sexta-feira, 17 de maio de 2013

BREVES REFLEXÕES SOBRE A LAICIDADE DO ESTADO



O que significa um Estado Laico? Responder e ter clareza sobre isso é de grande importância. A falta de conhecimento ou mesmo um conhecimento apenas superficial do que realmente significa um Estado Laico tem levado religiosos e ateus a assumirem posturas igualmente extremistas.

Pode o Estado manter em suas repartições símbolos religiosos, por exemplo? Essa é apenas uma questão a ser refletida. Talvez, uma das menores. Porém, é uma questão sintomática. Ela revela o grau de distorção acerca desse assunto.

Antes de continuarmos, vamos rever a definição de Estado Laico, de forma simples e sintética:

“Um Estado secular ou estado laico é um conceito do secularismo onde o Estado é oficialmente neutro em relação às questões religiosas, não apoiando nem se opondo a nenhuma religião. Um estado secular trata todos seus cidadãos igualmente, independente de sua escolha religiosa, e não deve dar preferência a indivíduos de certa religião. Estado teocrático ou teocrático é o contrário de um estado secular, ou seja, é um estado onde há uma única religião oficial (como é o caso do Vaticano e do Irã). O Estado secular deve garantir e proteger a liberdade religiosa e filosófica de cada cidadão, evitando que alguma religião exerça controle ou interfira em questões políticas. Difere-se do estado ateu - como era a extinta URSS - porque no último o estado se opõe a qualquer prática de natureza religiosa. Entretanto, apesar de não ser um Estado ateu, o Estado Laico deve respeitar também o direito à descrença religiosa”. Conforme: http://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_secular.

Devemos notar que o Estado Laico não é contra a Religião ou a Religiosidade. Antes, pelo contrário, ele tem o dever de defender o direito de culto ou de qualquer outra expressão religiosa do cidadão.

Os ateus, sob a alegação de terem seu “direito de não crer” violado, querem transformar de forma sutil, inteligente, maliciosa, discreta, imperceptível e intencional o “Estado Laico” em um “Estado ateu”. Ou seja, querem que o Estado se oponha a qualquer tipo de Religiosidade ou expressão religiosa. Querem proibir o uso de símbolos religiosos em repartições públicas, por exemplo. Mas, será que isso é uma reinvindicação válida e justa? Sim e Não, eu diria. Vejamos:

Sim, se o símbolo religioso tiver sido adquirido com dinheiro público, principalmente.

Mas há ainda outras situações, mais gerais e abrangentes, que tornaria a reclamação dos Ateus e de, agora, “outros credos”, justa e válida:

a)Se o símbolo religioso “peculiar” estiver ocupando área comum de espaço público. Exemplo: uma imagem de uma santa católica no pátio da Secretaria de Educação do Estado, ainda que não tenha sido adquirida com dinheiro público. Um protestante, certamente, não iria gostar de ver que um espaço que “também” lhe pertence está sendo usurpado por uma crença que ele definitivamente não concorda. Da mesma forma o ateu.

b)Se o espaço público estiver sendo utilizado com o fim de divulgar uma “bandeira religiosa” específica. Exemplo: um evangélico que prega sua mensagem no metrô. Por mais que entendamos que a mensagem pregada é verdadeira, não dá pra conviver harmonicamente com esse tipo de prática num Estado Laico. O que os evangélicos achariam se um religioso do Candomblé resolvesse fazer um “despacho” no metrô? Essa é uma expressão religiosa tal qual sua pregação. Nesse caso, se o Estado Laico entende ou permite que o evangélico manifeste sua expressão religiosa, deve também assegurar o mesmo direito ao Macumbeiro.

Não, se o símbolo religioso estiver sendo usado por um funcionário público ou mesmo por um contribuinte, no exercício pleno de sua liberdade religiosa e nos limites de seu espaço particular.

A França, por lobby do ateísmo, proibiu até mesmo que alunas frequentassem aulas usando a tradicional “burca”, símbolo religioso do Islamismo. Isso não é, definitivamente, ato legítimo de um Estado Laico. Isso é decreto de “Estado Ateu”. É uma invasão e uma violação à liberdade religiosa e à própria liberdade, em si. Curiosamente isso ocorreu no país que é considerado um dos mais importantes símbolos da Liberdade. 

Nesse sentido, o funcionamento do Estado Laico é análogo ao de um condomínio. Ou seja, cada condômino tem total liberdade de encher seu apartamento com santos católicos ou da umbanda, por exemplo. Porém, ele não pode utilizar as áreas comuns do condomínio para fazer prevalecer seus símbolos religiosos ou ainda a cor de sua preferência individual, com a qual pinta seu imóvel.

