domingo, 26 de fevereiro de 2012

MEDIDOR DE BONDADE. VOCÊ MERECE SER SALVO?

Eu também sou filho de Deus. Eu sou um bom filho, bom marido, não fumo, não bebo, não faço nada de errado, é de casa para o trabalho do trabalho para casa. Faço caridade. Faço doações para orfanatos. Sou um cidadão que cumpre com suas obrigações.  Em fim: me considero uma pessoa boa e por isso mereço ser salvo. São frases recorrentes usadas por "pessoas de bem". Essa louca impressão de dever cumprido e de bondade aparente é uma das maiores mentiras plantadas pelo diabo para iludir as pessoas e deixá-las cegas do quanto ofendem a Deus com suas "boas obras"; do quanto são inimigas Dele e do quanto estão distanciadas Dele. Infelizmente a pregação que não ressalta a depravação total do homem acaba igualmente produzindo essa sensação de bem estar no pecador.

Para um homem morto espiritualmente e, portanto,  perdido, só há um remédio: a Graça, que por definição é favor não merecido.

Se você acha que merece ser salvo, está dizendo que não precisa da graça de Deus. Percebe como isso é grave? O guia espiritual dos arminianos, o monge Pelágio (IV dc), conforme está registrado na obra "A Graça, vol.I", de Agostinho, chega mesmo a a afirmar que o homem não necessita da Graça  para achegar-se a Deus; que por suas próprias forças esse homem poderia escolher livremente, na hora que achasse mais adequada, seguir a Deus.  Essa idéia, com algumas variações, tem sido ensinada pela maioria das igrejas evangélicas, que são de orientação arminiana. Isso dá ao pecador um poder que ele não tem, resultando na ilusão de que o homem  já nasce bom e que não há motivos para correr desesperado aos pés da cruz. Disso decorre a "doutrina do apelo" que transfere o poder de escolha de Deus para o pecador, sendo este ultimo uma espécie de ser autônomo e soberano que dá ou não uma oportunidade a um Deus passivo e que apenas, à semelhança de um jornalista, registra os atos livres do homem decaído; que fica na torcida e na expectativa de que esse homem abra, espontaneamente, o coração para que Ele possa fazer morada.

O vídeo abaixo é uma boa demonstração como as coisas são de fato. Como nossas boas obras de justiça não podem nos salvar e nem mesmo nos aproximar de Deus. Não deixe de assistir

video

Nota: Apesar da boa idéia do vídeo, esse blog desaprova a representação de qualquer pessoa da Trintade, como é o caso, na representação de Jesus. 

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

NÃO DEVEMOS PREGAR O EVANGELHO PARA FAZER A IGREJA CRESCER


O maior objetivo da igreja não é o de crescimento numérico. Nunca foi. A obrigação da igreja é pregar e ensinar o evangelho. Só isso. Se as pessoas irão se converter ou não, aí já é outra história. É trabalho exclusivo do Espírito Santo. Não devemos ter nem mesmo compromisso com a conversão dos pecadores, no sentido de insistir para que se convertam. Nosso único compromisso é pregar e ensinar, sem a expectativa, inclusive, de conversão. Isso não nos cabe.

Quando o assunto é evangelização e missões, é intrigante constatar a utilização apenas parcial do “Ide”. As pessoas sempre citam “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mateus 28:19). É o texto preferido para abordar o assunto. Porém, o verso seguinte, que também faz parte do mesmo contexto, que também faz parte do “Ide”, “ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado (Mateus 28:20), por incrível que pareça, é sempre, de forma proposital, esquecido. Dá muito trabalho; deve ser isso. E, depois, não é interessante ter pessoas esclarecidas e com um bom conhecimento doutrinário e teológico em nossas igrejas. Essas pessoas são muito chatas; não se deixam nem manipular.

Ora, não se faz um discípulos de um dia para o outro. Também não se ensina a "guardar os preceitos de Cristo" de forma instantânea. É uma verdadeira gestação espiritual, é um verdadeiro parto espiritual, a partir da palavra de Deus. Ou seja, é necessário tempo de estudo para que as pessoas aprendam os desígnios de Cristo e tornem-se seus discípulos, isto é, seguidores daquilo que ele ensinou e de toda a Escritura Sagrada. Mas as “igrejas Fast Food” da atualidade não têm mais esse tempo disponível para isso!

