sábado, 8 de julho de 2017

SOLA SCRIPTURA - Parte 2/5



1-    O QUE NÃO É O SOLA SCRIPTURA:

Sola Scriptura, Somente a Escritura, não significa uma rejeição à teologia e a outros textos que têm a intenção de interpretar as Escrituras. É importante dizer isso porque é comum ouvirmos algo do tipo: “não quero saber de livros como confissão de Fé e Catecismo, meu negócio é com a bíblia; só me interessa a bíblia; somente a bíblia”. Isso parece piedade e apego às Escrituras, mas não passa de um argumento falacioso. Teria validade se tão somente a pessoa se limitasse a ler a bíblia, mas a partir do momento que ela lê e quer entender, ela já está interpretando. Eu costumo dizer o seguinte pra essas pessoas: “eu tenho a sua interpretação das escrituras, que nunca leu um livro de teologia na vida e tenho a interpretação de 121 dos melhores teólogos do século XVII que se debruçaram sobre vários assuntos da bíblia, por longos 5 anos e 7 meses, na assembleia de Westminster. E concluo: você acha que devo ficar com qual interpretação? Obviamente que com a dos teólogos de Westminster.

2-    O QUE É O SOLA SCRIPTURA

A expressão latina traduzida por SOMENTE A ESCRITURA significa que absolutamente nada deve servir como base para nossas práticas religiosas, para nossas práticas cúlticas, para nosso pensamento doutrinário e teológico e até para nossa prática de vida. Daí a afirmação confessional: “A BÍBLIA É A NOSSA ÚNICA REGRA DE FÉ E DE PRÁTICA”. Não uma regra, mas A ÚNICA regra de Fé e de Prática.

O texto que lemos no início (Salmo 119:105) indica que havia um entendimento no VT que todos os desígnios para  o povo de Deus deveria emanar da própria palavra de Deus, quer por ESCRITURA JÁ ESCRITA, como o caso da LEI, quer por alguma palavra vinda do próprio Deus a partir da BOCA DOS PROFETAS, através DAS PROFECIAS e REVELAÇÕES ou de alguma manifestação de algum dom espetacular concedido por Deus, como o sonho, por exemplo. Voltaremos a esse assunto mais adiante. Por hora basta entender que quando o SALMISTA afirma ser a PALAVRA DE DEUS lâmpada para seus pés, indica que “A revelação de Deus fornecia o discernimento para guiar os justos. Consequentemente, eles não tropeçariam nas trevas.   Ou seja, não havia, na mente deles, nenhuma outra fonte que pudesse ditar e iluminar os caminhos por onde deveriam trilhar, senão A PALAVRA DE DEUS, nesta época, ainda trazida de forma ordinária, bem como extraordinária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgue meu Blog no seu Blog