Evidentemente que existem outras questões mais complexas que envolvem esse assunto e que não iremos abordar nessa breve reflexão, como por exemplo: a questão do “casamento gay”, da “adoção de filhos por casais gays”, o “direito a pensão alimentícia e herança em caso de relações homoafetivas” e tantas outras.

Algumas dessas questões não possuem nenhum caráter religioso. Trata-se apenas de uma questão de justiça, como é o caso do direito a herança e de ser dependente em planos de saúde, requeridos pelos gays. Nessas, o estado deve resolver e, sequer, perguntar algo aos religiosos. Outras, porém, envolvem questões de crença, como o chamado “casamento gay e adoção”. Os não religiosos e ateus, porém, não reconhecem isso. Querem até que o Estado ignore a opinião dos Religiosos. Mas essa é uma postura de um Estado Ateu e não de um Estado Laico.

terça-feira, 14 de maio de 2013

O JESUS MORDOMO DOS NEOPENTECOSTAIS


Agente escuta cada uma em ônibus. Já usei essa frase antes, quando escrevi um post intitulado "O Evangelho do Biscoito e o Homicídio do Cérebro". Ao final dessa postagem você poderá clicar no link para conferir.

O fato é que tive novamente o desprazer de ouvir outra pérola. Alguém conhece algum equipamento que bloqueia a audição ao menor sinal de besteirol gospel? Como não existe isso, é melhor nos contentarmos com o dito popular "é melhor ouvir isso do que ser surdo". Então permita-me relatar o fato:

Toca o celular de uma senhora e ela atende: "Alô, a paz do Senhor". Nesse momento já estava claro: era um telefonema entre crentes. "Tu tás onde", perguntou a irmã. "Eu já estou no ônibus", disse e continuou: "Marminina (é o bode gaiato é?) ainda tás na parada é?".

E, agora....a cartada final:

"Se preocupe não que vou orar pra Jesus agora pra ele mandar seu ônibus".

Sinceramente, não sei se estou exagerando ou se estou perdendo a "fé". Será que o trocadilho "uns fé-de-mais e outros fé-de-menos" realmente está certo? Eu, obviamente, seria aquele que fé-de-menos".

Naquele mesmo instante me veio à mente a figura de um mordomo pronto a servir ao seu senhor, ou melhor, à sua senhora. Esse pessoal leva a sério mesmo o texto que Jesus diz que "não veio para ser servido e sim para servir" (Marcos 10:45).

Ela disse assim, repito:

"Se preocupe não que vou orar pra Jesus agora pra ele mandar seu ônibus".

Eu ouvi assim a oração daquela crente de uma igreja neopentecostal, totalmente envolvida e enlamiada pelo teologia da properidade, que transforma, em última análise, Deus em empregado dos crentes:

"Se preocupe não que vou mandar James, meu famoso mordomo, providenciar um ônibus pra você agora. Afinal, ele é meu empregado; faz tudo que eu mando e na hora em que eu ordeno".

Agora veja outro modelo de oração:

"E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres" (Mateus 26:39).

Quanta diferença!

Escute a música abaixo e entenderá melhor o que estamos argumentando. Logo no início, a denúncia contra os falsos ensinamentos dos falsos apóstolos de hoje em dia:

"Eu sinto verdadeiro espanto no meu coração
Em constatar que o evangelho já mudou.
Quem ontem era servo agora acha-se Senhor
E diz a Deus como Ele tem que ser"

sexta-feira, 10 de maio de 2013

NO DIA DAS MÃES, DIGA-LHE O QUANTO SEU AMOR É PECAMINOSO


Neste mundo conturbado em que o ódio e a violência imperam, temos um referencial de amor a seguir: a figura da mãe. Esse amor é cantado, é tema de novela, de filmes e de reportagens. “Amor só de mãe”, diz o dito popular.

De fato, talvez não tenhamos um modelo melhor e maior, entre os “só-humanos”, para falar de amor. Como diria o cantor Leonardo Sullivan “mãe é palavra que Deus inventou. Um anjo que à Terra chegou, voando nas asas do amor. Mãe, palavra mais doce que o mel, talvez um pedaço do céu, que Deus transformou em mulher”. 

O cantor-poeta traduziu bem nossos sentimentos em relação à nossa mãe; ela é praticamente um “extraterrestre”, com virtudes impossíveis de serem encontradas nos “outros” seres humanos. Ela tem superpoderes e ninguém ouse mexer com suas crias.

Ela é capaz de dar sua própria vida em favor dos seus filhos? Muitas têm feito isso.

Amor incontestável. Mas, amor a quem?

No livro do Profeta Isaías, está registrado a seguinte pergunta retórica: “Acaso, pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre?” (Isaías 49:15a). Obviamente que a resposta esperada é não.

