domingo, 2 de outubro de 2016

A NEGLIGÊNCIA NA GUARDA DO DIA DO SENHOR - 3/3



Como já dissemos, o Dia de Descanso é, antes de qualquer coisa, um grande benefício para o homem. Quando acordamos no DOMINGO – nosso dia de DESCANSO, pela manhã, devemos orar agradecidos a Deus: “Senhor, obrigado porque não estou obrigado aos meus afazeres cotidianos neste dia. Não vou pegar ônibus lotado, metrô lotado, não vou me cansar com meus trabalhos exaustivos, enfrentar trânsito e todas as dificuldades que são próprias dos outros dias da semana.

Mas, dissemos DOMINGO? Se o mandamento manda guardar o SÁBADO, porque, então, guardamos o DOMINGO?

Antes, precisamos entender algo sobre estes dois termos: PRINCÍPIO e NORMA.

Tanto o termo “Princípio” como o termo “Regra ou Norma” foram emprestados do vocabulário jurídico. O princípio é mais geral e abrangente; sua atuação é mais ampla e geralmente não pode ser modificado, por ser um elemento fundante e regulador. A norma é mais específica, restrita e pode sofrer variação.

No caso da guarda do dia de descanso também existe um PRINCÍPIO e uma REGRA.

O PRINCÍPIO é: “Trabalhar seis dias e descansar um”. Assim como ocorre em todo princípio regulador, não há negociação. Ou seja, não tem como modificar esse princípio para, por exemplo, “trabalhar cinco dias e descansar dois” ou mesmo “trabalhar os sete dias e não descansar nenhum”. É função do Princípio estabelecer  que um dia em cada sete deve ser reservado para o descanso, mas não é o princípio que estabelece qual será este dia, a NORMA o fará. O Princípio é maior que a NORMA e a REGULA.

A NORMA é responsável por estabelecer qual será este dia de descanso, ordenado pelo PRINCÍPIO. No Velho Testamento a NORMA estabeleceu que “o dia de descanso seria o sétimo, o sábado. 

Perceba que é o PRINCÍPIO que regula a NORMA e não o contrário. Ou seja, não é possível mudar o que estabelece o PRINCÍPIO, isto é, “trabalhar seis dias e descansar um”. Já a NORMA, como toda norma, pode sofrer modificação, bastando para isso mudar a situação ou a percepção do legislador.

A essa altura você já deve ter percebido que o que estamos dizendo é que o DIA DE DESCANSO, em si, pode ser mudando pelo legislador competente; só não pode ser mudado o PRINCÍPIO que estabelece a necessidade do descanso. Ou seja, não é possível afirmar a não necessidade do "dia de descanso".

Os reformadores do século XVI, ao que parece, não entendiam assim, em relação ao 4º mandamento. Eles:

Tinham seguido Agostinho e, em geral, o ensino medieval, negando que o domingo fosse, em qualquer sentido, um dia de descanso. Eles afiançavam que o sábado, prescrito pelo quarto mandamento, era um mandamento tipicamente judaico, prefigurando o “descanso” proveniente do relacionamento com Cristo (PACKER, 1996, p.257).

Packer chega a dizer que os Reformadores chegavam a ser incoerentes, pois seguiam Agostinho, que negava o Domingo como dia de descanso, e, ao mesmo tempo:

Defendiam a autoridade divina e a obrigação de observar o quarto mandamento, requerendo que um dia em cada sete fosse empregado na adoração e serviço de Deus (e não guardavam o sétimo, como previa o mandamento – grifo nosso), admitindo somente as obras de necessidade e de misericórdia (PACKER, 1996, p.259).

Fechando a questão sobre esse assunto, diz Packer:

Nesse ponto, os Puritanos foram à frente dos reformadores [...]. Eles, contudo, corrigiram essa incoerência. De forma virtualmente unânimes, insistiram que [...], havia um princípio de um dia de descanso [...] após cada seis dias de trabalho (PACKER, 1996, p.258).

A Confissão de Fé de Westminster é clara em entender a existência do PRINCÍPIO e da NORMA no quarto mandamento. Vejamos:

Deus designou particularmente um dia em sete para ser um sábado (descanso) santificado por Ele (aqui temos o princípio – grifo nosso); desde o princípio do mundo, até a ressurreição de Cristo, esse dia foi o último da semana (aqui temos a norma que estabelece o dia – grifo nosso); e desde a ressurreição de Cristo foi mudado para o primeiro dia da semana, dia que na Escritura é chamado Domingo, ou dia do Senhor (aqui também temos a norma que modifica o dia – grifo nosso), e que há de continuar até ao fim do mundo como o sábado cristão (WESTMINSTER, XXI, VII).

