quinta-feira, 13 de setembro de 2012

A BELEZA E A ARTE DE UM HOMEM E UMA RETROESCAVADEIRA


Estética é a parte da filosofia que estuda, de modo geral, o belo, a arte. Daí surge uma pergunta: o que é o belo? O que é a arte? Diríamos, parafraseando grandes pensadores, como Kant, que algo é belo e igualmente arte quando nosso sentimento é invadido pouco a pouco até ser completamente tomado por aquilo que estamos vendo ou ouvindo. Isso é arte, isso é belo.

Em uma atuação conjunta improvável nasce a  arte e o belo. Homem e Máquina interagindo na produção de um grande espetáculo. Veja no vídeo abaixo o Ballet protagonizado por um Homem e uma Retroescavadeira:   

video

terça-feira, 11 de setembro de 2012

O ATENTADO DE 11 DE SETEMBRO DE 2001 E O SEXTO MANDAMENTO: NÃO MATARÁS



Onze anos depois, hoje, dia 11/09/2012, o mundo relembra, ainda estarrecido, o maior atentado terrorista de todos os tempos. Sua magnitude foi sem precedentes na história.

Após o atentado de 11 de setembro de 2001, quando dois aviões tomados por terroristas suicidas, ligados ao Islamismo, colidiram com o maior símbolo econômico dos Estados Unidos, as duas torres do World Trade Center em Nova York, matando milhares de pessoas inocentes de diversas nacionalidades, o EUA decretou a chamada “Guerra ao terror”, ao “eixo do mal”. Relembre as cenas:

video

video

Na ocasião, depois dos ataques, o presidente Cristão George W. Bush (2001-2009) prometeu, em pronunciamento à nação pouco depois das 21h (22h em Brasília), "caçar e punir os responsáveis por esses atos covardes. Não faremos distinção entre os terroristas que cometeram esses atos e aqueles que lhes dão guarida", disse ele. Conforme: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft1209200107.htm.

Em última análise, o que temos aqui? Guerra entre religiões? De um lado, radicais Islâmicos invadem um território "Cristão",  derrubam dois prédios de particular significado e matam milhares de pessoas inocentes, cristãos em sua maioria, incentivados por seus pressupostos religiosos. Do outro, uma nação predominantemente Cristã, de origem protestante, declara guerra e mata outras centenas de pessoas.

Que mulçumanos matem motivados por questões religiosas não é nenhuma novidade (a julgar pela comemoração demonstrada no primeiro vídeo, acima). Afinal, em seu próprio texto sagrado - o alcorão - e também na sua tradição, há essa recomendação de matar os “infiéis” ou os não-mulçumanos: “Deus cobrará dos fiéis o sacrifício de seus bens e pessoas, em troca do paraíso. Combaterão pela causa de Deus, matarão e serão mortos” (Sura 9-111). E ainda: Fazei guerra, com sangue e extermínio, a todos que não crêem em Alá [...]. Quando encontrardes com os infiéis, matai-os (Hadith).

Dos Cristãos, porém, se espera outra atitude. Afinal, não foi o próprio Cristo, do qual se dizem seguidores, que ensinou a “amar os inimigos”, no sermão do monte?

Além disso, o sexto mandamento é bem claro: “Não matarás”.

“Não se trata de desvios doutrinários como os que ocorreram com a igreja Católica, na idade média, levando-a a matar em nome de Deus. Trata-se, antes, de uma Religião que já nasceu com o propósito de eliminar o "infiel" (não-mulçumano). Conforme: http://filosofiacalvinista.blogspot.com.br/2011/03/islaminsmo-religiao-que-mata-e-possivel.html .

A questão que se levanta é a seguinte:

Não teriam os Cristãos direito à legítima defesa? Um país Cristão ou simpático  a esses pressupostos, como os EUA, por exemplo, não poderia revidar tamanha afronta? Não pode uma "nação cristã" utilizar-se de poderia bélico para defender-se e defender seu povo, sem quebrar o sexto mandamento?

A grande dificuldade de entendimento dos preceitos Cristãos, bem como dos mandamentos, especialmente o sexto, “não matarás”, é a falta de distinção entre “obrigação pessoal” e “obrigação social”.

