sábado, 27 de agosto de 2016

A NEGLIGÊNCIA NA GUARDA DO DIA DO SENHOR - 1/3


TEXTO BÁSICO:  Deuteronômio 5:14-15 e Êxodo 20:8-11


Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o SENHOR, teu Deus. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu boi, nem o teu jumento, nem animal algum teu, nem o estrangeiro das tuas portas para dentro, para que o teu servo e a tua serva descansem como tu; porque te lembrarás que foste servo na terra do Egito e que o SENHOR, teu Deus, te tirou dali com mão poderosa e braço estendido; pelo que o SENHOR, teu Deus, te ordenou que guardasses o dia de sábado (Deuteronômio 5:14-15). 

Lembra-te do dia de sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR, teu Deus; não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o forasteiro das tuas portas para dentro; porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou (Êxodo 20:8-11).

INTRODUÇÃO:

Na história do povo de Deus vemos muitas vezes o povo sendo CHAMADO, CONVOCADO a voltar-se para Ele.

Lembremos do tempo de José, quando o povo ainda estava dividido entre servir a Deus e a outros deuses e o Deus Soberano, Criador e Preservador de todas as coisas, por meio de Josué, disse:

Porém, se vos parece mal servir ao SENHOR, escolhei, hoje, a quem sirvais: se aos deuses a quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR (Josué 24:15).

Lembremos também do próprio Senhor Jesus que convoca o seu povo a tomar uma postura muito clara. Diz ele: “Ninguém pode servir a dois senhores” (Mateus 6:24).

Seguir a um Senhor pressupõe obedecer aos seus preceitos. Por mais que Deus seja longânimo um dia chamará seu povo à ordem, como ocorreu no tempo de Josué e em tantos outros momentos registrados nas Escrituras Sagradas.

A nós nos parece que vivemos um tempo de chamar o povo de Deus à ordem em relação ao Dia do Senhor.

ELUCIDAÇÃO:

Os dois textos acima, que servirão de base para nossa exposição, tratam sobre o mesmo assunto: A GUARDA DO SÁBADO ou do SHABBATH, que quer dizer DIA DE DESCANSO.

Antes que alguém possa dizer que isso é um assunto que ficou circunscrito ao VT, precisamos relembrar que a LEI de Deus é dividida em três partes:

a)  LEI CIVIL: são aquelas leis que serviam exclusivamente para o bom funcionamento do Estado de Israel enquanto nação. Nós não estamos obrigados a seguir essa parte da Lei;

b)    LEI CERIMONIAL: São aquelas leis religiosas que serviam para organizar os ritos cúlticos de Israel e que apontavam para Cristo, como que “sombras das coisas que haviam de vir” (Col 2:17). Eram as festas, os sacrifícios sanguinolentos e todos aqueles ritos do VT, que apontavam para Cristo, que eram uma espécie de “tipo” de Cristo. Nós também não estamos obrigados a essa parte da Lei.

c) LEI MORAL: São aquelas Leis que servem para ordenar o nosso relacionamento com Deus e com nosso próximo. Percebam que a própria natureza do objetivo dessa parte da Lei já deixa claro que ela está em pleno vigor ainda hoje. É a parte da Lei resumida nos dez mandamentos. Estamos absolutamente obrigados a obedecer essa parte da Lei de Deus. Do contrário poderíamos “matar, roubar, adulterar” e nada disso se constituiria pecado.

O quarto MANDAMENTO dessa LEI MORAL, aquela que ainda está em pleno vigor, consiste em RESERVAR, GUARDAR um dia inteiro a cada 6 trabalhados, para:

a) Nosso próprio descanso, do corpo e das atividades cotidianas;

b) Maior dedicação ao Senhor.

Já aqui percebemos algo muito importante: A GUARDA DO SÁBADO OU SHABBATH NÃO DEVE SER UM FARDO PESADO DE CARREGAR. Pelo contrário, é, antes, um bálsamo, um alívio, um grande privilégio concedido por Deus.

É bem verdade que os intérpretes da Lei acabaram por transformar algo que foi estabelecido para o bem do homem em algo muito custoso, sofrido, enfadonho de ser cumprido. Jesus, porém, trouxe de volta a interpretação correta do assunto, quando ensina: “O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado (Marcos 2:27)”. Precisamos resgatar essa interpretação da Lei de Deus.

Mas, notem: é para nosso deleite e para nosso bem, porém há uma dimensão de obrigatoriedade também. Afinal, é um MANDAMENTO da Lei Moral de Deus.

Gosto de pensar esse MANDAMENTO como a Lei de trânsito que obriga o motoqueiro a usar capacete. É uma Lei, portanto, não deve ser discutida, e, sim, cumprida, mas é exclusivamente para o bem do motoqueiro, para beneficiá-lo, para preservar sua vida. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgue meu Blog no seu Blog