A Bíblia também em I Reis 3:16-28 (não deixe de ler), nos dá um exemplo claro do que podemos adjetivar de “amor materno”. Esse amor transcende até às questões sociais. Ele é maior que a pobreza; é maior que a riqueza. Ele é o mesmo entre madames e prostitutas. O texto acima relata que uma prostituta abriu mão do seu próprio filho, deixando-o com sua rival, ex-mãe, para, por fim, poupar-lhe a vida, por conta do decreto Real para “dividir a criança ao meio” (v.25), visando acabar com aquela demanda. Enquanto uma queria vencer, a mãe só tinha uma preocupação: proteger a vida do seu filho. Isso era tudo o que importava. Ela não ligava para a dor que essa separação pudesse lhe trazer. Algo mais importante que sua própria vida estava em jogo. Muitas se anulam. Sim; muitas deixam de ser “mulher”, “pessoa”, “indivíduo” para que seus filhos sejam tudo.

Quanto amor! Amor incontestável. Mas, amor a quem?

O chamado “amor de mãe” é tido como puro; como a expressão mais límpida do amor. Mas, será que é mesmo? Pode de um coração corrupto brotar algo límpido e puro realmente? Não podemos esquecer que mesmo o “coração de mãe” está enegrecido pelo pecado. É corrupto. Tão depravado quanto pode ser. Todos os seus desígnios são “continuamente mau” (Gênesis 6:5). Para saber mais sobre esse assunto, sobre a depravação total do homem, acesse e leia sobre o primeiro ponto do Calvinismo: http://filosofiacalvinista.blogspot.com.br/2009/05/os-cinco-pontos-do-calvinismo.html

Desculpe dizer, mas o coração da sua mãe é corrupto. E sabe de uma coisa: se você que está lendo essa postagem também é mãe, não se iluda: o seu também é depravado; insistentemente corrupto. Sim, o amor que você diz ter por seu filho ou filha é contaminado pelo pecado. Não é límpido, não é puro e mais: é motivado por questões egoísticas.

Se a mãe é capaz de dar sua vida pelo filho, até mesmo de anular-se, não é, certamente, por singeleza de coração. Por amor puro. Antes, pelo contrário, é por um desejo secreto de “auto beneficiar-se” ou ainda de se “auto promover”. Mas isso está escondido no mais profundo de suas entranhas. Sim, eu sei. É lamentável dizer isso. Na verdade, quando a mãe ama o filho ou a filha, ela, na verdade, está “se amando”, pois acaba entendendo, inconscientemente, por conta do DNA do pecado, que seus filhos não passam de uma extensão dela. Vivendo o filho, ela vive. Tendo sucesso o filho, ela tem sucesso. Fracassando, é ela quem fracassa. Por ela e não pelos filhos, em última análise, é que ela luta desesperadamente para que seus filhos - sua projeção - prevaleçam. É um desejo tacanho e egoísta. Isso torna-se evidente quando a mãe lança mão e mata o hóspede do seu ventre; aborta, por entender que tem esse direito. Afinal, pensa equivocada e soberbamente: "é extensão do meu corpo, logo, posso dispor dele como bem entender". Na verdade, o mundo tem que girar ao seu redor. Por isso mesmo, quando os filhos chegam à adolescência e finalmente “cortam o cordão umbilical” e se apresentam como “outro-ser” e não mais sua extensão, as mães têm muito maior dificuldade em aceitar. Sentem-se, de certa forma, traídas, roubadas, subtraídas. Precisam, agora, aprender a “amar esse outro e novo ser” que se apresenta em sua frente; completamente outro. Essas coisas não podem ser reveladas. O mecanismo de defesa do cérebro não permite que isso venha à luz.

Mas a bíblia é terrível. Ela revela a maldade residente em nosso coração, por mais oculta que esteja. “todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia” (Isaías 64:6).

Lembra da pergunta retórica de Isaias, acima? Pois é, muitas mães têm esquecido dos seus filhos que ainda amamentam. Isso é fato. Mas, o texto quer ressaltar o amor verdadeiro e incomparável de Deus. Veja o texto:

“Acaso, pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre? Mas ainda que esta viesse a se esquecer dele, eu, todavia, não me esquecerei de ti (Isaías 49:15).

O amor de Deus, sim. Esse é o único desprovido de segundas intenções. Único puro; único límpido.

Neste dia das mães diga a sua mãe o quanto seu coração é dacaído, distanciado e inimigo de Deus. Diga-lhe que sua bondade não será suficiente para salvá-la. E que, se depender dela e do seu amor, ambos perecerão terrivelmente no inferno. Depois disso, fale sobre a graça de Deus. Única alternativa de salvação que lhe resta. 

Série: Datas comemorativas.

sábado, 4 de maio de 2013

CURSO DE LIDERANÇA CRISTÃ - 3/3

4.3- O QUE  O LÍDER PRECISA SABER?