Enquanto indivíduo, no âmbito da “obrigação pessoal” o Cristão deve, realmente, “dar a outra face”. “Amar aos inimigos” e até mesmo “orar” pelos seus algozes perseguidores. O cristão também está proibido, nesse mesmo âmbito, pelo sexto mandamento, de tirar a vida de outrem. Ou seja, ele está proibido de fazer justiça com as próprias mãos. Essas são as obrigações a que todo Cristão está sujeito, sob pena de não sintonia com os ensinamentos de Cristo, com uma rara “exceção à essa regra”, como veremos mais adiante.

Contudo, no âmbito da “obrigação social” essa questão precisa passar por uma releitura. Portanto, nesse sentido, um “Estado Cristão” (ainda que Laico, mas que cultive, simpatize ou tenha maioria que preze pelos valores Cristãos) não está obrigado ao mandamento “Não Matarás”, que é essencialmente dirigido a indivíduos. Muito pelo contrário, se necessário for “matar para promover e proteger a vida”, mas somente com essa motivação, que é o grande objetivo do sexto mandamento, o Estado deve assim fazê-lo, incorrendo em grave erro, inclusive, o Magistrado Civil, se assim não proceder. 

A pergunta 136 de um importante Catecismo Cristão Protestante Reformado, conhecido como Catecismo Maior de Westminster, formulado no século XVII, pelos Puritanos, ensina de forma esclarecedora esse assunto:

Pergunta 136: Quais são os pecados proibidos no sexto mandamento?  Resposta: Os pecados proibidos no sexto mandamento são: O tirar a nossa vida (At 16. 18) ou a de outrem (Gn 9.6), exceto no caso da justiça pública (Nm 35. 31,33), da guerra legítima ( Dt 20. 1-20), ou da defesa necessária ( Ex 22. 2); a negligência ou retirada dos meios lícitos ou necessários para a preservação da vida ( Mt 25. 42,43; Tg 2. 15,16); a ira pecaminosa( Mt 5. 22), o ódio( I Jo 3. 15; Pv 10. 12), a inveja( Pv 14. 30), o  desejo de vingança( Rm 12. 19); todas as paixões excessivas( Tg 4. 1; Ef 4. 31)  e  cuidados demasiados( Mt 6. 31,34); o uso imoderado de comida, bebida( Lc 21. 34), trabalho( Ex 20. 9,10)  e recreios( I Pe 4. 3,4); palavras provocadoras( Pv 15. 1; Pv 12. 18); a opressão( Is 3. 15; Ex 1. 14), contenda( Gl 5. 15), espancamentos, ferimentos( Nm 35. 16) e tudo o que tende à destruição da vida de alguém( Pv 28. 17 cf Ex 21. 18-36).”

Concluímos que, segundo essa interpretação, há algumas exceções em que o "Cristão" e o “Estado” podem matar

Mas, mesmo essas exceções, visam claramente atingir o objetivo maior do sexto mandamento: a preservação da vida.

Para o Cristão, no âmbito de sua “obrigação individual”, só e somente só, em caso de “defesa necessária” ou da chamada “legítima defesa”, também prevista na forma da Lei.

Para o Estado, entendido aqui como “cristãos no exercício de suas obrigações sociais”, mas não só,  a exceção aplica-se em casos de “justiça pública” (pena de morte, que consiste basicamente em eliminar, após justo julgamento, o assassino, que quebrou individualmente o sexto mandamento,  da sociedade, visando o bem estar e proteção da vida dos cidadãos) e “guerra legítima”.

Esclarecidos esses fatos, a dificuldade agora é julgar se a chamada “guerra ao terror” foi legítima ou não. O que você acha? Comente, deixe sua opinião.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

O AMOR LIMITADO DE DEUS - Parte 4 (final)



A consequência lógica da antropologia Agostiniana só pode ser uma: o amor limitado de Deus. Evidentemente que esse termo precisa ainda ser esclarecido. Quando dizemos “amor limitado” de Deus, não estamos querendo reduzir algo que, por si só, é infinito. Mas queremos dizer que a destinação eterna desse “amor salvífico” tem caráter específico e não contempla toda a raça humana, antes, pelo contrário, contempla apenas, só e somente só, o número exato daqueles que foram eleitos “antes da fundação do mundo” para a salvação. Nenhum a mais, nenhum a menos. Para esses, e somente para esses, repetimos, o “amor salvífico” de Deus não teve limites, chegando ao ponto extremo de entregar seu unigênito Filho para morrer no lugar deles. “O amor salvífico de Deus é limitado na medida em que atinge, por pura vontade Soberana do próprio Deus, somente os eleitos, tirando-os da condição de perdição que um dia se meteram, em Adão, por vontade livre, e não tirando o restante da raça humana desse estado de justa condenação eterna, mas apenas deixando-os onde, naturalmente, sua natureza decaída tem prazer em estar: distante de Deus. Por outro lado, o amor salvífico de Deus é ilimitado porque não mede esforços para salvar os predestinados”.