Vejamos os textos que demonstram o dia em que Cristo ressuscitou, bem como qual era o dia que a igreja primitiva e, posteriormente, a igreja apostólica usavam para suas reuniões, depois da ressurreição de Cristo. É fora de qualquer dúvida e é absolutamente claro que os cristãos primitivos não continuaram guardando o sábado:

No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra estava revolvida” (Jo 20:1);

“Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco" (Jo 20:19);

Passados oito dias, estavam outra vez ali reunidos os seus discípulos, e Tomé, com eles. Estando as portas trancadas, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco” (Jo 20:26);

No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite (Atos 20:7);

Quanto à coleta para os santos, fazei vós também como ordenei às igrejas da Galácia.  No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando, para que se não façam coletas quando eu for (I Cor 16:1-2).

"Achei-me em espírito, no Dia do Senhor, e ouvi, por detrás de mim, grande voz, como de trombeta" (Apoc 1:10).  

Historicamente a expressão "Dia do Senhor" tem sido interpretada, especialmente por teólogos ortodoxos como um sinônimo para o "Domingo", por conta da Ressurreição de Cristo.

Em Sermão pregado na manhã de Domingo de 13 de Abril de 1873, sobre o dia do Senhor, Spurgeon disse:

 "O primeiro dia da semana comemora a ressurreição de Cristo, e, seguindo o exemplo apostólico, temos constituído o primeiro dia da semana como nosso dia de repouso. Isso não nos sugere que o repouso de nossas almas deve ser achado na ressurreição de nosso Salvador? Não é certo que uma clara compreensão da ressurreição de nosso Senhor é, através do Espírito Santo, o meio mais seguro de trazer paz as nossas mentes? Ser participante da ressurreição de Cristo é desfrutar desse dia de repouso que resta para o povo de Deus. Nós que temos crido no Senhor ressuscitado entramos no repouso, assim como Ele mesmo repousa a destra de Deus. Nele descansamos porque Sua obra foi consumada e Sua ressurreição é a garantia de que aperfeiçoou todo o necessário para a salvação de Seu povo, e nós estamos completos Nele".

É justo dizer que algumas interpretações entendem o "Dia do Senhor" ou o "Dia de Descanso", o Domingo, apenas como uma figura do descanso eterno. Porém, Certamente, encontramos na Ressurreição de Cristo, igualmente, os dois grandes motivos que serviram de base para o estabelecimento do Dia de Descanso, no VT (veja a postagem 1/3 dessa série sobre o Dia do Senhor), visto que a Ressurreição de Cristo é a causa fundante de toda a realidade espiritual. Afinal de contas, "se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé" (I Cor 15:14). São eles:

a) A CRIAÇÃO - à semelhança de Êxodo 20:2-11 (ver 2/3)


E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas (II Coríntios 5:17).


Pois nem a circuncisão é coisa alguma, nem a incircuncisão, mas o ser nova criatura (Gálatas 6:15).


Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo. Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram. E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras (Apocalipse 21:1-5).


b) A LIBERTAÇÃO DA ESCRAVIDÃO - à semelhança de Deuteronômio 5:14-15 (ver 2/3)



Em verdade, em verdade vos asseguro: todo aquele que pratica o pecado é escravo do pecado (João 8:34).

Porque, se fomos unidos com ele na semelhança da sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição, sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos; porquanto quem morreu está justificado do pecado. Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos, sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido, de uma vez para sempre morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus (Romanos 6:5-11). 

Por fim, algumas questões bem práticas:

a) As pessoas no VT conseguiam guardar o mandamento porque se preparavam para isso: “de que, trazendo os povos da terra no dia de sábado qualquer mercadoria e qualquer cereal para venderem, nada comprariam deles no sábado, nem no dia santificado; e de que, no ano sétimo, abririam mão da colheita e de toda e qualquer cobrança (Neemias 10:31) e “Naqueles dias, vi em Judá os que pisavam lagares ao sábado e traziam trigo que carregavam sobre jumentos; como também vinho, uvas e figos e toda sorte de cargas, que traziam a Jerusalém no dia de sábado; e protestei contra eles por venderem mantimentos neste dia (Neemias 13:15). Devemos fazer o mesmo;

b) Veja o que ensina o Catecismo Maior de Westminster: 118. Por que é o mandamento de guardar o sábado (=Dia do Senhor ou Domingo) mais especialmente dirigido aos chefes de família e a outros superiores? O mandamento de guardar o sábado (=Dia do Senhor ou Domingo) é mais especialmente dirigido aos chefes de família e a outros superiores, porque estes são obrigados não somente a guardá-lo por si mesmos, mas também fazer que seja ele observado por todos os que estão sob o seu cuidado; e porque são, às vezes, propensos a embaraçá-los por meio de seus próprios trabalhos (Ex 23:12).