4.3.1- COMUNICAR-SE BEM
           
Como já vimos, a liderança começa com uma visão, que é transformada, a partir do comprometimento de trabalhar em prol dela em missão, que é cumprida  por sua vez através do estabelecimento de metas. Mas, contudo, o líder não alcança seus objetivos sozinho, pois liderar pressupõe conduzir e trabalhar com pessoas. O líder precisa então COMUNICAR suas visões, idéias e objetivos. A comunicação é ao mesmo tempo a maior arma que o líder dispõe e  o maior desafio a dominar. COMUNICAR é entender e se fazer entendido. Chama-se  RUÍDO  tudo aquilo que atrapalha ou prejudica a comunicação. Na comunicação existe o  EMISSOR (quem está falando) e o RECEPTOR (quem está ouvindo).

Não existe em nossa vida algo que seja mais corriqueiro do que a COMUNICAÇÃO. Nos comunicamos o tempo todo com as pessoas, na escola, no trabalho, em casa, na igreja, em fim, desde que nos entendemos por “gente”, necessitamos e usamos (muito bem por sinal) a COMUNICAÇÃO.

Se as premissas acima são verdadeiras (e são) qual a dificuldade então que as pessoas têm, ou acham ter, para comunicar-se. Primeiro devemos constatar que a dificuldade se dá quando o FOCO DA COMUNICAÇÃO somos nós. Enquanto estamos interagindo com outras pessoas numa conversa por exemplo, não existe problema algum mas  quando é dito que as atenções estarão voltadas para o EMISSOR da comunicação e quando este emissor somos nós “as mãos começam a suar”. Tentaremos identificar esses problemas, que chamaremos de  BARREIRA PARA COMUNICAÇÃO e também tentar propor algumas soluções para minimiza-las e ainda dar algumas dicas de como comunicar-se bem.

Antes de qualquer coisa precisamos saber o seguinte: AS BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO SÃO IMAGINÁRIAS.  É muito interessante notar que essas barreiras de fato não existem, nós a colocamos lá.

Um caso típico de criação de “Barreiras Imaginárias” é o de Moisés em Êxodo capítulos 3 e 4. Essas barreiras criadas por Moisés são, em geral, as mesmas que nós criamos. Vejamos:

1-Falso complexo de inferioridade (Ex 3:11): Estamos o tempo todo, em nossa vida, na escola, no trabalho e aonde quer que seja, tentando provar que somos bons, que temos habilidades, que fazemos melhor que as outras pessoas, mas, quando estamos diante de uma situação   dessas, somos o “menor de todos”. Simples desculpa provocada pelo medo de nos vermos sendo analisados.

2- As pessoas não me darão ouvidos (Ex 3:13 e 4:1): Agora a culpa não é mais meu “falso complexo de inferioridade”, a culpa agora é das pessoas que me ouvirão. (esta desculpa é uma velha conhecida nossa);

3-Tenho problemas biológicos, físicos que não me permitem comunicar (Ex 4:10): No fundo todos sabemos que as barreiras da comunicação são invisíveis, mas, se por outro lado, alegamos limitações físicas, ninguém poderá contestar nossa incapacidade para a comunicação, sobre tudo se problemas de fala. (o grande problema dessa desculpa é quando não somos “gagos”).

4-Falso desejo de ver a “obra” ser feita de forma mais competente (Ex 4:13): “Senhor é verdade eu sei fazer, certamente conseguirei me comunicar, mas se o “irmão fulano” fizer isso em meu lugar, sairá um trabalho melhor para tua glória!”. Este irmão deveria já ter sido arrebatado. Se Deus nos chama para determinada tarefa é por que ele quer que façamos, que desenvolvamos nossas habilidades

5- A última cartada (Ex 4:17): Moisés já havia argumentado tudo que podia com Deus, Que já havia dado todas as soluções para as barreiras que levantara, agora dá sua última cartada. Se à semelhança de Labão (Gn 29), Jetro não o liberasse. Ele ouviu de seu sogro a última coisa que queria ouvir: “Vai-te em paz”. Qual será sua última cartada para não encarar o grande  desafio de comunicar-se enquanto líder?

Todas essas barreiras que criamos, criamos  basicamente por um único motivo, a saber, falta de prática, falta de cotidianidade, falta de hábito no lhe dar com o publico. É uma questão de treino. Todos são capazes e mais que isso: TODOS QUEREM  E ADMIRAM UMA BOA COMUNICAÇÃO.

É interessante notar que  não foram os RECEPTORES de  Moisés não impuseram todas essas barreiras e sim o próprio  EMISSOR, no caso, Moisés. Geralmente o receptor está tão somente esperando para ouvir, e logo percebemos olhos prontos a nos devorar (olhos que na verdade não existem).