Para Agostinho, sendo o homem incapaz de qualquer bem por si só, estando com sua natureza corrompida e totalmente depravado, resta-lhe tão somente esperar o favor não merecido da graça divina. A partir desse ponto, e como consequência lógica e racional de sua antropologia, ele desenvolve seu conceito de predestinação. Essa doutrina, embora tenha suas bases firmadas em escritos paulinos, é a alternativa racional encontrada por Agostinho para resolver o problema da natureza decaída do homem.

Ora, se o homem, segundo Agostinho, não possui mais as condições para, por suas próprias forças, fazer qualquer bem que concorra para a reabilitação de sua própria natureza e considerando ainda que a revelação escriturística o fazia entender que nem todos, por mais que tentassem, alcançariam tal reabilitação, Agostinho avança, para a única conclusão cabível como desfecho de sua antropologia, para a única alternativa de reabilitação da alma decaída, isto é, a predestinação. Agostinho chega à conclusão que, na eternidade, Deus teria escolhido alguns homens para agraciá-los com essa graça salvífica, não por merecimento, pois, por merecimento todos deveriam, justamente, perecer eternamente na condição decaída, como ele mesmo afirma:

Esses testemunhos demonstram a concessão da graça de Deus não em atenção aos nossos merecimentos. Às vezes verifica-se a concessão não somente faltando merecimentos, mas existindo desmerecimentos prévios (AGOSTINHO. A graça. p.37).

No segundo volume de sua obra “A graça” Agostinho desenvolve de forma clara e inequívoca, não somente as bases de sua soterologia, mas, sobretudo, o desfecho lógico de sua antropologia, diz ele:

Procuremos entender a vocação própria dos eleitos, os quais não são eleitos porque creram, mas são eleitos para que cheguem a crer. O próprio Senhor revela a existência desta classe de vocação ao dizer: Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi (Jo 15: 16). Pois, se fossem eleitos porque creram, tê-lo-iam escolhido antes ao crer nele e assim merecerem ser eleitos. Evita, porém, esta interpretação aquele que diz: Não fostes vós que me escolhestes. Não há dúvida que eles também o escolheram, quando nele acreditaram. Daí o ter ele dito: Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi, não porque não o escolheram para ser escolhidos, mas para que o escolhessem, ele os escolheu. Isso porque a misericórdia se lhes antecipou (Sl 53:11) segundo a graça, não segundo uma dívida. Portanto, retirou-os do mundo quando ele vivia no mundo, mas já eram eleitos em si mesmos antes da criação do mundo. Esta é a imutável verdade da predestinação da graça. Pois, o que quis dizer o Apóstolo: Nele ele nos escolheu antes da fundação do mundo?(Ef 1:4). Com efeito, se de fato está escrito que Deus soube de antemão os que haveriam de crer, e não que os haveria de fazer que cressem, o Filho fala contra esta presciência ao dizer: Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi. Isto daria a entender que Deus sabia de antemão que eles o escolheriam para merecerem ser escolhidos por ele. Consequentemente, foram escolhidos antes da criação do mundo mediante a predestinação na qual Deus sabia de antemão todas as suas futuras obras, mas são retirados do mundo com a vocação com que Deus cumpriu o que predestinou. Pois, o que predestinou, também os chamou com a vocação segundo seu desígnio. Chamou os que predestinou e não a outros; predestinou os que chamou, justificou e glorificou (Rm 8:30) e não a outros com a consecução daquele fim que não tem fim. Portanto, Deus escolheu os crentes, mas para que o sejam e não porque já o eram. Diz o apóstolo Tiago: Não escolheu Deus os pobres em bens deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam? (Tg 2:5). Portanto, ao escolher, fá-los ricos na fé, assim como herdeiros do Reino. Pois, com razão, se diz que Deus escolheu nos que crêem aquilo pelo qual os escolheu para neles realizá-lo. Pergunto: quem ouvir o Senhor, que diz: Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi, terá atrevimento de dizer que os homens têm fé para ser escolhidos, quando a verdade é que são escolhidos para crer? A não ser que se ponham contra a sentença da Verdade e digam que escolheram antes a Cristo aqueles aos quais ele disse: Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi (AGOSTINHO. A graça. p.194,195).

Divulgue meu Blog no seu Blog