c)  Assim como cabia à liderança do povo no VT cuidar para que o DIA DO SENHOR fosse observado, cabe à liderança da Igreja hoje fazer o mesmo: “Conselhos e pastores devem mostrar-se ATENTOS e ZELAR cuidadosamente para que o dia do Senhor seja santificado pelo indivíduo, pela família e pela comunidade” (PRINCÍPIO DE LITURGIA DA IPB. Capítulo I, Artigo 4);

d)  Se não conseguir guardar o dia inteiro, como prevê o mandamento, comece aos poucos: vá à igreja pela manha e à noite, pelo menos; descanse um pouco e assim você já terá dado um importante passo para a guarda desse mandamento bendito, estabelecido para nosso próprio bem.

e) Apesar da existência de um "Princípio", que estabelece, claramente, que devemos "descansar um dia a cada seis trabalhados", esse princípio não nos autoriza a definirmos qual será o dia de descanso, como adequação às nossas necessidades e agendas. A norma do VT, atendendo a esse princípio eterno, estabeleceu o sétimo dia para ser o dia de descanso e a do NT mudou para o primeiro dia da semana, por conta da Ressurreição de Cristo. Não podemos definir, por nós mesmos, o dia a ser escolhido para ser o "dia descanso". Apenas alguém com autoridade inspirativa pode mudar a norma. Isto é, ninguém pode dizer que seu "dia de descanso" é a segunda-feira, por exemplo. Apenas a bíblia pode mudar a norma e só a vemos definindo o sétimo dia (no VT) e, depois, mudando para o primeiro dia (no NT, porque Cristo ressuscitou no primeiro dia da semana; dia em que os apóstolos, com autoridade inspirativa, passaram a se reunir com a igreja de Cristo). 

2 comentários:

  1. Caro professor. Eu de fato fiquei um pouco desapontado com essa ultima parte falada dos dias. Achando que seria mais convincente, como estou discordando... Vamos lá: “No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra estava revolvida” (Jo 1:20);
    Não se trata de reunião. Isso se trata apenas de um evento singular aonde após justamente o dia de sábado ela vai ao sepulcro. Falando a relação de dias pra deixar claro no evento da ressureição.
    “Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco" (Jo 20:19);


    “Passados oito dias, estavam outra vez ali reunidos os seus discípulos, e Tomé, com eles. Estando as portas trancadas, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco” (Jo 20:26);
    Esses encontros também se tratam de eventos singulares em decorrência do medo dos judeus “e a portas trancadas” não se tratando de “reuniões publicas”.
    No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite (Atos 20:7);

    Quanto à coleta para os santos, fazei vós também como ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando, para que se não façam coletas quando eu for (I Cor 16:1-2).
    Então por conta desses 2 versículos devemos concluir que as reuniões publicas eram sempre feitas aos domingos?
    Então o pentecostes era no domingo? Então o que dizer do dia de pentecostes? “Chegando o dia de Pentecoste, estavam todos reunidos num só lugar.” Atos 2: 1. E Paulo ensinado aos gentios. “No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a palavra do Senhor.” Atos 13:44.
    “No sábado saímos da cidade e fomos para a beira do rio, onde esperávamos encontrar um lugar de oração. Sentamo-nos e começamos a conversar com as mulheres que haviam se reunido ali.” Atos 16:13.