Notem como Moisés venceu essas barreiras: Acaso Deus operou miraculosamente em sua boca para que ele se fizesse entender, para que COMUNICASSE bem sua missão? Não absolutamente. Ele (Moisés) simplesmente encarou seu próprio medo, se superou (Êxodo 5:1-3). Observe agora: quantas barreiras de comunicação os Israelitas viram na comunicação de Moisés? (Êxodo 4:28-30) e Faraó viu todas aquelas barreiras que Moisés erguera? Não, pelo contrário, Deus endureceu seu coração, não foi por falha na comunicação que não deixou o povo sair (Êxodo 4:21).

A principal forma de perder o medo de falar em publico é falando em publico”. E isso é essencial para um líder. Serei mais claro, se quiser ser um líder tem que perder o medo de falar, tem que, assim como Moisés, superar seus limites e seus medos. Caso contrário, desista, a liderança não é para você. Contudo lembre-se: você é capaz, só precisa treinar.
                        
4.3.1.1 – NÍVEIS DE COMUNICAÇÃO DA LIDERANÇA

Como já vimos, a comunicação é vital para o desempenho da atividade de um líder. Essa comunicação se dá basicamente em três níveis:

4.3.1.1.1 – AMIZADE / ACONSELHAMENTO    NÍVEL INDIVIDUAL:
  
O líder precisa, antes de mais nada,  manter um bom relacionamento de AMIZADE com seus liderados. Ninguém consegue liderar inimigos. A comunicação individual é a base dos outros  níveis de comunicação. Se o líder  tem problemas de relacionamento, não fala com”fulano” não fala com “sicrano” é pouquíssimo provável que será ouvido em outros níveis de comunicação, como a preleção, por exemplo. No passo posterior, o ACONSELHAMENTO (só quem cativa a amizade dos liderados consegue chegar a este passo da comunicação individual), o líder precisa de algumas ferramentas para desempenhar seu papel de conselheiro:  Em primeiro lugar, sempre estar disposto a escutar. Em segundo lugar, escutar  calado até o fim a explanação do problema e tentar entende-lo. Em terceiro lugar, tentar arrancar o máximo de informações possíveis (geralmente a pessoa não conta o que realmente está lhe perturbando), o líder precisa estar atento às entrelinhas. Em quarto lugar, manter a expressão sempre tranqüila, ainda que seja o pecado “mais cabeludo” que esteja lhe sendo confidenciado (o líder precisa estar preparado para ouvir de tudo, sem preconceitos) e sempre olhando para a pessoa, em total atenção. Em quinto  lugar, depois de já ter formado opinião sobre o assunto, de ter pensado o que a bíblia diz a respeito, o líder deve emitir sua opinião, sempre verdadeira (com cautela e mansidão) visando sempre o bem do aconselhando. Em sexto e em último lugar, o líder deverá AJUDAR o aconselhando a resolver seu problema, nunca tentar resolver por ele. Expressões do tipo: “você não acha que agir assim resolveria seu problema” são sempre bem apropriadas nestes casos.

4.3.1.1.2 – REUNIÕES COM  OUTRAS LIDERANÇAS –  NÍVEL SEMI-COLETIVO

Neste tipo de reunião o líder precisa ter muito bom senso e esperteza. Ele estará lhe dando com pessoas que são seus liderados mas ao mesmo tempo também são líderes. Em reuniões desta natureza o líder precisa demonstrar que sabe o que quer e que caminho seguir (ainda que peça opiniões, e deve pedir, ele é quem deve dar as cartas, indicar quem fala, “bater o martelo”). É imprescindível o uso de uma pauta prévia para não dar a impressão (as vezes verdadeira) que está perdido e sendo levado de acordo com o pensamento das outras pessoas.

4.3.1.1.3- - PRELEÇÕES, ENSINO    NÍVEL COLETIVO:

Este tipo de comunicação é a que traz  um grau maior de dificuldade (pelo menos no início) para o líder, principalmente pelo fato de não estar acostumado a falar em publico. Neste tipo de comunicação exige algumas tarefas: Primeira: saber o que vai falar, sempre ligando à necessidade do grupo. Segundo: Uma longa reflexão sobre o que vai se falar. Terceiro: Nunca ignorar o auditório (ler cabisbaixo), mas sempre olhar para ele, em sinal de segurança. Lembre-se: “As pessoas não conhecem seu interior, não sabem se você irá ficar  nervo”. Quarto: Prepare um esboço para não se perder. Um esboço para preparar e organizar a preleção deverá conter os seguintes elementos:

INTRODUÇÃO: Deve ser sempre interessante e convidativa, a fim de prender a atenção dos ouvintes para o restante da preleção, tendo sempre conexão com o próximo ponto. Pode ser usado uma estória, a letra de uma música etc. A ênfase e tonalidade da introdução devem sempre levar o ouvinte a querer ouvir o resto. Nunca começar uma preleção depois de avisos etc, isto quebra o brilhantismo da introdução.
          
