sexta-feira, 8 de junho de 2012

PARABÉNS PRA VOCÊ OU GRAÇAS A DEUS?



Jesus, certa vez, disse algo que é muito pertinente relembrarmos num momento de comemoração de mais um ano de vida, especialmente num contexto de festa de aniversário. Disse Ele: “Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso de sua vida”? (Lucas 12:25). Côvado é uma unidade de medida que equivale a aproximadamente 45 centímetros. O argumento irrefutável nos lembra que nenhum de nós; absolutamente ninguém, tem a capacidade de alongar, nem mesmo por alguns centímetros, a caminhada que nos está proposta. Alguém consciente pode negar isso? Nem mesmo os mais abastados com suas muitas riquezas podem decidir por viver mais um pouco, tendo chegado o limite do curso de sua vida. Os poderosos não poderão usar sua recorrente arrogância para conquistarem mais tempo.  A fé dos religiosos também não os ajudará a merecerem tamanho benefício. Os pobres também não poderão usar seu sofrimento momentâneo como estratégia de convencimento para prolongamento de suas vidas. O fim da estrada é absolutamente democrático e irrevogável. Essa reflexão perpassa uma questão filosófica fundamental e basilar: afinal, “que é o homem”? É a pergunta feita também pelo Salmista; respondendo ele mesmo: “ O homem é como um sopro; os seus dias, como a sombra que passa (Salmos 144:3-4). E ainda outro salmista afirma: “Os dias da nossa vida sobem a setenta anos ou, em havendo vigor, a oitenta; neste caso, o melhor deles é canseira e enfado, porque tudo passa rapidamente, e nós voamos” (Salmo 90:10). É o que somos: “humanos; demasiadamente humanos”; seres cujo DNA está impregnado de transitoriedade e dependência, face à Eterna e Imutável existência de Deus, como ainda afirma o Salmista: “Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Salmo 90:2). Somos loucos em não atentarmos para tão grande diferença entre Ele e nós. Parabenizar, ser parabenizado ou ainda parabenizar-se por mais um ano de vida, não significaria, em última análise, entender que o continuar vivo, de alguma forma, depende ou dependeu de nós? Diante do exposto acima, não fica sem sentido, em qualquer língua, as famosas palavras cantadas “Parabéns pra você ou Happy Birthday to You”? Antes, não seria mais adequado, à ocasião, ações de Graças a Deus, único autor e preservador da vida? Façamos nossas, pois, as palavras de Moisés, em seu salmo solitário: “Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio” e ainda: “Sacia-nos de manhã com a tua benignidade, para que cantemos de júbilo e nos alegremos todos os nossos dias” (Salmo 90:12,14).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Divulgue meu Blog no seu Blog