sábado, 18 de abril de 2015

A LIBERDADE CRISTÃ - 1/6


TEXTO BÁSICO:   “De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus” (II COR 5: 20).

INTRODUÇÃO:

Há um livro cujo título é “O Peregrino”, que é simplesmente o 3º livro mais publicado no mundo, perdendo apenas para  bíblia e para “O pequeno príncipe”. Escrito pelo pastor batista John Bunyan e publicado na Inglaterra em 1678, O livro é uma alegoria da vida cristã.

Bunyan relata, no prefácio, que escreveu "O Peregrino" como uma forma de alerta aos perigos e vicissitudes enfrentados na vida religiosa por aqueles que seguem os ensinamentos bíblicos e quer  levar o leitor a refletir sobre como deve ser vigilante na vida terrena; simbolizada pela jornada de Cristão.

O livro conta a história de um jovem peregrino, chamado simplesmente de Cristão, que segue sua jornada por um caminho estreito, indicado por um homem chamado Evangelista, pelo qual se pode alcançar a Cidade Celestial. Na narrativa, todas as personagens e lugares que o peregrino se depara levam nomes bem sugestivos, como Hipocrisia, Boa-Vontade, Sr. Intérprete, gigante Desespero, A Cidade da Destruição, O Castelo das Dúvidas, etc. MUITOS DELES TÊM A MISSÃO DE DESVIAR O PEREGRINO DE SEU CAMINHO.

Essa ideia de que somos PEREGRINO está completamente em harmonia com o ensinamento das Escrituras. Existe uma quantidade considerável de textos bíblicos que nos lembram que somos peregrinos, isto é, que NÃO SOMOS CIDADÃOS DESSE MUNDO; QUE ESTAMOS AQUI DE PASSAGEM, CAMINHANDO À NOSSA PÁTRIA CELESTIAL, que nossa pátria não é aqui e que, portanto, não devemos nem amar, nem buscar as coisas desse mundo:

Jo 17:13-16;  “Sou peregrino na terra; não escondas de mim os teus mandamentos” (Salmo 119.19); “Todos estes morreram na fé, sem ter obtido as promessas; vendo-as porém, de longe, e saudando-as, e confessando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra” (Hebreus 11.13 );  “Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma” (1 Pedro 2.11); “Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus” (Efésios 2.19);


ELUCIDAÇÃO:

No texto transcrito inicialmente - II Cor 5:20 -, Paulo também fala de um PEREGRINO, isto é, de alguém que ESTÁ EM UM PAÍS, MAS NÃO É DAQUELE PAÍS.

Em certo sentido, Paulo reveste de especial responsabilidade esse PEREGRINO. 

Essa responsabilidade é TAMBÉM estendida a todos os Cristãos. Muito embora o texto possa apontar para Ministros do Evangelho, a maioria dos comentaristas está de acordo com essa interpretação.

Paulo diz que esse PEREGRINO é também um EMBAIXADOR de Cristo.

O que significa isso? O que significa ser um embaixador?

O PEREGRINO EMBAIXADOR está em um país estrangeiro, mas é regido pelas LEIS de seu país de origem. A própria embaixada deve ser regida como se fosse uma extensão do seu país que representa. É um pedaço de um país dentro de um país estrangeiro e o EMBAIXADOR é seu representante.

Comentando esse texto, Simon Kistemaker diz que o EMBAIXADOR é uma pessoa que:

“Foi nomeada como porta-voz para representar um Rei, um governador ou uma comunidade. Um embaixador representa seu governo ao transmitir ao país que o recebe as palavras do seu presidente” (SIMON. Comentário II Cor, pg.280. Citação sem rigor metodológico).

É o que somos! Somos PEREGRINOS; mas não qualquer peregrino. Somos PEREGRINOS EMBAIXADORES DO REINO CELESTIAL. Portanto, temos que viver aqui neste mundo, mas com os PADRÕES DO MUNDO CELESTIAL. NÃO podemos viver e transmitir a mensagem desse mundo. Precisamos transmitir a mensagem da PÁTRIA que estamos representando – a PÁTRIA CELESTIAL.

“Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo” (Fil 3:20),

“Todos estes morreram na fé, sem ter obtido as promessas; vendo-as, porém, de longe, e saudando-as, e confessando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra. Porque os que falam desse modo manifestam estar procurando uma pátria. Mas, agora, aspiram a uma pátria superior, isto é, celestial. Por isso, Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus, porquanto lhes preparou uma cidade”. (HB 11:13-16).

Com essa perspectiva de que somos PEREGRINOS, EMBAIXADORES de Cristo, agora sim, podemos abordar nosso:

TEMA: A LIBERDADE CRISTÃ

A LIBERDADE CRISTÃ, nada mais é que o NÍVEL de RELACIONAMENTO que esse PEREGRINO, que esse EMBAIXADOR, pode ter com esse país, com esse MUNDO, onde está vivendo sem, contudo, ferir aos interesses da PÁTRIA CELESTIAL, da qual é REPRESENTANTE.

Enquanto vive nesse país, nesse MUNDO, DE PASSAGEM e MOMENTANEAMENTE, O que esse PEREGRINO EMBAIXADOR pode utilizar dele? No que pode se beneficiar dele? De que pode agradar-se dele?

Aqui já podemos notar que o relacionamento desse PEREGRINO, desse EMBAIXADOR com esse MUNDO, com esse lugar, onde vive momentaneamente, é e deve ser bem RESTRITO e LIMITADO. Por dois motivos:

a) Primeiro porque ele está, enquanto PEREGRINO, caminhando rumo à sua PÁTRIA CELESTIAL, todos os dias, todos os momentos e não pode perder tempo com as coisas desse mundo; precisa estar o tempo todo focado em buscar os interesses de sua PÁTRIA (II TIM 2: 3-4).

b) Segundo porque o LOCAL onde está vivendo como ESTRANGEIRO, PEREGRINO, EMBAIXADOR é hostil e quer o tempo todo desviá-lo de sua missão, de sua CAMINHADA rumo à PÁTRIA CELESTIAL à semelhando do que ocorre no livro “O Peregrino” (I JO 2:15-17).

Quando um PEREGRINO, um EMBAIXADOR não tem isso bem claro em sua mente ele abandona a missão; ele deixa de representar sua PÁTRIA e passa a viver de conformidade com as LEIS e os COSTUMES do país/MUNDO onde está morando.

Paulo relata um caso assim: “Porque Demas, tendo amado o presente século, me abandonou” (II TM 4:10).

William Hendriksen, comentando esse texto diz que foi uma separação espiritual, de fato, que causou muita decepção em Paulo e que não se tem notícia de que ele tenha se arrependido, como Marcos, o que pode ter ocorrido ou não. Ele perdeu o foco, deixou de ser PEREGRINO, fixou residência nesse MUNDO; deixou de ser EMBAIXADOR. Contudo, o contexto aqui não deve ser entendido como soteriológico. 

O fato, prezados, É QUE MUITOS PEREGRINOS têm AMADO o presente século, as coisas desse mundo; mais que as de sua PÁTRIA CELESTIAL. Não têm, portanto, sido bons REPRESENTANTES/EMBAIXADORES DE CRISTO.

Em fim, a questão da LIBERDADE CRISTÃ diz respeito ao RELACIONAMENTO desse PEREGRINO/EMBAIXADOR com o MUNDO. O que pode fazer e o que não pode fazer.

Esse RELACIONAMENTO pode ser dividido em 3 EIXOS. Estaremos abordando cada um deles nas próximas postagens. Não deixe de conferir.

Divulgue meu Blog no seu Blog