CONEXÃO:  No texto que lemos também trata sobre isto....

ELUCIDAÇÃO:  Aqui se trabalhará o texto lido em si. Todas as informações sobre o texto deverão ser ditas aqui. Aqui também se dá informações novas sobre o texto (geralmente retiradas de comentários bíblicos, estudos etc). É aonde se dá o aprofundamento do texto. Informações de quando foi escrito, o momento em que foi escrito, para quem foi escrito, com que intenção (todo o pano de fundo do texto). Encerrar a Elucidação sempre com uma deixa para a entrada do tema.

CONEXÃO:  É exatamente sobre isto que QUERO falar.... sobre:

TEMA:  A escolha do tema é muito importante. Deve ser sempre um tema que seja de interesse e necessário ao ouvinte, caso contrário, ele não se interessará a ouvir sua argumentação.

CONEXÃO:  Repetir o tema antes de cada argumento...

 ARGUMENTAÇÃO: Aqui você vai fundamentar suas idéias a partir do ponto de vista do tema do seu sermão. É o momento de convencer seu ouvinte que o que você está falando é verdade. Para isso pode-se usar outros textos para dar maior veracidade a sua argumentação, ou ainda citação de autoridades no assunto. O número TRÊS argumentações é defendido por alguns como um número ideal. Sempre em ordem crescente de grau de interesse e importância, a fim de despertar no ouvinte um sentimento de que o próximo argumento será sempre mais forte.

CONCLUSÃO:  À semelhança da introdução também dever ser interessante, podendo ser uma estória, uma letra de música etc, só que desta feita desfechando tudo aquilo que foi falado, é uma síntese de tudo que você apresentou.

APLICAÇÃO: Aqui você faz o ouvinte perceber que tudo que você falou foi com ele e para ele e, diante disto, precisa se posicionar. Expressões do tipo “qual será sua atitude daqui para frente, depois de saber disso que ficou sabendo neste dia?” são sempre bem colocadas aqui. Pode-se usar a música como recurso para chamar o ouvinte à responsabilidade.

CURSO DE LIDERANÇA CRISTÃ - Parte 2/3



4- DANDO SUPORTE AOS LÍDERES

Como já vimos no capítulo 3, liderança não é algo que se nasce com ela, antes é algo que se aprende, com muito esforço, observação, treinamento e muita dedicação. Partindo desse pressuposto, passaremos a abordar alguns  PRINCÍPIOS ou LEIS que servem para dar suporte e bagagem aos líderes,  para enfrentarem esse grande desafio de conduzir pessoas.

4.1- PRINCÍPIO OU LEI DA VISÃO

“A liderança começa quando surge uma visão”.  A visão é o marco divisor entre um líder e um não líder. Ter uma visão é ter uma  IMÁGEM  muito CLARA de algo que o líder quer que seu grupo seja, faça ou alcance. Quando um grupo está sob a direção de alguém que não tem visão, o resultado é confusão, desordem, revolta, abuso de liberdade e anarquia.

A história registra algumas visões que alguns líderes tiveram e que, a partir dela, mudaram a realidade de seu povo, de sua nação. Um exemplo clássico é a visão de Martin Luterking, demonstrada em seu famoso discurso de 1963  no  Lincoln  Memorial. Disse ele: “...Eu tenho um sonho (visão)...meus quatro filhos um dia viverão em uma nação onde não serão julgados pela cor de sua pele, mas pelo conteúdo de seu caráter”. Mahatman Gandhi teve uma visão de uma Índia livre, quando ainda era dominada pela Inglaterra. E o que não dizer da visão de Neemias, um dos maiores líderes do povo de Deus? Ele teve a visão de uma cidade forte, reconstruída, com seus muros reerguidos, e, tudo isto, quando só havia destroços (voltaremos a falar mais sobre este grande líder).

A visão pode ser de natureza MICRO ou de natureza  MACRO, ou ainda uma junção das duas. Por exemplo: Um líder de jovens cristãos pode ter uma visão de determinadas tarefas ou programações (VISÃO MICRO), mas com a intenção num objetivo, numa visão maior: que seus liderados alcancem uma maior comunhão com Deus (VISÃO MACRO).

O  líder precisa acalentar sua VISÃO, sonhar com ela, devotar-se a ela, amá-la, dedicar-se de todo o coração,  pensar nela o dia todo para que seu coração flameje (Sl 39:3), de forma que isso se transforme em “Dínamus”, em força propulsora  para  que venha a AGIR em função dessa visão que teve, para que ela venha a concretizar-se. O líder  não é um simples  sonhador ele trabalha para tornar sua visão em algo real. Quando isso acontece a visão deixa de ser só visão e ganha também um caráter de MISSÃO. Contudo para se cumprir uma missão de forma satisfatória, é necessário que se estabeleça METAS, que nada mais são que uma série de passos específicos e mensuráveis, ou seja, para cumprir uma missão é necessário um planejamento estratégico. O próprio Jesus adverte para a necessidade de planejamento no cumprimento de uma missão advinda da visão do líder.  