Discípulo é, em última análise, seguidor. Não somente seguidor de pessoas. Seguidor de idéias, de mensagens, de ensinamentos. Mas, como seguir, como ser discípulos, se nem ao menos se conhece o que seu mestre ensinou? Seguir o quê? O que estamos formando em nossas igrejas? Discípulos de Cristo ou um amontoado de pessoas que mais se parecem com “cifrões ambulantes”?

A questão não é só arrebanhar. Aliás, Cristo advertiu seriamente os fariseus quanto a essa prática, pois "percorriam o mar e a terra para fazer um prosélitos” e depois os tornavam duas vezes mais merecedores do inferno (Mateus 23:15). Uma coisa é fazer discípulos de Cristo outra coisa é fazer congregados e membros de igreja. A segunda é extremamente mais rápido e fácil. 

O movimento de crescimento de igreja, muitas vezes, tem incutido na mente dos crentes, e em especial de líderes, que eles precisam fazer a igreja crescer; que esse é seu compromisso. Não é. Cristo nunca nos chamou para lotar igrejas e sim para pregar o evangelho, independentemente se haverá ou não conversões.

Essa gana por crescimento numérico está tão evidente que não ouvimos mais a frase "procure uma igreja genuinamente evangélica mais próximo de sua casa". Talvez porque elas estejam em extinção? Pode ser, mas talvez, principalmente, porque a preocupação maior é encher “a minha igreja” e não anunciar as boas novas do evangelho.

Evidentemente que se evangelizar muito, naturalmente, a tendência é que mais pessoas sejam acrescidas à igreja local. Mas essa não é uma condição sine qua non. Temos alguns relatos na literatura de missões de servos de Deus que pregaram o genuíno evangelho por diversos anos sem, contudo, presenciarem conversões. Eles não estavam fazendo o trabalho direito? Claro que não era isso. Apenas aprouve ao Espírito Santo não salvar aqueles que ouviram a pregação do evangelho. Mas, e daí? Não temos nada com isso. Se haverá conversões ou não é coisa que não nos compete. Nossa responsabilidade é pregar, ensinar "todas as coisas que Cristo tem ordenado". Só isso. Afinal, a pregação do evangelho tem duplo objetivo: salvar os eleitos e selar a condenação dos répobros.

O próprio apóstolo Paulo pregava para um grupo de mulheres e, diz o texto sagrado, que "O senhor abriu o coração de Lídia" (Atos 16). Apenas o dela. Essa, certamente, seria considerada uma cruzada evangelística fracassada hoje em dia.

Encher igrejas e converter pessoas definitivamente não é o trabalho para o qual fomos chamados. Claro que "casa cheia" é bom para o ego da igreja e, principalmente, do pastor da igreja. Para o ego e para o bolso. Mas a questão é: estamos "fazendo" discípulos de Cristo ou arrebanhando pessoas para encherem nossos bolsos? Muitas igrejas neopentecostais, e até tradicionais sob essa influência, têm negociado o evangelho e aberto mão dos preceitos escriturísticos sob o argumento da “urgência” da evangelização. Leia-se “urgência de crescimento numérico”. Na verdade, leia-se "crescimento de arrecadação". “Precisamos salvar as almas que estão indo para o inferno”, dizem alguns. Que triste motivação para pregar o evangelho! Nem mesmo a pregação do evangelho poderá modificar o destino eterno dessas almas. Amor pelas “almas perdidas” não deve ser a motivação para pregar o evangelho, muito embora isso pareça estar revestido de uma espiritualidade tão límpida quanto pode ser. Nossa motivação deve ser a obediência aos chamamentos de Deus.

O resultado dessa negociação do evangelho; desse evangelho “água com açúcar” que está sendo pregado nas igrejas é o que, infelizmente, temos visto nos últimos dias: uma igreja evangélica extremamente descaracterizada, misturada, desviada e desmoralizada.

Finalmente, é lamentável que o trabalho de evangelização da igreja seja atrelado, ainda que de forma subtendida, a recompensas e resultados. Esse é apenas o nosso dever. Não passamos de "somos servos inúteis” quando fazemos o que é para ser feito. De que recompensa estão falando? De que resultados? A igreja cheia? Os dízimos aumentando exponencialmente? Os bolsos dos pastores cheios? É essa a impressão que fica!

Divulgue meu Blog no seu Blog