é: no quesito "adoração" o que estamos ensinando às nossas crianças? Como elas devem adorar ao Senhor? Antes de responder, uma dúvida logo se abaterá nos corações observadores: a questão que se coloca se aplica somente enquanto forem crianças ou também quando elas crescerem, quando se tornarem adultas? Por isso a resposta à primeira pergunta seria: "depende". Ensinamos que a adoração ao Senhor deve seguir o Princípio Regulador do Culto. Ou seja, na adoração aquilo que está ordenado nas escrituras, deve ser feito. Aquilo, porém, que não está ordenado nas escrituras ou delas não se possa inferir, deve ser evitado; abolido. Criticamos igrejas que teimam em manter em suas liturgias "grupo de coreografias", "danças litúrgicas" e todas essas invenções. Mas, entrando direto no assunto, nas EBF'S (Escola Bíblica(?) de Férias) da vida, ensinamos nossas crianças a "adorarem" ao Senhor com "danças" e ainda nos sentimos gratos por vê-las "pulando e dançando" enquanto "adoram" ao Senhor. Ensinamos às crianças: "dancem, pulem, saltem de um lado para o outro", quando estiverem "adorando" ao Senhor. Quando crescem, porém, queremos a todo custo ensinar: "a adoração ao Senhor deve ser ordeira, solene, sem inovações, sem danças, sem pulos, sem invenções da mente humana ou sugestões de satanás". Quanta incoerência! Seria essa incoerência fruto do entendimento de que as crianças de hoje em dia são retardadas e não mais entendem o puro e simples evangelho e os preceitos básicos de Deus e que por isso precisamos, como diz um adágio que critica essa postura, "vestir Jesus de palhaço" para que seja mais agradável e palatável aos seus olhos"? Ou, antes, essa incoerência é fruto de quem aprendeu errado e hoje está apenas repassando errado às crianças? Ou ainda é ela apenas uma forma de rebeldia e resistência aos ensinamentos corretos que conhecem, mas não concordam muito? Radicalidade? Sim, sim. Parece que essa última opção responde bem às indagações. Afinal, são "apenas crianças". Sem problemas, se Salomão estivesse errado! As grandes barragens começam a se romper e ao final causam grandes tragédias por meio de pequenas brechas e pequenas rachaduras. Da mesma forma temos visto isso acontecer na igreja cristã. Pequenos desvios doutrinários e litúrgicos e pequenas concessões de líderes que não quiseram parecer "radicais" levaram a igreja Romana, por exemplo, ao nível de desvio que se encontra hoje. Portanto, sejamos pelo menos, coerentes: se entendemos que não há nenhum problema teológico/doutrinário em "adorar" ao Senhor com "danças" ensinemos isso à toda igreja e não apenas aos pequeninos. Tá cheio de adulto nas igrejas querendo "soltar a franga" na liturgia da "adoração". Certamente vão "amar". Mas, se ao contrário, entendemos que o a adoração deve seguir o Princípio Regulador do Culto, que ensina que ela deve ser ordeira, simples e sem inovações, ensinemos igualmente do menor ao maior, porque, como alertou o sábio: "o caminho que ensinarmos é o caminho que as crianças seguirão". Que seja assim, para a aprovação ou reprovação dos que ensinam a esses pequeninos.     

Divulgue meu Blog no seu Blog