O líder precisa de uma VISÃO, mas precisa também transforma-la em  MISSÃO, que por sua vez só será cumprida se estabelecido METAS. Quantas visões maravilhosas que não passam de sonhos de “Alice”, por que não foram transformadas em missão, quantas missões fracassadas, por que não tiveram metas definidas.

Muitos líderes acreditam que podem levar suas visões e projetos adiante "somente" com carisma e influência. Não podem! Por isso, muitos fracassam e levam seus liderados ao desânimo e frustração. Estabelecer metas bem definidas é um passo importantissimo para o sucesso do projeto. Isso é, inclusive, um preceito Biblico. Leia  Lucas 14:28-32.

Geralmente as METAS são:

4.1.1-De elaboração (como será o evento na prática)
4.1.2-De organização (o que se precisa para a realização do evento)
4.1.3-De custos (quanto se gastará e como captar recursos)
4.1.4-De alcance (o que se espera do evento)
4.1.5-De marketing (divulgação do evento, caso necessário)
4.1.6-De soluções (aqui  se resolve problemas e imprevistos)
4.1.7-De  avaliação (a missão foi cumprida? Como melhorar?)


Outro ponto importante (trataremos mais detalhadamente no princípio ou lei da influência) é a consciência de que a VISÃO de um líder é diferente da visão de um cientista, por exemplo. O sucesso do cientista beneficiará a muitos, mas, não requer o envolvimento direto delas. O líder trabalha por meio de outras pessoas, por isso precisa ter habilidade para vender sua idéia para seu grupo. Fazer com que cada liderado ASSUMA A IDÉIA como se fora sua. Luterking mais uma vez tem algo a nos ensinar: “sonho que se sonha só é sonho que se sonha só, sonho que se sonha junto é realidade”.
Neemias, assim como tantos outros homens de Deus, teve a visão de uma Jerusalém reconstruída, arregaçou as mangas, estabeleceu  metas e viu a cidade de pé. O próprio Luterking  teve a visão de um país mais justo, sem preconceitos, trabalhou em função dela, exerceu sua influência e obteve êxito. Gandhi teve a visão de uma  Índia  livre, não cruzou os braços e ela tornou-se  realidade. Observe: “Toda mudança permanente e duradoura começa com uma VISÃO”.

“O tamanho do líder e sua importância depende do tamanho e importância de sua VISÃO”. 

Mas, atenção: a visão não pode ser "fantasiosa" a ponto e tornar-se impossível de ser cumprida. Por exemplo: querer levar seu grupo de liderados adolescentes a evangelizar astronautas em órbita; se é que me entendem.

4.2- PRINCÍPIO OU LEI DA INFLUÊNCIA

Mandar é fácil. Ser chefe é fácil. Ser gerente é fácil. O comando de uma equipe quase não se requer empenho quando existe um cargo , uma patente, uma hierarquia. Quando a pessoa que está na posição superior está sob o escudo blindado da autoridade conferida. O diretor de uma empresa manda  e seus subordinados obedecem (sob pena de demissão). O comandante militar ordena e seus subalternos lhe prestam continência. A própria autoridade do policial militar reside em sua farda. Vemos essa verdade até mesmo nas autoridades eclesiásticas constituídas.

Esse tipo de obediência não é exatamente a que um líder ou ainda um futuro líder deve esperar de seus liderados. O líder pode até ter um cargo, ser referendado por uma instituição ou mesmo ter uma patente superior, mas seus liderados não lhe seguirão por causa disso, mas, por que querem, porque precisam, por que são influenciados por ele. Ela (obediência) deriva somente da influência e não pode ser delegada. Liderança sem influência, principalmente nas organizações voluntárias, como o é a igreja, por exemplo, não funciona.

Caso alguém não consiga influenciar naturalmente, ele pode ser um líder? De forma alguma, pois a influência é a essência da liderança. Ele pode até ser um ótimo chefe ou gerente, nunca um líder. O poder da influência entretanto é algo completamente possível de ser adquirido. Basta responder a uma pergunta: Por que algumas pessoas influenciam e outras não? O que há nelas de diferente? Vejamos algumas características que acabam provocando a aparição natural da influência:

4.2.1- AUTENTICIDADE:

Ser autêntico com as pessoas, falar a verdade, ter transparência em seus atos e palavras. Essa era uma das bases mais importantes da liderança de Jesus de Nazaré (ler Mateus 7:28-29) Ele fala como quem tem autoridade). Interessante notar que esse texto confronta exatamente a autoridade de “líderes constituídos” e a de Jesus. Qual o importante cargo que Jesus exercia na sua religião? Qual era seu cargo no judaísmo? Nenhum, apesar disso, influenciava seus seguidores, em contrapartida os líderes constituídos não conseguiam arrebanhar as pessoas, por vontade própria, e isso pela sua falta de autenticidade de suas vidas (Ler Mateus 23:27). A bíblia também nos faz uma séria advertência em Mateus 5:7: “seja o vosso sim sim e o vosso não não”. A influência que o líder está exercendo sobre seu grupo é o termômetro que mede seu poder de liderança.