    Achei-me em espírito, no dia do Senhor, e ouvi, por detrás de mim, grande voz, como de trombeta (Apoc 1:10);
    Queria saber de onde veio à ideia de que nessa passagem ele se referia ao domingo quando ele cita dia do Senhor. Esse versículo é ate mesmo um ótimo contra argumento para a própria postagem. Indicando que os cristãos sabiam do dia do Senhor. A bíblia menciona o dia do Senhor em varias partes como o dia da Sua vinda. E não há nada que indique que esse dia foi o domingo. Nem esses versículos que o senhor citou. E pra juntamente indicar o contrario. Que ele se referia ao sábado como dia do Senhor.
    “então lhes disse: “O Filho do homem é Senhor do sábado”” Lucas 6:5.
    “Se você vigiar seus pés para não profanar o sábado e para não fazer o que bem quiserem meu santo dia; se você chamar delícia o sábado e honroso o santo dia do Senhor, e se honrá-lo, deixando de seguir seu próprio caminho, de fazer o que bem quiser e de falar futilidades,” Isaías 58:13
    Quanto a questão principio/norma do quarto mandamento. Como não foi mencionado fundamento bíblico eu pergunto qual foi o critério pra definir o que é principio ou norma? Somente o que convém hoje? Poderia falar que o sábado foi estabelecido desde a criação e que foi considerado santo por Deus. E que Ele mesmo tem cuidado do que é santo tanto que manda Moises e Josué tirarem as sandálias ao pisarem em solo sagrado. Logo o senhor que fez postagens sobre a imutabilidade de Deus. Acho ate aceitável algumas denominações acharem que o quarto mandamento não está mais em vigor mencionando :” Portanto, não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa ou à celebração das luas novas ou dos dias de sábado.” Colossenses 2:16.
    Mas a mudança pro domingo não tem fundamento bíblico nenhum.
    E mais uma pergunta:
    O que aconteceu com o face do senhor?

    ResponderExcluir
  2. Prezado aluno, que não se identificou..rs:

    1- Antes de qualquer coisa, devo dizer que essa postagem não é de natureza apologética. Ou seja, com a intenção de provar que o Domingo é o "Sábado Cristão". Antes, pelo contrário, ela foi direcionada a pessoas que já acreditam nisso mas que, por algum motivo, têm "negligenciado o dia do Senhor", que é o título da postagem, inclusive;

    2- Dizer que o dia a ser guardado é o domingo é dizer o que diz a ortodoxia cristã, especialmente a Reformada, particularmente com os Puritanos. Há vasta literatura sobre o tema; muitas de natureza apologética.

    3- Seu comentário me fez observar a necessidade de pontuar mais o principal motivo pelo qual guardamos o domingo: A Ressurreição de Cristo. De fato, deveria ter tratado melhor essa questão e o farei, assim que possível. Por agora, basta dizer que o principal motivo pelo qual a teologia cristã ortodoxa e especialmente Reformada ensina para guardar o domingo é exatamente a ressurreição de Cristo. Sugestão de leitura rápida: http://www.monergismo.com/textos/dez_mandamentos/shabbath-dia-Senhor_McNaughton.pdf; http://mulheresabias.blogspot.com.br/2013/12/o-cristao-deve-guardar-o-sabado-shabat.html e http://www.monergismo.com/textos/dez_mandamentos/Sabbath-obrigatorio-eraNT_Schwertley.pdf (esses de caráter mais apologético).

    4- Historicamente a interpretação de Apocalipse 1:10, no que diz respeito a expressão "Dia do Senhor", tem sido interpretada, pelos protestantes, como sendo o Domingo, que era, tudo indica, o dia em que a igreja passou a se reunir, depois da ressurreição de Cristo.De tanto se reunir nesse dia, virou expressão corrente entre os cristãos do 1º e 2º séculos chamar o domingo de "Dia do Senhor", termo utilizado pelo apóstolo João, que viveu até o final do 1º século. Seus discípulos imediatos, bem como os chamados "pais da igrejas" (primeiros líderes pós era apostólica) também confirmam isso. Claro que há quem conteste essa interpretação, como os adventistas, por exemplo. Mas, para cada argumentação deles existe uma contra-argumentação e por aí vai;

    5- Se observar bem na parte 1/3 da postagem, vai perceber que a lei de Deus é dividida em 3 partes. O sábado estava contemplado tanto na lei cerimonial quanto na lei moral (os 10 mandamentos). Assim sendo, não guardamos o sábado como um aspecto cerimonial e, sim, moral, como uma necessidade estabelecida pelo mandamento, pra nosso bem, de guardar 1 dia em casa 7 trabalhados. Portanto, o texto de Colossenses 2:16, citado por vc, certamente, se refere ao aspecto da Lei cerimonial, não mais em vigor. Contudo, não podemos negar que o 4º mandamento, por ser da lei moral de Deus, ainda está em pleno vigor; caso contrário, por uma questão de coerência, deveríamos tb descartar o "não matarás" e "não adulterarás", etc.

    Existem também várias obras em português que tratam sobre a "mudança da guarda do sétimo dia para o primeiro dia da semana":

    Do Shabbath para o dia do Senhor - D A. Carson
    O Dia do Senhor - Joseph Pipa

    Além de outras confissões reformadas e livros de teologia sistemática.

    6- Quanto ao face, desativei por algum tempo.

    Forte abraço!

    ResponderExcluir

Divulgue meu Blog no seu Blog