No evangelho de João 6:58-71 (ler), vemos outro exemplo interessante do que uma vida autêntica pode provocar: Jesus não fazia esforço algum para arrebanhar seus seguidores. Notem que Ele está praticamente mandando seus seguidores embora, mas eles não querem ir, tamanha a influência que Jesus exercia sobre eles devido a autenticidade de suas palavras (ler ainda Efésios 4:25).

Precisamos deixar bem claro que ter um título de prestígio e chefia definitivamente não é o mesmo que ser um líder. “A verdadeira liderança não pode ser concedida, ela é conquistada”. Que confiança os liderados terão se seus líderes não são autênticos?

                      
4.2.2 – HUMILDADE:

Ao contrário do que muitos pensam a humildade confere um poder extraordinário ao líder. Como diz Haggai: “Se espera desenvolver todo seu potencial como líder será  bom aprender a enfrentar a crítica com tranqüilidade. Conta-se uma história de Abrão Lincon que teria dado uma ordem expressa para que seu secretário de guerra  Staton  deslocasse um pelotão para determinado lugar, ele por sua vez recusou-se e ainda criticou o presidente: “Lincon é um bobo”. Quando o presidente dos EUA soube fez a incrível afirmação: “se Staton disse que sou um bobo é porque sou, ele quase sempre está certo”. Reviu sua ordem sem o menor problema e acabou concordando com seu comandante. Isso surpreendeu até Staton, que passou a ser não mais um simples subordinado mais um admirador.

O que não dizer então da humildade do Homem mais poderoso e importante que já pisou na face da terra, Jesus? Desde o seu nascimento passando por toda sua vida (Ler salmo 22 e Isaías 53 e Filipenses 2:6). Não esquecendo do exemplo maior:

“Depois, deitou água na bacia e passou a lavar os pés dos discípulos e a enxugar-lhos com a toalha que estava cingido [...]. compreendeis o que fiz? [...]. Ora, se eu, sendo o senhor e mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns os outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu fiz, façais vós também” (João 13:1-20).



Infelizmente muitos líderes vêm em seus liderados verdadeiros “capachos, empregados, escravos”. Ao invés de os servirem querem ser servidos por eles a todo custo, usando, para isso, a “ordenação” do cargo ou posto que possui. Veja mais uma vez o que Jesus, o maior de todos, em tudo, ensina:

“Convosco não deve ser assim; se alguém quiser ser grande, seja servidor; quem quiser ser o primeiro, seja servo de todos; pois o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir” (Mc 10-43-45).

Moisés é reconhecidamente um dos maiores Líderes que a história da humanidade já conheceu. Ele compreendeu a essência do que significa liderar “ovelhas que não são suas”. No texto de Números 27, Moisés acabara de saber que não entraria na terra prometida; no destino final de sua missão, pela qual lutou durante quarenta longos anos. Essa punição, entretanto, não tinha, para Moisés, uma importância maior. Não que ele não fizesse questão de entrar na terra. Para ele,  exemplo de Líder, havia algo mais importante que seu próprio bem estar, que sua própria vida: a vida de seus Liderados.  Moisés, em momento algum tentou argumentar com Deus a seu favor. Seu alvo, sua preocupação era o povo que conduzia e por ele suplicava; "Senhor, autor e conservador de toda a vida, ponha um homem (um novo líder, já que Deus não permitiria que ele seguisse adiante do povo) sobre esta congregação" (Números 27:15-16).
 
A figura abaixo, na parte superior, representa bem, infelizmente, a visão de Liderança que muitos cultivam hoje. 

Precisamos contudo ter cuidado com a falsa humildade, que é pior que a falta de humildade. Um poeta inglês  Samuel afirmou: “...o pecado mais apreciado pelo Diabo é o orgulho que imita a humildade”. Isso é muito comum no meio religioso. Algumas pessoas para parecer mais humildes e piedosas que as outras afirmam ter uma espécie de linha particular de acesso a Deus; existe alguém mais prepotente do que esta? É a síndrome avisada por Jesus em  Lucas 20:46-47 (Ler). Precisamos nos afastar desse horrível pecado.

Divulgue meu Blog no seu Blog